domingo, dezembro 23, 2012

Eis que somos chegados a mais um Natal. É com uma enorme satisfação e um claro regozijo que escrevo estas linhas para os meus seguidores. Significa, em primeiríssima mão que ainda ando por cá, no mundo dos vivos. E em "segunda mão" tenho mais uma certeza: mais um ano que irei comer várias rabanadas com calda de açucar (muita, de preferência) ou os clássicos e tão saborosos sonhos de abóbora. Para quem não aprecia qualquer uma destas iguarias avanço que não há problema nenhum. Pode enviar para mim que eu trato do assunto em menos de um fósforo.

Tenho também a informar que este ano constitui um marco para a posteridade. Durante algumas semanas andei a preparar um discurso. Um discurso preparadíssimo para esta quadra e para ter lugar com a devida antecedência, não fosse ser mal aceite a mensagem que tinha para dizer e ter de recorrer a um plano de recurso (plano B). Mas passo contar a história toda para que todos entendam.

Como tem vindo a acontecer em anos anteriores, aí por Junho, Julho deste ano decidi começar a pensar e a preparar numa lista de compras de Natal. Não para muita gente. Mas para as 20 a 25 pessoas mais próximas de mim. E comecei desde logo a pensar em pessoas a quem queria oferecer algo. E o que oferecer às mesmas pessoas. Há pessoas que merecem coisas. E "outras" pessoas que merecem "outras" coisas, se é que me entendem. Até meados de Novembro do corrente ano já tinha uma ideia muito aproximada do que oferecer às pessoas (e às outras pessoas) e em início de Dezembro resolvi colocar "mãos à obra" e encetar esta árdua tarefa que é ir procurar (e encontrar) o que com tanto carinho pensei oferecer.

Pois é. Já se imagina. Quem me segue há algum tempo sabe bem que tenho (entre outros) um problema sério (por resolver comigo mesmo) relacionado com as multidões. De, por exemplo, querer ir a um sítio e não haver estacionamento livre: Quem nunca experimentou o entrar num estacionamento subterrâneo nesta altura do ano e ver os vidros do carro ficar imediatamente embaciados e não ser possível ver um palmo à frente do nariz? Para mim é pior que enfiar farpas de madeira debaixo das unhas das mãos e dos pés. Já não falando em ficar próximo de uma apoplexia acompanhada de emudecimento.

Derivado do meu problema acima e que não raro me faz ficar com tremores pelo corpo todo e suores frios só de pensar em ter de ir a uma grande superfície nestas épocas, optei pelo "plano B". E eis que chegamos aquela que é a minha grande novidade de 2012: Não comprei prendas de Natal antes de dia 25 de Dezembro. E foi por isto que foi necessário preparar o meu discurso ao longo de várias semanas. Tinha de ser suficientemente persuasivo e assertivo para justificar o porquê da quebra de uma tradição secular praticada na minha família directa (honrosa excepção feita para com o Afonso com quem cumpri a minha importante e zelosa obrigação atempadamente).

Se assim pensei..melhor o fiz. Há coisa de uma semana informei que este ano ía ser experimentado um modelo diferente: seguir o calendário natalício espanhol (para quem anda a dormir na forma passa por abrir as prendas no dia 06 de Janeiro, dia de Reis). Reconheço que talvez tenha dito isto com um estranho e folgado entusiasmo na medida em que os meus pais olharam para mim como se lhes tivesse dito que ía mudar de sexo no dia a seguir. Talvez estivessem à espera de outro tipo de partilha. Ou por outra, talvez não tivesse sido necessário prepará-los mentalmente como se se tratasse de uma comunicação solene...

Valeu-me o facto da minha mãe ser uma pessoa prática e pragmática. E de ter dito que afinal também não tinha comprado prenda alguma. E que esperava pelas boas compras que se podem efectivamente fazer com toda a calma durante a época dos saldos (época em que as pessoas já não vão acorrem tanto porque gastaram o subsídio todo - quando existia - antes do 25 de Dezembro).

Dentro de uma semana pego de novo na minha lista. E aí sim, irei às compras. Agora com calma. E claro, com preços mais em conta. 

Santo Natal.

Sem comentários: