quarta-feira, novembro 02, 2011

Duplo check

O duplo check é comum na aviação. Como o próprio nome indica, não é mais do que uma dupla confirmação de um trabalho efectuado. As tarefas que na aviação são tidas como "críticas", na medida em que podem comprometer a segurança do vôo / passageiros, são usualmente objecto de dupla confirmação.

Desde a preparação do vôo (feita pelo Comandante e pelo Co-Piloto), passando pela confirmação da boa execução de alguma tarefa de manutenção de um inspector, todas as tarefas críticas têm associada esta confirmação, que quando devidamente rubricada pelo inspector atesta que está em conformidade com as boas práticas da aviação.

É lamentável que estas boas práticas não sejam seguidas pelos demais sectores de actividade. Especialmente nas contas públicas. Todos os dias são conhecidos novos "buracos" financeiros, e em menos de nada, um qualquer Emmental assumirá a textura de uma parede lisa. São demasiados buracos financeiros. Legitimamente, o contribuinte questiona-se como é possível que tal aconteça sem que haja um mecanismo de controlo que evite desvio, ao invés de agir reactivamente. 

Invariavelmente chega-se à conclusão que os Ministérios têm carência de recursos humanos. Por sua vez, a carência é justificada pelo "congelamento" das admissões para a função pública..e por aí adiante. No final, interessa saber se as contas são efectivamente duplamente confirmadas. A ideia que passa é que não. Não há uma entidade criada para efectuar auditorias às contas do Estado. Exagerado? Se a fórmula dos arredondamentos definida para uma folha de cálculo (ou outra solução informática) estiver incorrectamente definida, há lugar ao "enriquecimento" dos cofres de Estado. E com valores estupidamente altos.

Que sejam 5.600M (milhões) os portugueses no activo (e que supostamente pagam os seus impostos). Se nas contas de cada um deles o tal arredondamento fôr efectuado "para cima", imagine-se o encaixe financeiro que o Estado realiza. Bem sei que há a figura do "Tribunal de Contas", e que até há lugar ao levantamento de contra-ordenações para o Estado. Resta saber se é dado o devido seguimento e responsabilização estatal...

À semelhança de tantos outros exemplos, este assunto se reveste de sobeja importância. Dote-se os Ministérios de mais pessoas. É preferível contratar mais pessoas, preferencialmente estagiários - que estão com a matéria fresca, sem vícios - para esmiuçar e efectuar o duplo check das contas públicas do que perpetuar o desgoverno a que se assiste actualmente, com resultados à vista...

Próximo Tema: Referendo da Grécia

Sem comentários: