quinta-feira, fevereiro 19, 2009

O Brio Profissional

Considero o brio profissional uma das características que mais aprecio em alguém. O espírito de sacríficio com vista à consecução de objectivos (por departamento e permitindo em consequência o atingir dos objectivos da empresa).

Nem todas as pessoas são briosas na sua actividade profissional. Será mais fácil cumprir (logicamente) um horário de trabalho estático, sem abnegação de momentos além do horário supra mencionado, do que sacrificar os momentos de lazer em prol da empresa. É uma verdade conhecida, e não há grande dúvida neste aspecto.

Na minha opinião, o trabalho fora de horas, acontece em duas situações distintas: a) Má organização pessoal ou b) Demasiado trabalho para uma só pessoa. Se na primeira situação tudo depende da pessoa em causa, e se existe na mesma vontade em aprender metodologias de organização que lhe permitam o "improvement" no seu quotidiano profissional, já na segunda situação será um problema vertical, organizacional.

Infelizmente, e fruto da competitividade inter-empresas que exploram determinado nicho de negócio, "parar é morrer". Ou seja, colocam-se de lado modelos de gestão estanques e abordam-se novas oportunidades de negócio, mais flexíveis, apostando indubitavelmente na vertente comercial consolidada, sustentada e agressiva. Nos dias que correm, só assim é possível a sobrevivência de uma organização.

E é normal, com o exposto acima, que nem sempre o brio profissional subsista. O excesso de trabalho é perfeitamente tipificado e identificado com "picos", e obviamente que não é possível gerir o tempo disponível de forma cabal. Como seria desejável.

Também não é óbvia e imediata a afectação de mais recursos numa altura em que o mundo inteiro vive em plena recessão económica. Contratação de novos quadros sugere mais despesa. E com a actual conjuntura económica, tal opção poderá reflectir uma separação clara e inequívoca entre as empresas que se mantêm activas e pagam custos fixos e variáveis atempadamente, e aquelas que não conseguem acompanhar. E, não raras, ficam-se pelo caminho.

Concluindo, o brio profissional depende de vários factores. Na generalidade das vezes, exógenos. Contudo, entendo que é importante que sejamos profissionais no que fazemos. Sejamos rigorosos, empreendedores, criativos, e porque não críticos de nós mesmos, efectuando para tal, auto-avaliações regulares no espaço temporal.

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

A necessidade do inglês

Estava a ouvir um comentário na rádio (sim, fora de Portugal continuo a ouvir rádios portuguesas - bendita internet), onde um dos entrevistados era espanhol. E basicamente, os entrevistadores tinham de falar pausamente o português, para que o "nuestro hermano" pudesse entender.
Sobre este tema algumas considerações que tenho vindo a fazer ao longo dos anos... Diz um dos ditados populares "Em Roma sê romano". Ou seja, e aplicando à comunicação oral, é importante que a comunicação seja fluente e perceptível entre emissor e receptor. Em Israel, onde me encontro agora, utilizo o inglês. Não sei falar israelita, mas o inglês é perfeitamente entendido, e regra geral, todos (as) os (as) interpelados (as) entendem e fazem-se entender. Menos um problema, num País que não é o nosso.
Uma coisa que tenho reparado, em algumas viagens que tenho oportunidade de fazer, é que há Países (tendo em consideração as pessoas com quem tive oportunidade de estabelecer comunicação), que pura e simplesmente não se esforçam por comunicar na mesma língua. Mesmo aqui, alguns tipos mais velhos, não sabem, ou não querem falar o inglês. Mas falam entre eles israelita. E fico a apanhar do ar, claro. O mesmo meu aconteceu recentemente em Espanha...com o perigo para os espanhóis de que algumas coisas do que eles dizem nós portugueses, entendemos..
Opto por falar o inglês em todo o lado, quando saio de Portugal. Lamentavelmente, não sou poliglota. O inglês, hoje em dia, é a língua comummente aceite em qualquer canto do globo. Melhor ou pior, a comunicação é passível de ser feita. Ainda que existam alguns resistentes, como os que mencionei acima. Mas na generalidade, é possível comunicar.
Em Portugal, coloca-se outra questão. Porque razão terei eu de dar informações de orientação em italiano, espanhol, ucraniano, moldavo ou paquistanês? Ninguém até hoje me deu as mesmas em português quando necessitei das mesmas estando no estrangeiro...
Donde...um conselho...aprendam inglês!!

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Fotografia de Portugal

Neste momento escrevo estas linhas longe de Portugal. Mais concretamente num dos países que mais tem ocupado as páginas dos jornais. Sim, Israel mesmo. Deixarei os meus comentários relativos a este País para outro momento. Em que tentarei colocar algumas fotos e quiça, até documentar fotograficamente a minha estadia.
Não obstante, tenho acompanhado de perto o que se passa em Portugal. A internet, sem qualquer dúvida, é uma poderosíssima ferramente, e em menos de nada, sabemos o que queremos. À distância de um clique.
Em Portugal, tenho por hábito folhear diariamente o "Público", e semanalmente o "Expresso" e o "Sol". São os três jornais a quem concedo credibilidade, e assim sendo, aqueles que sigo com mais atenção. Especialmente os semanais. Contudo, e estando longe, opto por consultar numa base diária o primeiro. Até porque a sua página é mais rica, com mais substância, e creio que será actualizada com mais regularidade. E as notícias são mais detalhadas. Não visualizo com tanta frequência as páginas dos outros dois jornais.
Basicamente, e após quase 1 mês fora, continua tudo na mesma. Sem tirar nem pôr. As mesmas fantochadas, as mesmas notícias que enchem as primeiras páginas dos jornais, e o País sem rumo. Sim, sem rumo.
Parece-me, claramente, que chegámos há algum tempo, a um ponto em que é necessário ver a fibra de quem tem o poder nas mãos. Alguém com poder, com pulso, que seja capaz de tomar as rédeas do País. E não me parece que neste momento exista. Note-se que não faço este comentário com qualquer tipo de conotação política. Falo objectivamente de quem neste momento está no Executivo e falo da Oposição - que resumidamente não existe.
Com recessão económica assumida, com contenção de custos, com problemas vários no cumprimento de metas acordadas no Parlamento Europeu, parece-me evidente uma clara deriva e um desvio substancial daquilo que é necessário e verdadeiramente importante.
É preferível, segundo a óptica dos media, perceber que o nosso PM tem um tio que até esteve ou foi parte interessada no caso Freeport. Tio e primo. Que aquando do processo de licenciamento do terreno para edificação da supramencionada área comercial, houve conluio e interesses vários - tráfico de influências. Enquanto engenheiro, e especializado na componente ambiental, preocupa-me de sobremaneira saber que houveram duas avaliações ambientais, sendo uma delas positiva e outra negativa. Feitas por funcionários a quem se requer, na minha perspectiva, alguma credibilidade, idoneidade e troca de informação. Não me parece razoável que existam duas avaliações opostas para a mesma realidade.
Há medidas que têm vindo a ser tomadas que são, naturalmente, o apelo ao voto dos indecisos. Aqueles que não sabem se querem continuar a viver com dificuldades, aqueles que há muito que não acreditam no sistema político português, aqueles que não se sentem minimamente motivados para ir às urnas por altura do acto eleitoral. Lamentavelmente.
Há promessas que foram assumidas durante as eleições do actual Executivo. Poucas foram aquelas que foram cumpridas. Dois exemplos simples: postos de trabalho (efectivos, as estatísticas dos centros de emprego para o trabalho temporário não contam), e a questão do aumento da taxa do IVA. Duas questões que foram debatidas, faladas, questionadas, e não foram cumpridas as várias promessas relativas às mesmas. Muito pelo contrário...falhou-se nos postos de trabalho, e aumentou-se o IVA..
O saldo do actual Executivo é mau. É importante também avaliar a situação económica internacional, e que como será razoável admitir, torna difíceis as condições de governação. Contudo, há ou tem de haver lugar ao diálogo. À tentativa de encontrar soluções, promovendo a discussão inter-partidos da oposição e no seio do próprio partido. Evitar clivagens (internas e externas). Ser dada importância ao que realmente importa (más condições de vida de muitos portugueses, em detrimento de se continuar qual autista com a ideia obstinada das obras públicas de valores astronómicos, e para os quais os portugueses não podem, não devem e decerto não querem pagar a factura. Tal como tiverem, têm e terão de pagar os estádios de futebol que foram construídos por altura do último evento desportivo ocorrido cá em Portugal. Cada vez que me recordo disto, vem-me à memória o que aconteceu com Sevilha...após a exposição ficou deserta. Mas Espanha, como sabemos, tem uma economia diferente da nossa. Mais consolidada, mais forte e sobretudo, com uma melhor e maior capacidade de recuperação da recessão, como começa aliás a dar sinais.
A ver vamos. Não quero com este tipo de comentários dizer que está tudo mal. Talvez a vida me tenha ensinado a ser mais crítico, observador e sobretudo mais preocupado com soluções para os problemas e não com a questão de levantar problemas. Mas a minha contribuição será feita aqui, para aqueles que me lêem. Deverá ser sem qualquer hesitação o trabalho dos deputados da nossa AR. Aqueles que fazem parte dos partidos da Oposição. A esses, é imputada essa responsabilidade. É a esses que Portugal deposita a sua confiança para a resolução dos problemas preementes.
Não é com plenários em que se perdem 60 minutos ou mais com acusações ao Executivo que se resolvem os problemas. É tempo perdido. Tempo sem qualquer tipo de utilidade, quando poderia ser utilizado melhor, discutindo o que realmente interessa, e sobretudo, apresentando soluções.

O Regresso

E cá estou de novo. Porque recebi alguns comentários de leitores (as) que me fizeram rever a ordem de prioridade das minhas tarefas diárias, e porque não escrevia desde Setembro passado.

Basicamente, tentarei que a escrita seja mais regular, bem como a paciência (e tempo) assim o sejam, por forma a permitir que existam textos novos com uma periodicidade mais regular.

O meu obrigado a todos (as) os (as) leitores e tentarei cumprir a promessa!

João