domingo, setembro 30, 2012

Nos últimos dias têm-se multiplicado as manifestações de populares contra as novas medidas da austeridade propostas pelo actual Executivo. O eventual recuo relativamente ao aumento da "TSU" trará naturalmente consequências a jusante. E não serão necessariamente boas.

Reza um conhecido adágio popular que "Quando se tapa a cabeça destapam-se os pés". Não conseguiria encontrar nada mais adequado. Em consequência do crescente descontentamento popular será providencial o recuo do Executivo. Contudo, são necessárias medidas alternativas. Será de se esperar uma maior contribuição em sede de "irs", uma redução dos escalões ou ainda uma sobretaxa para aqueles que ganham à séria. É é sobre esta última medida que pretendo escrever umas linhas hoje.

A sobretaxa para aqueles(as) que ganham à séria. Gosto do optimismo e da determinação que o Executivo deixa passar "cá para fora" esta alteração - que se espera que consiga enriquecer os cofres de Estado. É claro que em tempo de crise aqueles que já não têm mais dinheiro para dar (ou roubar) vêem com bons olhos essa taxação a quem neste País tem dinheiro. Infelizmente tenho uma má notícia para dar ao meu amigo Gaspar num e-mail que terei oportunidade de lhe enviar daqui a bocado. É que por vezes é importante "fazer o trabalho de casa". Deixar de se formular e pensar Leis no gabinete. E se a tal "obrigação doméstica" tivesse sido eficientemente executada facilmente se perceberia onde quero chegar. Infelizmente não há ninguém que ganhe muito em Portugal. Com muita pena minha. Naturalmente que gostaria que houvesse imensa gente a ganhar bem. Contudo, e se cruzarmos a informação dos meus amigos das Finanças (declarações de irs submetidas via internet ou entregues pelos contribuintes) e os sinais exteriores de riqueza facilmente perceber-se-ão algumas incongruências. E das duas uma: ou há carros e casas a serem vendidos(as) ao preço da chuva ou há declarações de irs falsas. Ou por outra, que se suportam nos "vazios legais" ou zonas "cinzentas" da legislação possibilitando que um gestor de uma qualquer empresa com lucros de milhões/ano, ou um futebolista ou um presidente de um qualquer clube de futebol consigam declarar um rendimento anual que sugere um ordenado mínimo mensal. Fico sempre cheio de pena e sempre com imensa vontade de convidar estas pobres almas para passar lá em casa para comer uma sopa de agrião por altura do jantar. Nem precisam de avisar. Basta aparecer.

Há muitos anos que oiço que quem tem dinheiro (classe alta) paga a alguém para ajudar a fugir aos impostos. Quem não tem dinheiro (classe baixa) não paga porque não tem como. Donde, há uma classe recorrentemente sacrificada - a já conhecida classe média.  Classe esta que vê a sua qualidade de vida diminuir em consequência do menor poder de compra. E que de forma regular e consistente percebe que "olhando para o lado", que enquanto uns fogem aos impostos e outros não pagam porque não podem....há alguém que tem de pagar a factura. E são sempre os mesmos "no final do dia". Serão estas pessoas que engrossam as manifestações que se assistem por todo o País.

Esperemos para ver elencadas todas as medidas. E esperemos que não se agrave a contestação social. O que acho complicado de não acontecer.

Sem comentários: