domingo, dezembro 16, 2012

Tenho pensado variadíssimas vezes na complexidade associada aos relacionamentos afectivos. É curioso constatar que eu próprio já defendi posições extremadas: há uns anos dizia que as relações não eram complicadas. As pessoas é que o eram. E consegui defender essa teoria durante uns anos sem ser apedrejado. Depois, e talvez por cansaço de haver tanta gente a concordar comigo, resolvi passar a defender uma teoria algo oposta. Do contra, se quiserem. Afinal as pessoas eram simples. As relações é que eram complicadas (Nota: Não me admira que resida aqui a razão pela qual algumas pessoas deixaram de me falar (afinal não será assim muito normal uma pessoa defender ideias tão diferentes!!).

Hoje em dia defendo uma teoria ligeiramente diferente. Posso avançar que estou perfeitamente à vontade para partilhar e debater a mesma com alguém interessado (e com paciência) em fazê-lo comigo. Uma relação será tão mais duradoura quanto melhor e mais harmoniosa for a gestão dos conflitos que naturalmente (e obviamente) surgem no quotidiano de duas pessoas. Acredito que com o stress diário (e na maioria das vezes feitios complexos) essa gestão passe a ter de ser praticada rapidamente. E de forma eficiente para que tenha lugar a manutenção da relação.

O que acontece, quando não há filhos (e às vezes quando os há), é que as pessoas têm cada vez menos paciência para falar das coisas. O caminho mais fácil, e aquele comummente seguido, passa por cada uma das partes seguir o seu caminho e tentar ser feliz com outra pessoa qualquer. Refazer a vida e deitando por terra anos de relacionamento, partilha de amigos, familiares, etc. Em menos de nada cai tudo por terra.

Há uns anos atrás não me fazia sentido falar-se em manter uma relação quando a "chama" entre ambas as partes não existia mais. Hoje em dia não penso de forma tão linear e directa. Na minha opinião é importante perceber o porquê das coisas terem chegado a esse ponto e experimentar tudo o que estiver ao alcance para corrigir. Às vezes há soluções que não são logo percepcionadas, mas que após alguma conversa e calma acabam por aparecer. Outro exercício importante passa por pesar ambos os cenários: o que é a vida "nesse momento" (em plena recessão económica) e o que será a vida a partir do "ponto final" na relação. E se calhar perde-se muito se for tomada uma decisão não ponderada e impulsiva de terminar a relação. E invariavelmente chegamos a uma situação cada vez mais frequente: pessoas que terminaram a relação, não têm qualquer sentimento um pelo outro, mas partilham o mesmo tecto. Faz-me uma confusão bastante grande. Mais ainda quando me falam em pessoas que levam os novos companheiros para casa (e o/a ex está lá)!

Talvez seja eu que sou demasiado "quadrado"..ou não!!

2 comentários:

ana claudia disse...

Partilho da mesma opinião ... ok sendo assim também eu sou "quadrada". Mas acho que "cabeças bem resolvidas" evitam muitos dramas desnecessários.

ana claudia disse...

Partilho da mesma opinião ... ok sendo assim também eu sou "quadrada". Mas acho que "cabeças bem resolvidas" evitam muitos dramas desnecessários.