domingo, julho 08, 2012

Finda que é a histeria relacionada com o campeonato europeu de futebol, tornou-se premente encontrar outro tema que tivesse o dom de entreter os portugueses durante as semanas que se avizinham: a discussão pública acerca da credibilidade de uma licenciatura obtida por um político numa universidade privada. Algumas considerações se me oferecem fazer sobre o tema:

Em primeiro lugar, não tenho qualquer dúvida acerca da experiência profissional do político em causa. Este, tal como tantos outros políticos portugueses deverá ter um vasto currículo profissional. Não me ofende, em momento algum, que possa haver alguém que, num conselho cientifico de uma qualquer universidade, quer pública, quer privada, conquanto detenha o conhecimento para tal, possa em consciência e devidamente suportado documentalmente, atribuir créditos (convertidos em equivalências) para as cadeiras de um determinado curso. A questão é que (notícias alusivas à data de hoje), apontam no sentido de que, 3 dos 4 nomes de docentes da tal universidade privada e que avaliaram o processo deste político para atribuição das equivalências ....estavam errados. O que, como se calcula, adensa a curiosidade e suspeita na cabeça dos portugueses. Basicamente houve confusão com o nome de 3 dos 4 docentes que afinal nem leccionaram na tal universidade na altura em que o político teoricamente lá teve aulas. À boa maneira portuguesa, já tardava a surgir a confusão.

Em segundo lugar a forma como este tipo de notícia consegue ocupar o tempo de antena da "prime hour", ou se quiserem, nos vários blocos noticiosos. Não é relevante, para a discussão, que o político "A", "B" ou "C" tenha obtido uma licenciatura de forma menos transparente. Não nesta altura. Numa altura em que há outros temas mais importantes e que podem eventualmente comprometer a continuidade do permite que durante quase uma semana se debata ou seja dada importância a um assunto que nada irá resolver ou contribuir para a resolução da actual crise económica ou do consequente e grave aumento da taxa de desemprego.

Em terceiro lugar é importante que seja feita uma avaliação séria deste assunto. Não é normal que no espaço de 3 ou 4 anos se tenha colocado em causa a credibilidade de instituições de ensino superior privado com temas desta índole. A questão é  opinião pública "bebe" toda a informação que lhe é vendida pelos "media". Tudo, sem questionar. Assume-se sem problema que há um trabalho sério de investigação no sentido de "apurar a mais verdade das verdades". O que nem sempre corresponde à verdade. Há "lobies" de pressão e interesses escondidos. Há notícias ou denúncias efectuadas anonimamente e que levam a que um jornalista sedento de protagonismo consiga uma "capa" ou uma peça televisiva bombástica...que será tão mais grave ou explosiva...quanto mais vísivel fôr a pessoa em causa. Como aliás são os dois casos de licenciaturas de políticos portugueses. Mas afinal...é isto que vende. Mesmo que não seja totalmente verdade!

Sem comentários: