domingo, março 18, 2012

Contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que passeei o Paco sem trela. A razões são simples. O Paco é amalucado e é cachorro. Como tal, tem de ser educado a andar à trela. A respeitar os outros cães e a não querer saltar para cabeça das pessoas com quem se cruza na rua.

Por outro lado, um treinador de cães que diga que os cães podem andar na rua sem trela não é um bom treinador. São várias as distracções a que um cachorro é submetido aquando de qualquer um dos seus "passeios higiénicos". Desde outros cães, gatos, pessoas, etc.. O que torna as coisas complicadas, mas não necessariamente menos interessantes. Posso adiantar que não raro levo esticões na trela que vejo estrelas. E consigo "voar" entre os dois lados de uma rua em menos de um fósforo. Mas também tenho para mim que faz parte. Conquanto não queime os dedos com o fio da trela ou caia e parta os dentes da frente...até vejo alguma piada nestas coisas.

Há um programa que dá na televisão aos Domingos de manhã, próximo da hora do almoço. Sou a única pessoa do Planeta Terra que não o viu ainda este programa do homem que faz magia com os cães. Mas não com o Paco. O Paco é um caso muito especial e que certamente faria com que o famoso senhor pensasse em mudar de actividade e se dedicasse a fazer bolas de Berlim sem creme para fora.

Sabendo que o Paco é cachorro e naturalmente insubordinado, ando com ele sempre à trela. A menos que não vislumbre vivalma num raio de 5 quilómetros, não o solto.  E é aqui que precisamente me insurjo. Não entendo a razão pela qual as outras pessoas não pensam / agem assim. Não faz sentido andar com um cão sem trela se o mesmo é brigão e gosta de ir provocar os outros cães que são passeados à trela. E não raro isto acontece comigo, ou seja, quando passeio o Paco (preso). E viro fera com as pessoas que não respeitam esta premissa básica.

E infelizmente acontece muitas vezes. E a culpa não é dos "lulus"...mas sim de quem os passeia!

Sem comentários: