domingo, novembro 18, 2012

Quero acreditar que toda a minha gente já experimentou aquilo que me acontece com uma frequência assustadora. Vou já passar a explicar o que é até porque é importante para mim perceber rapidamente se há outras pessoas na mesma condição que eu. Se assim fôr, pode-se até pensar em fundar uma "Associação" ou uma "Liga de Amigos" para pessoas que tal como nós vivenciam este tipo de questão. P.S: Gosto especialmente da designação "Liga-de-Amigos-de-qualquer-coisa". Qualquer coisa do estilo "Liga-dos-Amigos-que-apanham-o-metro-para-Entrecampos", ou "Liga-dos-Amigos-que-gostam-de-comer-bolas-de-Berlim". Entre tantos outros exemplos que aqui podiam ser dados.

Acho que já deu para perceber que tenho pouca sorte para algumas coisas. Basta ler os meus extensos textos aqui no blogue. Não utilizo de propósito a palavra "azar", na medida em que se trata de uma palavra demasiado forte. Azar, para mim, é escorregar e partir os dentes todos da frente na entrega dos diplomas da Universidade. À frente de 4 centenas de pessoas. Ou então entornar o gaspacho do almoço em cima da camisa branca e ter de fazer uma intervenção num seminário. E sem camisa para trocar. Isso sim, são azares. Mas não irei tão longe. Falarei mais uma vez da minha relação de ódio com a tecnologia. e em especial com os telemóveis.

Há pouco tempo tive um problema com um dos meus telefones. Não quero dizer nomes, mas é uma marca finlandesa, cujo nome começa por "N" termina em "A" e tem cinco letras. Basicamente, o écran táctil deixou de funcionar e obviamente fiquei incomunicável com o planeta Terra. Dei comigo a pensar se alguém me ligasse naquele dia/momento felicitando-me por ser o contemplado com os números certos do "Euromilhões". Perceberia que tinha o meu telefone desligado e passavam logo ao segundo felizardo. Acho que ía ficar um pouco chateado se isso me acontecesse. Só um pouco. Quase nada.

Este episódio com o telefone teve lugar num momento em que estava a efectuar um passeio de "Todo-o-Terreno" (TT) com os meus camaradas, e para evitar cair num precipício ou capotar o jipe entendi deixar-me de maluqueiras de tentar ligar aquela coisa. Tentei apenas 12 vezes. E abandonei-o algures no jipe. Isto de andar em piso escorregadio (enlameado), aos saltos e conduzir com uma mão e a outra mão no telefone...não costuma dar bom resultado. Ou podia não ter dado.

Já em casa tentei mais umas 43 vezes ligar o telefone. Ligar até ligava..o problema era conseguir fazer alguma coisa daquilo....O ecrán táctil não funcionava. E decidi ir até à loja onde o tinha comprado. Claro que com a ladaínha toda preparada mentalmente e com uma boa dose de má disposição. Afinal comprei o telefone em Fevereiro último e parece-me pouco razoável que volvidos 9 meses esteja o mesmo com problemas. Era este o meu melhor discurso. E até já tinha um "plano B" se não me quisessem dar um telefone de substituição. Amedrontar com o "Livro das Reclamações". Normalmente resulta. Mas tive então o meu azar....Pego no telefone, mostro ao gerente da loja...e não é que o sacrista do telefone funciona? Pois. Sem problema algum. É claro que fiquei com um melão daqueles enormes. E fiquei sem saber se havia de perguntar o preço de um fato de mergulho ou se debater o porquê das propriedades do açucar mascavado serem incomparavelmente superiores ao aspartame do adoçante vulgar. Qualquer coisa que me fizesse parecer fora da realidade. E o mais rapidamente possível. Fez-me lembrar quando temos uma dor de dentes. Vamos ao dentista e quando lá chegamos..desaparece a dor. Mas aí não é tão fácil "fugir"...

Voltei para casa com a convicção que o telefone estava finalmente bom e que teria sido um "desarranjozito" qualquer que lhe tinha dado. Durou meia hora. Voltou ao mesmo que me tinha feito sair de casa. Saí de novo de casa e fui comprar um telefone. Acabou-se. E voltei a estar ligado ao mundo.

Moral da História: Nunca confiar num telefone.

Sem comentários: