domingo, julho 01, 2012

Finalmente acabou o campeonato europeu de futebol. Digo finalmente porque não há paciência para se ouvir falar das duas grandes penalidades falhadas ou do facto da selecção portuguesa ter "dado tudo por tudo" para que a vitória portuguesa surgisse. Pelos vistos não foi o suficiente. Faltava mais. Não se esforçou o suficiente.

Irei continuar a dizer (para quem me quiser ouvir) que, se algum dia ganhasse num mês o que um certo e determinado jogador (também conhecido por duas letras e um número) ganha em 10 minutos, esforçava-me com todas as minhas forças para marcar 1 golo por minuto. E por isto mesmo não entendo o porquê dos jogadores pararem de correr. Deviam correr continuamente, sem parar em momento algum e por forma a justificar os vencimentos pornográficos auferidos.

Relativamente às semanas em que decorreu o campeonato (leia-se em que era real a possibilidade de Portugal chegar à grande final), todos os nossos problemas foram esquecidos. Deixaram de existir. O que interessava era efectivamente perceber quem era apurado nos vários jogos decisivos. Porventura ninguém deu importância ao facto de Portugal ter sido alvo muito recentemente de mais uma avaliação por parte da "troika". Entre tantos outros exemplos que podem ser avançados e que certamente me preocupam mais do que festejar (ou não) uma eventual vitória portuguesa face a uma selecção espanhola - que diga-se em abono da verdade que foi a real merecedora da vitória. Nem sei como é que a selecção espanhola não resolveu o jogo imediatamente e teve de ir a prolongamento (e subsequentemente à marcação de grandes penalidades). Agora é deixar a Espanha comemorar a vitória durante os próximos 5 meses. Depois cairá em si e dirá que não aceitam as medidas da austeridade recomendadas pela "troika". Como sempre.

Sem comentários: