quarta-feira, agosto 03, 2011

Contratações futebolísticas

É internacionalmente conhecida a minha fraca cultura futebolística, bem como a sempre presente não concordância com os vencimentos auferidos pelos jogadores de futebol. Ou em qualquer outro desporto, em verdadeiro abono da verdade. Há vencimentos que considero serem obscenos. E em alguns casos auferidos por pessoas quem nem conseguem falar bem o português. Mas quem me conhece sabe que esta minha forma de pensar não é inédita.

É também sabido que por esta altura (sei isto pelo facto de na última semana ter sido mais vezes divulgada nos vários blocos noticiosos as transferências de jogadores que o não entendimento entre os Republicanos e os Democratas nos USA) é quando mexe o mercado das contratações e transferências dos jogadores da bola. E alegra-me o facto de perceber que a crise não afectou este meio. A atender pelos valores envolvidos nas contratações dos vários jogadores que os "3 grandes" fizeram, o Estado Português não devia ter pedido ajuda Bruxelas, mas sim a este s3 clubes. E invejo a alegria com que os respectivos Presidentes dos clubes de futebol portugueses conseguem proferir os valores envolvidos nas contratações. Sem pestanejar. Sem chorar. Isto é grave, tendo em consideração o actual e grave momento que Portugal atravessa. 

Caríssimos (as) leitores (as), é vergonhoso que isto possa acontecer numa altura em que se vislumbra um mais que certo agravamento da condição de vida dos portugueses. "Ah e tal, mas isso diz respeito aos clubes". Negativo. Os clubes estão em Portugal, e como tal têm de ser taxados em conformidade. Clubes e jogadores. E como se sabe, nem sempre acontece. Porque razão não são solicitadas auditorias independentes às contas dos clubes, efectuadas por entidades idóneas e externas? Não se percebe. Ou porque razão não é efectuada uma investigação séria entre o que está evidente na declaração de rendimentos de um qualquer jogador da 1ª divisão de futebol e o que realmente é auferido? Não consigo entender. E é conhecida a discrepância.

Num momento particularmente complicado, não só em termos internos, mas também externo (note-se o caso dos USA, "super potência" a braços com a iminente entrada numa situação financeira complicada - e que pode sugerir um ainda maior agravamento da situação financeira mundial), o esforço financeiro tem de ser transversal e global. Se um clube de futebol tem dinheiro para celebrar contratos a "6 zeros" / época com alguns jogadores de futebol, deveria ser obrigado a contribuir de forma significativa e expressiva para o pagamento da dívida. Se é justo? É. Porque é conhecida a fuga ao fisco. E porque ninguém em bom rigor acredita que os clubes de futebol passem por dificuldades financeiras. Já para não falar das linhas de crédito muitíssimo bonificadas existentes existentes para os clubes...

Sinceramente, não entendo como é que o português a quem são pedidos cada vez mais sacrifícios pessoais, a quem vão "sacar" o 13º mês, consegue continuar a ir ver um jogo de futebol. Sabendo que há ali contratações "bilionárias"....Enfim...mente limitada.

Próximo Tema: Chamada para o INEM

1 comentário:

carla disse...

Perfecto, apesar de ser simpatizante de um dos Grandes Clubes Português não deixo de criticar os absurdos que se gastam no futebol e tudo o que envolve o mesmo. Não entendo pq um jogador vale tanto dinheiro é pq tem uma carreira curta, trabalha poucos anos... enfim!