domingo, abril 08, 2012

Nos últimos tempos tenho andado a ler muito sobre micro e macroeconomia. O que não deixa de ser curioso para quem como eu nunca ligou muito a estas disciplinas (microeconomia dada na faculdade). Para quem anda não sabe, há diferenças entre ambas e que resumidamente, tentarei abordar no seguimento do texto de hoje.

A macroeconomia estuda o comportamento da economia como um todo, analisando os períodos de recuperação (e de recessão), a produção total de bens e os serviços da economia e o crescimento do produto. Analisa as taxas de inflação e sua influência no desemprego, os balanços de pagamentos e as flutuações das taxas de câmbio. Prevê o impacto que as flutuações a curto prazo poderão ter nos ciclos de negócios. Analisa ainda os montantes de dinheiro em circulação, as variações nos preços (com reflexo salarial), volumes de exportação e importação, etc..

A microeconomia adopta outra abordagem. O foco está nos consumidores e nas empresas (ou meio empresarial, se preferirem). Tendo em linha de conta as preferências dos consumidores (e a utilidade que decorre dessas mesmas preferências) poderão ser traçadas as suas tendências de escolha. É estudada a procura de mercado para um determinado bem ou serviço e consequentemente é relacionada essa demanda com a quantidade do bem que certa empresa deve conseguir ofertar. Por outro lado, em paralelo, é também estudada essa mesma quantidade do bem ofertada (preço e adequabilidade ao mercado tendo em conta a procura do mercado para esse bem). 

Mas vai ainda mais longe. Estuda as relações entre consumidores e produtores. Assim sendo, tem presente os monopólios, oligopólios, monopsónios, a concorrência perfeita e a clássica teoria dos jogos. Neste disciplina são também delineadas estratégias de maximização de lucros e minimização de custos para as organizações - que não é mais nem menos que o sonho de qualquer gestor que se preze. Na microeconomia é ainda possível o desenvolvimento de modelos sociais simplificados, o que poderá ser útil antes do lançamento de um novo produto novo no mercado sendo este um dos pilares do estudo da microeconomia.

Tenho aprendido muito com estas minhas leituras. Muito mesmo. Gosto particularmente da microeconomia, por razões óbvias, e claro, porque me parece ser uma realidade mais próxima (micro) e de mais fácil entendimento e assimilação ao invés de uma realidade mais abrangente (macro) para a qual não estarei tão sensibilizado e na medida em que me custa fazer esse tipo de extrapolações.

Mas a escolha deste tema de hoje tem uma razão de ser. Já referi em textos anteriores aquilo que vou dizer seguidamente, mas sem ter recorrido a esta "sustentação" mais técnica / enquadramento que aproveitei hoje para fazer. Basicamente, e mais uma vez, falo dos lucros das empresas que estão situadas em Portugal. Falo daquelas organizações que conseguem vangloriar de  lucros com 6 zeros e ainda manter vencimentos "obscenos" para os Administradores. Ou seja, percebe-se agora o porquê de ter feito a introdução que fiz. Falo de macroeconomia (economia nacional) de "mãos dadas" com um contexto de crise económica internacional e ladeado com uma notória retracção do investimento externo (e interno) e ainda do agravamento das condições económicas para o comum dos mortais. Mas falando da nossa realidade.

Faz-me confusão que ainda não tenham sido pensada uma forma de taxar à séria os lucros "fabulásticos" das grandes empresas (algumas delas casos de estudo de monopólio). Parece-me muito pouco razoável (e inteligente) que em tempo de crise económica se permitam algumas "honrosas excepções" a organizações cujos Administradores auferem mais que o Primeiro Ministro. Como se costuma dizer, "o sol quando nasce para todos" e em tempo de crise, não deveriam ser concedidas benesses deste tipo. O argumento deficitário de serem organizações que em breve serão privatizadas faz-me revirar os olhos de tão débil que é. Ou seja, e pegando no exemplo da transportadora aérea nacional. Há mais de 10 anos que se ouve falar na privatização. Nenhum Governo até agora teve coragem de avançar com este processo. Afinal é um "pinga-pinga" necessário. E os contribuintes portugueses até mantêm a empresa subsidiada. Assim sendo, e dado que não está ainda definida uma data para a sua consecução (privatização) os Administradores desta empresa (faz parte do tal grupo de excepções) continuarão a receber vencimentos (em alguns casos) dez vezes superior ao nosso esforçado Primeiro Ministro. Valha-nos a tão esperada (e anunciada) privatização que terá lugar. Um dia destes..

Não desfazendo o necessário (e profissional) trabalho por parte do FMI, não entendo como não se olhou para a "prata da casa" e não se delineou uma estratégia que minimizasse o "fosso" entre aquelas empresas que anunciam lucros com vários algarismos significativos e aquelas que são obrigadas a fechar por via do não cumprimento das suas responsabilidades. Ou seja, não se deve pedir emprestado "lá fora" quando ainda há dinheiro (e muito publicitado) cá "dentro". É isto que não entendo. E ninguém me explica.

Sem comentários: