terça-feira, março 07, 2006

A Amizade

Já escrevi sobre isto anterioriormente, e sem dúvida que é algo que na maioria das vezes sugere leituras/interpretações diferentes. A conclusão a que chego, sem sombra de dúvida, como muitos de vós já terão chegado em dada altura da vossa vida, é de que os meus Amigos podem contar comigo, mas eu raramente posso contar com eles. Não me faz ser diferente, apenas e só me desilude. Sou uma pessoa que estabelece diferenças entre "amizade" e "Amizade", sendo que esta última é revestida de uma importância que dificilmente é entendida por alguém que não estabeleça esta diferenciação. Contrariamente ao que muito boa gente possa pensar, eu sou daquelas pessoas que acredita que ainda há lugar à Amizade, sendo que a mesma, para que seja efectivada e cresça sustentadamente, tem de ser alimentada. É a partilha de alguma angústia, é a partilha de alegrias, tristezas, é a questão do aconselhamento...enfim, uma série de coisas.

Sou uma pessoa que pede pouco aos meus Amigos. Apenas e só que estejam "lá" quando preciso, e que façam por ter disponibilidade, quer mental, quer presencial se tal fôr necessário. Na maioria das vezes não acontece, e não raro acho que há uma deturpação bem visível do tal conceito de Amizade que tenho vindo a falar. A prova disso é visível nos mais pequeno gestos. Nunca fui, não sou e nunca serei uma pessoa materialista. Não me tenho como tal. Tenho-me como uma pessoa sensata, que gosta de ver a alegria estampada na cara das pessoas a quem dou algo. Quer seja no Natal, quer seja no aniversário, quer seja em alguma outra altura. Contudo, esta minha alegria não tem reciprocidade. Ou seja, as pessoas gostam de receber, mas gostam pouco de dar. Talvez não gostem de gastar dinheiro. Eu gosto, e sempre que o tenho, gosto de presentear alguém. E acreditem que doi um pouco quando os melhores Amigos(as) vos dizem no vosso aniversário que "depois vos dão alguma coisa", quando outras pessoas, que se calhar não têm esse "estatuto", se lembraram, e deram algo...É a triste realidade.

Contudo, é necessário ir aprendendo com as pessoas. Aprender simplesmente a pensar como elas, e a agir como elas. E basicamente é isso que terei de aprender a fazer, na medida em que hoje em dia não o faço.