terça-feira, março 17, 2009

Crianças

Não sou uma pessoa particularmente paciente com crianças. É certo que a idade nos molda e nos transforma, mas sou daquelas pessoas que detesta os guinchos, os berros estridentes e as insubordinações. Ou mesmo as "piscinas" que algumas crianças teimam em fazer, quando em almoços ou jantares com os pais. Má educação.
Não é isto que me faz escrever o presente texto. Tenho vindo a constatar, pelas notícias dos últimos dias, que crianças morrem (ou ficam no estado de coma), consequência da negligência dos progenitores. O recém-nascido que foi "esquecido" dentro de uma viatura, outro recém-nascido que caiu de uma altura de 15 metros, uma criança que foi arrastada por uma vaga ou os irmãos que deixados dentro do carro dos pais, destravaram o mesmo e cairam de uma ribanceira com uma altura considerável, sendo necessária a sua evacuação com recurso a helicóptero.
Não obstante o meu primeiro parágrafo, julgo que qualquer um dos quatro acontecimentos reflecte a negligência e ou inaptidão para algumas pessoas serem pais. Não concebo que em qualquer um dos casos não pudessem ter sido tomadas algumas medidas que evitassem os resultados desastrosos. A questão que emerge, é que só depois dos acontecimentos trágicos tem lugar uma introspecção e o pensamento daquilo que poderia ter sido feito.
Não quero ser moralista, nem tão pouco tenho pretensões em sê-lo. Nem quero sequer pensar com uma teoria de premeditação por parte dos pais. Seria demasiado cruel, embora não inédito (no Brasil, alguns pais chegaram a atirar os filhos pela janela de suas casas...). Contudo, e na minha opinião, hoje em dia é necessário repensar a vida de cada um de nós, quando pensamos em dar o passo de ter filhos.
Muitos dos leitores deste blogue já têm filhos, e certamente já terão uma vida um pouco mais "aliviada", consequência da idade dos mesmos, não obstante ser necessário o acompanhamento, o "estar presente", o "saber ouvir", o saber aconselhar o certo e o errado...etc. Para os seguidores deste blogue que ainda está na fase de "pensar em ter filhos", é muito importante que em conjunto avaliem se efectivamente têm disponibilidade mental, se conhecem e percebem a responsabilidade que é trazer um novo ser humano a este mundo. Este será o âmago da questão.
Como alguém disse em tempos..."é fácil tê-los...mas menos fácil mantê-los".

Cpts.,

sexta-feira, março 06, 2009

A Netcabo

Já há muito tempo que ando para escrever sobre a netcabo. Solução miraculosa, que terá surgido há mais de 15 anos. Permitia a conexão de todos ao resto do mundo.

Contudo, muitas pessoas aderiram à netcabo. Numa altura em que também era disponibilizada a solução da Tv Cabo, que permitia passar dos 4 canais genéricos para o quintúplo. E assim, e "qual carneiros", todos aderimos às soluções. O que provocou, logicamente, uma sobrecarga nas ligações. E que não foi acompanhado (nem de longe, nem de perto), em termos tecnológicos, pela empresa.

Resultado: Não raro deixa de existir internet e televisão. Piora quando deixa de haver telefone fixo (como já me aconteceu esta semana, por 3 vezes). Num rasgo de inteligência e perspectiva de oportunidade de negócio zilionária, a tv cabo (ou betcabo) disponibiliza hoje em dia soluções de telefone+internet+tv. Em suma, quando falha alguma das três soluções, falha tudo.

E deixamos de estar em contacto com o mundo. Para o bom e para o mau.

É por esta e por outras que hoje em dia é perigoso falar em "fidelização" dos Clientes.

quarta-feira, março 04, 2009

Os vendedores de automóveis

Há muitos, e de vários sectores de actividade.

Assumindo o meu gosto pelos automóveis, são os vendedores deste sector de negócio com quem mais lido, e para os quais dedico mais atenção.

Entendo que deve demorar algum tempo até que um vendedor de automóveis "sénior" ganhe aquela lábia que lhe permite vender um monovolume (carro de maiores dimensões e mais caro) a quem entrou num stand a pensar em comprar um Renault Clio.

É preciso desenvolver determinados skills, determinadas competências (e apetências), perceber de psicologia humana e como interagir com os Clientes. E neste tipo de actividade, é essencial. Vital. A par a passo com o desenvolvimento da "veia" comercial, que está intimamente ligada a esta actividade. Mais uma vez o cumprimento de objectivos, o atingir de metas, a actividade de benchmarking, etc, são ferramentas que têm de ser afinadas neste ofício.

Contudo, nem sempre as coisas correm bem. E aparecem os Clientes como eu. Que fazem o seu trabalho de casa. Que anualmente lêem revistas da especialidade. Que até percebem "qualquer coisa" de mecânica. Que de forma autista e despreocupada, sabem praticamente os modelos todos das marcas automóveis. Que têm em mente de que ano poderá ser uma viatura, tendo em conta as letras da matrícula...etc..etc. E é aqui que começa o problema ou o pesadelo do vendedor.

Tipicamente, a actividade de vendedor de automóveis (actualmente designada de "Técnico de Vendas"), é desempenhada por pessoas que vêem este tipo de ocupação como algo temporário. Na generalidade, as marcas começam a filtrar mais as habilitações literárias, e não raro, encontram-se vendedores de automóveis com o 12º Ano de escolaridade concluído, mas a trabalhar em part-time, enquanto não ingressam no ensino superior (ou já ingressaram, e ocupam assim o tempo livre).

A desvantagem, ou a questão que "mata" uma venda, no meu entender, é o vendedor não saber o que está a vender. Ou não acreditar no produto. Aí existe a tal "psicologia invertida". E o vendedor passa a ser observado. E são avaliados os seus conhecimentos relativamente ao que vende. É isso que faço. Há perguntas de algibeira, que se não são respondidas de imediato, sem hesitação, "temos a pintura borrada". E sem entrar em grandes pormenores técnicos. Porque aí...a esmagadora maioria fracassa logo.

A apresentação e trato contam muito. Curiosamente, são poucos os vendedores de automóveis que se decalcam da imagem de vendedor de bíblias "door-to-door". Fatos com mau corte, sapatos mal engraxados, relógios réplica e fluência/dicção verbal deficiente. E isso, pessoalmente, entendo ser mau presságio. Acompanhado, naturalmente, pela pouca crença do produto que se está a tentar "impingir", ups..vender.

Não raro, gosto de ir a alguns stands de automóveis. Por vezes sou bem sucedido, e acabo por aprender algo que constitui valor acrescentado ao meu conhecimento. Ou seja, há diálogo construtivo e produtivo.

Nas restantes vezes, as coisas não correm bem. E assim se perdem negócios. Infelizmente.