sábado, agosto 02, 2008

Silly Season

Como habitualmente, por esta altura do ano, Portugal "vai a banhos". Durante algum tempo, esquecem-se os problemas, o TGV, o novo aeroporto, o preço do barril do petróleo, o aumento (ou não) da taxa de inflacção, o tendencial e crescente endividamento público...e por aí fora.

Lamento, que durante um ano, poucas ou nenhumas decisões se tomem, por quem de direito. Talvez por ser demasiado exigente. Talvez por ser prático. Talvez por nunca ter tido um cargo político, em que me fosse solicitada uma (ou mais) decisões. Julgo que esse será um dos maiores problemas que existe. Quem tem de tomar decisões, não as toma. É preferível discutir-se em plenário, vezes sem conta, as mesmíssimas coisas. Ir repescar acusações antigas, e como vem sendo hábito, quando as coisas não correm mesmo de feição, falar em legados políticos, falar em Governos antigos. Basicamente, aplica-se a máxima de "quando não sabemos dançar, dizemos que o chão está torto".

Não entendo muito bem como é que há pessoas que conseguem ter calma e abstrair-se dos problemas actuais. Da mesma forma que não entendo como é que há pessoas, com a actual conjuntura sócio-política, que continuam a praticar o mesmo estilo de vida que praticavam há sensivelmente 15 anos, em que Portugal não tinha problemas económicos (como aliás nunca teve, na douta opinião de alguns). Basta para isso, perder algum tempo e ver que se continua a viver acima das possibilidades, se continua a contrair empréstimos para pagar férias, se continua com a eterna ideia da "galinha da vizinha é melhor que a minha", aplicando a mesma à compra de móveis e imóveis. Infelizmente, diga-se em abono da verdade.

Detesto o Verão. Por variadíssimas razões pessoas, que poderei elencar noutra altura. A silly season é o protótipo de época/altura em que aqueles que pouco ou nada fazem, se vangloriam dos destinos de férias para onde foram. Apraz-me ver pessoas que sei que nada produzem profissionalmente, começar a pensar em Janeiro, nas férias que têm em Agosto. E vivem isso intensamente. Sendo que, durante o intervalo de tempo que medeia os dois meses, produzem zero. "Bola". E após o seu regresso, têm tema de conversa para os próximos meses. Bem como uma prestação (mais uma), numa banco para pagar o empréstimo que contrairam para ir às Maldivas.

Quanto à classe política, pouco ou nada se me oferece dizer. Não sendo objectivo, dá-me ideia que é tudo um grupo de amigos que jogam em equipas diferentes. E quando assim é, pouco ou nada se resolve. Gentleman Agreement parece-me ser uma prática corrente na Assembleia. Havendo pouca discordância (ou concordância), não haverá muito a discutir. A não ser aqueles temas mais "quentes"... E mesmo nesses...tenho as minhas verdadeiras dúvidas que algo seja feito na realidade.

Contudo...toda a gente se sente esgotada e a necessitar de férias...para os vizinhos verem!

Silly people!