domingo, janeiro 27, 2013

Há uma questão que me deixa muitas vezes muito contente. Falo daquelas pessoas que melhor do que eu, seguramente, conhecem e têm conhecimento da fortuna que tenho depositada na minha conta bancária. Ou seja, não interessa se sou ou não preocupado com o saldo médio mensal. Não interessa se tenho muito ou pouco dinheiro. Interessa que partilho o conhecimento do pouco que tenho amealhado...com várias pessoas. Eu vou explicar melhor.
Não tenho de memória a última vez que disse a alguém para comprar algo (ou não comprar) por ser barato ou caro. Porquê? Porque essa avaliação do "caro/barato" deverá partir da própria pessoa. Qualquer pessoa concordará que o facto de eu dizer que considero barato um "Porsche" poderá ser ofensivo para um desempregado. Ou analogamente, o facto de eu dizer que considero caro um "Renault Clio" poderá ser anedótico para um qualquer magnata do petróleo. Este tipo de avaliação será sempre relativizada por "defeito" ou por "excesso" tendo em linha de conta o interlocutor. Parece-me óbvio.
Considero-me uma pessoa terrena. Não tenho mais do que aquilo que posso manter. Tenho uma vida serena e considero-me um contribuinte exemplar. Daqueles que para não receber uma carta do Sr. Macedo (lá dos Impostos) paga tudo de imediato assim que recebe a notificação. Ou seja, o dinheiro rende sempre...mas do lado do Estado. Aqui do lado do zeloso e cumpridor contribuinte....apenas rende a consciência mais leve. A par e passo de uma conta bancária igualmente mais leve. 
Voltanto à "vaca fria". Não entendo a razão pela qual alguém que me vende um serviço/bem sente necessidade de adjectivar o mesmo: "Ah, isso é barato" ou "Pois é....vai ser carote". Acaso teve acesso ao meu extracto bancário? Como sabe se eu considero "caro" ou "barato"? As pessoas fazem as avaliações baseadas na "sua" realidade. Mas se é a "sua" realidade...porque razão a partilham? Porque razão sentem necessidade de partilhar com um completo estranho (maioria das vezes) esta sua leitura ou avaliação das coisas? Ainda estou para entender! Alguém que me explique. Se conseguir.

1 comentário:

Susans Abreu disse...

De facto as pessoas tendem a opinar tendo por base o seu estado de vida , partindo do principio que todos sao iguais

"Efeito espelho " vejo me a mim .... vejo te a ti