domingo, setembro 09, 2012

No meu dia-a-dia profissional dou conta do quão diversas podem ser as prioridades estabelecidas por parte de cada um. Desde que chegam ao local de trabalho até que saem do mesmo.

Um aspecto importante (e com o qual tenho de lidar no meu quotidiano) é a incontornável dependência de elementos que advêm do trabalho de outros. Aqui reside uma das causas da minha já habitual inquietação. Por muito insistente que possa ser e/ou transparecer....só quando me irrito a sério é que as coisas acontecem. E não devia ser assim. Mas suspeito que conheço a razão do problema.

A questão é intrínseca à sociedade portuguesa. Salvo honrosas excepções, o português típico não gosta de seguir um plano ou um cronograma sequencial de eventos com metas "tangíveis" e honestas. Ou seja, por outras palavras, uma forma de trabalhar correcta e conservadora. Ao invés, o "tuga" prefere trabalhar no abstracto, a seu "bel prazer" e ao seu ritmo. É algo que me faz imensa confusão. O ter de haver o tempo para o café (e para a conversa que naturalmente decorre deste(s) importante(s) momento(s) de confraternização), o ter de haver tempo para o(s) cigarro(s) ao longo de um dia de trabalho, para o horário de almoço dilatado, para o horário do lanche e por aí adiante. Já para não falar das várias incursões aos locais de trabalho de outros colegas. E que por vezes, como se sabe, duram bastante mais do que o expectável.

A jusante, há um prazo definido para uma tarefa, de alguém, que vai sendo adiado. Não por vontade daquele que acaba por ser prejudicado, mas sim derivado da falta de capacidade de gestão da agenda diária de algumas pessoas. Ou por outra, também pela não responsabilização das pessoas pelo não cumprimento de metas diárias e produção de volume de trabalho em conformidade com o desejável. A culpa não é das pessoas. É de quem deixa que este tipo de situações tenha lugar.

Sem comentários: