domingo, junho 17, 2012

Desde há uns dias a esta parte que há uma greve dos trabalhadores que recolhem o lixo aqui da zona. Pelo menos nesta zona da cidade onde habito. E o que faz com que o espectáculo dantesco de sacos de lixo espalhados pelo chão, misturados com outros detritos sólidos tenha passado a ser uma constante.

Há duas questões pertinentes que se me têm colocado. A primeira diz respeito ao facto de, se na rua das pessoas que como actividade profissional têm a recolha do lixo....se o mesmo também fica amontoado. Ou seja, se também haverá greve na recolha do lixo das ruas onde moram estes trabalhadores. Ou por outro lado, se na rua do Coordenador destas equipas se haverá um amontoado de detritos sólidos como há aqui na rua à porta de sua casa. A segunda questão é mais engraçada. Tem que ver com o facto de na altura do Natal estes trabalhadores virem cá bater à porta de casa a "pedir batatinhas", que é como quem diz, pedir uma "contribuiçãozita" para ajudar estes homens que recolhem o lixo. Pois bem, este ano serei eu mesmo a abrir a porta cá de casa. Vou passar o Novembro ou Dezembro à coca na janela para ver quando vêm cá os camaradas. Estou ansioso por esse momento. Para ouvir o porquê de ter de dar essa contribuição. Ouvirei pacientemente e no final, avivarei dos companheiros com a memória desta semana do inferno que presentemente vivo. E  informarei que a minha contribuição é feita para o Governo pelos canais próprios  e legais - através do pagamento dos impostos municipais.

Mais uma vez as greves. É pena que os grevistas não entendam o alcance de determinadas formas de luta. Destas em especial. E pior. É pena que quem "manda" seja conivente com este tipo de luta e, de alguma forma, abra mão de posições mais inflexíveis. Quem quer melhores condições de vida / remuneração num momento em que o País está à beira do colapso económico....só pode estar "noutra página" que não aquela em que estão (ou deviam estar) todas as pessoas responsáveis. Já aqui tive oportunidade de referir que "o presente momento" não é o indicado para re-negociação salarial. O empregador não tem forma de garantir alguns postos de trabalho e muito menos terá de conseguir uma engenharia financeira que permita um aumento salarial. E posições extremadas como a actual, que interfere com a saúde e bem-estar de pessoas que nada têm que ver com os salários...deviam ser exemplarmente sancionadas.

Enquanto os sindicatos "fincam o pé", as condições de salubridade deterioram-se. Com todos os perigos inerentes e que daí advêm para a saúde pública (e.g.: incremento potencial dos veículos / vectores transmissores de doenças como sejam os roedores, insectos vários, etc.). E em alguns casos, agudizando situações já de si débeis.

Ansiosamente aguardarei o desfecho desta novela. Mais uma. Portuguesa, pois então!

Sem comentários: