quinta-feira, maio 19, 2011

Faltar ao prometido

Faltar ao prometido é mau. Muito mau. Há uma série de expectativas criadas em relação a determinada situação, bem como uma organização da própria agenda que acabam por ser goradas.

Logicamente que aqui  escriba não é santo. Já conto com algumas "faltas ao prometido". Ou por falta de tempo, ou por falta de disponibilidade ou porque se meteu algo pelo meio que impossibilitou cumprir o que tinha prometido. Mas tento sempre, sempre que a outra parte não fique melindrada. Ou tão melindrada. Há factores que me são completamente alheios e nesta altura da minha vida são vários. E não controlo isso. Por muita vontade que tenha.

Importa salvaguardar a coerência e a sustentação nas justificações de falta ao prometido. É muito fácil cair na tentação de aceitar um final de semana mais "animado" no Algarve com um grupo novo amigos (e com aquela miúda giríssima com quem se trocam uns olhares cúmplices) do que um passar um final de semana no Porto (e já combinado há algumas semanas) com os amigos de sempre. Posteriormente, apenas se torna necessário inventar uma desculpa qualquer, em que a única pessoa que acredita é precisamente quem a dá. 

Lembrei-me do exemplo acima porque já aconteceu comigo e foi algo que marcou. Vindo de alguém que se considera verdadeiramente amigo custa mais. Entre tantos outros exemplos que aqui poderia dar. Garantidamente que muitas mais falhas ao prometido para comigo existirão no decurso da minha vida. Vindas de pessoas que estimo e a quem concedo crédito. Perdoo mas não esqueço. Feliz ou infelizmente.

Da minha parte, tentarei sempre evitar faltar aos meus compromissos.  E tentar sempre justificar e sustentar coerentemente as minhas faltas.

Próximo tema: O "berço"

Sem comentários: