domingo, janeiro 27, 2013

Há uma questão que me deixa muitas vezes muito contente. Falo daquelas pessoas que melhor do que eu, seguramente, conhecem e têm conhecimento da fortuna que tenho depositada na minha conta bancária. Ou seja, não interessa se sou ou não preocupado com o saldo médio mensal. Não interessa se tenho muito ou pouco dinheiro. Interessa que partilho o conhecimento do pouco que tenho amealhado...com várias pessoas. Eu vou explicar melhor.
Não tenho de memória a última vez que disse a alguém para comprar algo (ou não comprar) por ser barato ou caro. Porquê? Porque essa avaliação do "caro/barato" deverá partir da própria pessoa. Qualquer pessoa concordará que o facto de eu dizer que considero barato um "Porsche" poderá ser ofensivo para um desempregado. Ou analogamente, o facto de eu dizer que considero caro um "Renault Clio" poderá ser anedótico para um qualquer magnata do petróleo. Este tipo de avaliação será sempre relativizada por "defeito" ou por "excesso" tendo em linha de conta o interlocutor. Parece-me óbvio.
Considero-me uma pessoa terrena. Não tenho mais do que aquilo que posso manter. Tenho uma vida serena e considero-me um contribuinte exemplar. Daqueles que para não receber uma carta do Sr. Macedo (lá dos Impostos) paga tudo de imediato assim que recebe a notificação. Ou seja, o dinheiro rende sempre...mas do lado do Estado. Aqui do lado do zeloso e cumpridor contribuinte....apenas rende a consciência mais leve. A par e passo de uma conta bancária igualmente mais leve. 
Voltanto à "vaca fria". Não entendo a razão pela qual alguém que me vende um serviço/bem sente necessidade de adjectivar o mesmo: "Ah, isso é barato" ou "Pois é....vai ser carote". Acaso teve acesso ao meu extracto bancário? Como sabe se eu considero "caro" ou "barato"? As pessoas fazem as avaliações baseadas na "sua" realidade. Mas se é a "sua" realidade...porque razão a partilham? Porque razão sentem necessidade de partilhar com um completo estranho (maioria das vezes) esta sua leitura ou avaliação das coisas? Ainda estou para entender! Alguém que me explique. Se conseguir.

domingo, janeiro 20, 2013

Como em tantos outros finais de semana, ontem de noite calhou ter de ir buscar o jantar fora a um restaurante aqui próximo. 
 Na medida em que o meu Paco há muito tempo não saía de casa para ir passear de carro, acabei por optar levá-lo comigo para dar uma volta e apanhar fresco na ponta do seu nariz.
Os momentos de passeio de carro para o Paco equivalem, julgo eu, e se fosse possível arranjar uma analogia rápida, a qualquer coisa tipo ter saído a terminação da lotaria ou alguém ter acertado em 5 números do "euromilhões". Ou se calhar a algo ainda mais intenso.
Fui buscar o jipe (carro do Paco) que coloquei à porta de casa e abri a porta traseira do mesmo. Natural e logicamente que o Paco viu ali imediatamte mais um dos seus momentos de passagem para o paraíso - mais uma viagem de carro. E como sempre, começou aos pulos e aos saltos (com círculos no ar) do lado de dentro do quintal de casa. A chamada "dança-do-Paco-que-vai-passear-de-carro".
Mal abri o portão o "sacrista" viu ali uma oportunidade única de se esgueirar e abreviar a sua ida para o paraíso. De forma silenciosa e sub-repticiamente tentou passar entre mim e a parede. Claro que me apercebendo de tal feito não deixei e adverti-o para não fazer aquilo ao que obedeceu. Ao mesmo tempo quis segurar o portão para o fechar e impedir que o Paco saísse sem estar devidamente controlado / calmo. Não olhei para onde punha a mão na medida em que não queria que o Paco fugisse. E claro aconteceu o que tinha de acontecer. Entalei o dedo. Mesmo por baixo da unha, naquela zona onde a pele é mais fina. E claro...na zona mais dolorosa de todo o dedo. Tinha mesmo de ser.
Inicialmente pensei que tivesse sido arrancada a cabeça do dedo indicador esquerdo. Posso adiantar que as temperaturas exteriores deviam rondar os 5ºC e como se pode imaginar, a dôr alucinante fez-se sentir ainda mais. Agarrado à ponta do dedo comecei aos saltos. Lógico. Não me lembrei de fazer outra coisa. Podia ter-me dado para começar a cantar em tirolês. Mas não deu. Foi mesmo para começar aos saltos o que levou a que o Paco parasse momentaneamente a sua dança e ficasse a olhar para mim surpreso.
Passados dois minutos de sofrimento intenso achei que era altura de parar com a fita de maricas. O Paco recomeçou com os pulos (e círculos no ar) totalmente indiferente ao meu sofrimento agudo. Resolvi abrir o portão com a minha outra mão sã por forma a permitir a sua saída do quintal e entrada para o jipe.
Dado que o jipe está preparado para fazer "todo-o-terreno" tem uma altura considerável ao solo. Assim sendo, desde sempre que pego no Paco ao colo e coloco-o dentro do compartimento de carga. Se era simples (e obviamente mais leve quando o Paco tinha 4 meses) hoje em dia é um pouco mais complexo. Não só porque se debate ao meu colo com a excitação típica de quem tem a certeza que o mundo vai terminar daí a 3 minutos, bem como pesa 10 vezes mais. A forma de o pegar é relativamente simples: o braço esquerdo passa pela cabeça e vai ter à barriga e o braço direito ampara o resto do corpo, passando pelo lado direito. Mas ontem, como estava dorido da mão esquerda não completei o processo todo a 100%. A primeira parte até executei bem. Já a segunda parte não fiz completamente bem. Resultado: peguei só em metade do Paco a debater-se com toda a força ao meu colo até o colocar no compartimento de carga do jipe. Claro que com este esforço repentino acabei por dar um jeito no peitoral direito que até vi estrelas. Só podia. Conclusão: Paco dentro do carro e eu às voltas ao jipe, com dores no indicador esquerdo e no peitoral direito. Nota: Se alguém tiver tido a oportunidade de ter filmado isto e publicar no "youtube" ainda vai ganhar bom dinheiro à minha conta..
Alguns largos momentos mais tarde lá acabei por partir em rumo ao restaurante. O Paco efusivo, como sempre. Eu contente pelo menino estar bem (e alegre), mas fisicamente dorido. Mas a dor foi largamente compensada pela alegria que se percebe naquela alma. A repetir. Desejavalmente sem dôr..

domingo, janeiro 13, 2013

Entre tantas outras coisas em que penso com muita regularidade, tenho dedicado estes últimos dias a matutar em algo curioso, mas não menos peculiar. Os desportos náuticos e especialmente os desportos de mar. Aqueles onde a essência do mesmo está em "apanhar" uma onda. Ou "dropar um set" de ondas. Ou (e porque não) efectuar o tão complexo e artístico "duck diving". Pareço um entendido? Não o sou. Cresci a ouvir estes termos proferidos por amigos/colegas que faziam "bodyboard" ou "surf" enquanto eu falava (sozinho) de ir às Amoreiras no "58" (autocarro que fazia o percurso de Benfica até este magnífico centro comercial inaugurado na ida década de 80). Também tenho de memória o "Heitor", um rapaz que morava lá na rua e que optou por seguir o "windsurf". O Heitor era um tipo diferente de mim e da generalidade dos meus amigos. Mais velho uns anos e um tipo com um reconhecido sucesso junto do sexo oposto. Tinha um cabelo loiro com rabo de cavalo e uma barba de 3 dias. Não raro passava algumas horas a bater a jogar ténis contra uma parede que havia nas traseiras dos nossos prédios. Podia dar-lhe para pior.
Habitualmente, no Inverno não se fala em ondas. Fala-se em "vagas". Fala-se em marés vivas. Fala-se em vagas de 6,7 metros de altura. E é aqui que começa a minha introspecção que referi no início desta partilha. Vejamos: Todo o santo dia, durante os 365/366 dias de um ano, os fanáticos dos desportos marítimos consultam a internet, descobrem onde está o mar mais "crispado" e rumam a essa praia o mais depressa possível como se não houvesse amanhã. Para ter a satisfação de ter "dropado" mais umas dezenas de ondas, quero eu acreditar. Contudo, quando o mar está mesmo revolto e bravo, não se vê ninguém entrar. Aqui reside a minha dúvida: Não deveria ser este um momento único para a prática deste tipo de actividade? Assim estão reunidas as condições óptimas de vento e altura das vagas? Mas não....São raros os aventureiros que se fazem ao mar com estas particularidades atmosféricas....
P.S.: Havia uma lenda que o Heitor ía fazer o seu "windsurf" com condições atmosféricas bem adversas. Quando não jogava ténis, portanto!

domingo, janeiro 06, 2013

Mais um ano que se passou. Altura de efectuar o balanço das resoluções que fiz no início do ano passado e aferir quais aquelas que foram cumpridas e as que não foram cumpridas. Para estas últimas, analisar as razões que impossibilitaram que tal fosse tornado possível.

Lamento que não me tenha saído o euromilhões todos os meses de 2012. Era uma das resoluções do ano passado e que desde já posso adiantar que mantenho para 2013. Sinto-me com imensa sorte e acredito que é este ano que a Santa Casa me vai dar alguma coisa. 

Profissionalmente as coisas correram bem e senti-me útil à empresa durante 2012. Além de ter tido a nítida percepção de ter "crescido". Tornei-me mais autónomo, mais profissional e naturalmente mais exigente quer com o meu trabalho quer com o trabalho de outros. Tentei passar ao lado das quezílias profissionais e de exemplos flagrantes de mau profissionalismo e/ou falta de brio de outras pessoas. Consegui ser superior a isso e com muita calma e serenidade consegui "levar a água ao meu moinho". Ou seja, cumprir os meus objectivos diários, mensais e anuais. Já não falando na sorte de ter tido trabalho durante o ano passado...

Saúde também não faltou, Graças a Deus Nosso Senhor. Aparte das habituais maleitas sazonais, nada mais de extraordinário se verificou. Ah...ok, não falando daquele tralho que dei na corrida (e que falei aqui num dos meus textos). Mas esse não conta. De resto, com um ou outro susto, as coisas foram correndo bem comigo e com os que me são mais queridos. Já que falo no tralho, importa também referir a grande mudança que teve lugar no ano que terminou há dias. O regresso à actividade física - no caso a corrida e ainda parte da musculação.

Espero que este novo ano continue a ser diferente numa série de aspectos. Que se mantenha tudo aquilo que consegui alcançar o ano passado (dispensando o tralho) e que consiga também ter a força e coragem para empreender uma série de esforços para conseguir ainda mais. Assim haja optimismo e determinação. Duas coisas que não me faltam!!

Bom ano!