sábado, novembro 05, 2011

Secador de Cabelo

Na expectativa de acompanhar de forma próxima as tendências da moda, também fui utilizador frequente dos secadores de cabelo. Foram vários e muito interessantes penteados que foram conseguidos por mim recorrendo ao secador e ao longo dos tempos, assim a técnica fosse sendo esmerada. Desde a clássica "pala" passando pela demorada e esmerada "popa", vários foram as soluções estudadas por mim para que nunca deixasse de "estar em cima desse importante acontecimento" que é a tão querida moda.

Trabalhar com um secador de cabelo sugere-me mestria. Habilidade manual. Não é qualquer um(a) que sabe direccionar o ar quente para o cabelo por forma a conseguir um resultado final agradável à vista. Pode até achar que sabe manusear este pequeno e importante utensílio..mas daí a saber utilizá-lo, vai um passo. É a diferença entre obter um resultado final próximo de um ninho de ratos e um penteado harmonioso e estilizado. Não é complicado de se adivinhar qual era o resultado por mim obtido na maioria das vezes.

Para quem como eu tem o cabelo rebelde, usar o secador de cabelo tem associada uma dificuldade acrescida. Os cabelos rebeldes têm uma força diferente e usualmente enganam. os mais incautos, ou seja, eu. Não raro, acontece que depois de se ter estado uns 2 minutos com calor apontado nos mesmos, "fingem-se de deitados" ou de terem ficado assentes. Nada mais falso. Assim seja desviado o ar quente, levantam-se e ficam espetados (sequência curiosa de palavras). 

Importa neste momento chamar a atenção para o facto de até aqui me estar a referir apenas e só à parte da frente do cabelo. A parte de trás sempre foi infrutífera, por duas razões simples. Em primeiro lugar porque tenho dois remoinhos na parte de trás do cabelo - sinal de ruindade, segundo a minha mãe - e que rapidamente alude ao  facto que tentar "domar" ou "assentar" o cabelo nesta zona do cabelo é uma tarefa tão simples quanto conduzir um carro sem o volante. Em segundo lugar, e se realmente tivesse tempo (e paciência) para assentar o cabelo nesta zona da cabeça, o resultado final seria algo tipo a "pala" do Siza Vieira ali no Parque das Nações. Sempre poupei as pessoas a este tipo de visão infeliz.

Para terminar, aprendi também à minha custa que o secador não deve permanecer muito tempo apontado na mesma zona da cabeça. Já nem falo de ter queimado vezes sem conta o couro cabeludo (como não podia deixar de ser). Falo sim de um cheiro a cabelo queimado que é em tudo similar ao cheiro dos pelos da entremeada de porco grelhada da Feira do Relógio. 

Desconfio que há algumas zonas do meu cabelo que nunca mais irão crescer da mesma forma... Tudo em nome da moda.

Próximo Tema: Corta-unhas

Sem comentários: