domingo, setembro 18, 2011

Produtos Light

Devo ser a única pessoa do Mundo que detesta tudo o que é light. Tudo o que não tem açúcar, óleo em demasia ou (na altura em que fumava) um filtro daqueles que não faz o "cigarro-saber-a-água"...tem o dom de me saber mal. E mais, até acredito que faça pior.

A minha lógica para este assunto é básica. Tudo gira em volta do dinheiro, como não podia deixar de ser. Ninguém duvida que em tempo de crise os fabricantes têm de reduzir em algum lado. Onde? Nos custos de produção. Poupam na matéria-prima e consequentemente no transporte (menos matéria-prima incorporada conduz a menor peso), por forma a incrementar a margem de lucro. Simples? Claro que é simples. A questão reside no facto de pessoas como eu, que desde sempre foram habituadas aos pequenos prazeres da vida. Um deles será, passando a publicidade, beber uma agradável e desejavelmente gelada Coca-Cola. Venham de lá os moralistas falar do desentupimento dos canos das casas-de-banho, os aqueles que dizem que faz mal ao estômago e ainda os outros que falam do açúcar em excesso que este "néctar dos deuses" tem na sua composição. Confesso que retiro um prazer secreto ao ouvir todos estes moralistas enquanto bebo um copo bem gelado desta minha bebida preferida. Com uma rodela de limão.

Do que refiro acima, facilmente se depreende que fique desolado quando estou no estrangeiro e não há a "minha" Coca-Cola. Ou por cá, quando num determinado local onde estou, só há a "concorrência". Dá-me vontade de me sentar no chão e chorar. Tenho tão poucos prazeres na vida, e subtraírem-me este, é como que darem-me uma facada nas costas e deitarem álcool etílico no buraco feito pela faca. A Coca-Cola é a Coca-Cola. Tem de ter "aquela" dose de açúcar tipo...droga. Açúcar a menos é xarope. Açúcar a mais é lamber um açucareiro. Tem de ter a quantidade de açúcar quanto baste, concluindo. E é precisamente essa quantidade de açúcar "secreta" e que passa de geração em geração lá na fábrica da Coca-Cola, que faz toda a diferença para a concorrência.

Quem como eu tem o gosto apurado para aquilo que tipicamente faz mal à saúde (e.g: óleo abundante nas batatas fritas, o açúcar em excesso nos bolos ou do leite condensado, o açúcar e o gás dos refrigerantes), nota de imediato, como será lógico, a falta destes elementos. O que têm de bom têm de prejudicial. Um exercício que dou comigo a fazer não raro, é mentalmente retirar os elementos prejudiciais dos alimentos / bebidas. A que passam a saber? A nada. É precisamente aqui que quero chegar. Qual é a piada de beber um copo de água quando de pode beber um "vaso" de Coca-Cola gelada? Analogamente, já não notarei diferença entre beber um copo da "mal amada" Coca-Cola "light" e um copo de água. Ou entre um iogurte daqueles que é "caloricamente"expresso com 3 algarismos significativos ...e um desses iogurtes  magros..ou "light", para ser mais "in"...

Da minha parte tenho a certeza que não vou aderir a essa moda do "Fat Free" ou "Light". O que faz mal é que é bom!

Próximo Tema: Paranóias

2 comentários:

Anónimo disse...

" "Dá-me vontade de me sentar no chão e chorar..." Birra... Olha a estalada da Mãe na altura certa...:)

Anónimo disse...

Subscrevo inteiramente! E mais! Não é que agora também querem legislar sobre a quantidade de sal no pão!? Para além de nos cortarem o subsídio de Natal...ainda nos querem cortar o sal no pão!!! Alegam que é por motivos de saúde....pois, até poderá ser mas, como eu até tenho tensão baixa, não vai contribuir em nada para a minha saúde! E vai, com certeza, contribuir enormemente para a minha insatisfação...