domingo, fevereiro 17, 2013

Quem me conhece há algum tempo sabe que tenho uma paixão imensa por automóveis. Já aqui escrevi no blogue sobre esse assunto variadas vezes e abordando temas relacionadas com esta temática.
Um dos prismas do mundo automóvel é nem mais nem nemos que a transacção comercial. O "compra e venda" de automóveis. Já experimentei ambos os lados (quer de venda, quer de compra) e por isso estou muitíssimo à vontade para falar com conhecimento de causa.
Na qualidade de vendedor...acho que sou justo. Faço o meu trabalho de casa. Há locais na internet onde é possível aferir o valor comercial de um carro por aproximação ou valor médio, se preferirem. Se 10 carros da mesma marca, modelo e ano valem 4 euros não fará sentido eu pedir 14 euros pelo mesmo. Ou por outra, fará sentido se eu quiser morrer com o carro na minha posse. É aqui que se separa "o trigo do joio". Há um grupo de pessoas que não faz o trabalho de casa e atribui a alguns carros um valor desmesuradamente distante da realidade.
Para facilitar, há os vendedores de automóveis conscientes (grupo no qual me insiro) e há também o grupo dos vendedores de automóveis sem consciência. Aqueles que vendem os carros (tipicamente o vendedor de stand) sendo que lhes conhecem problemas ou um historial de problemas que poderá, a seu tempo, comprometer a segurança dos ocupantes daquela viatura..E ainda com outro detalhe: Na minha perspectiva de "crítico acutilante", entendo que alguns vendedores de automóveis deviam abandonar esta actividade profissional para se dedicarem à venda das tão saborosas "Queijadas de Sintra" ou (e porque não) explorar a actividade de apanha nocturna de gambuzinos. Seriam certamente mais bem sucedidos. É um pouco constrangedor quando o vendedor não tem resposta para um comprador mais informado e exigente. Ou quando não demonstra um conhecimento técnico capaz de dar resposta às várias questões que lhe são colocadas. Ou simplesmente porque não sabem e não tem vontade de saber. Ou pior...porque não acredita no que está a vender. E isso percebe-se facilmente. 
Do lado de comprador as coisas não são mais famosas. O trabalho de casa é igualmente feito por mim. Leio muito sobre o que quero comprar. Questiono quem eu sei que conhece o automóvel em causa. Reúno o máximo de informação possível. Vejo os pontos fortes / fracos de determinado carro. Faço a minha avaliação e apreciação do negócio. E mais uma vez, sou justo no valor que atribuo a determinada viatura. Valor esse que posteriormente é confirmado (ou não) quando vejo o carro presencialmente. Contudo, há uma máxima que norteia os negócios dos automóveis: "Pede-se o que se quiser e só paga quem quiser". É uma verdade incontornável. Contudo, é na conversa prazeirosa que tenho com alguns vendedores que invariavelmente vem ao de cima o que de pior tenho em mim. Não suporto pessoas petulantes e acéfalas. Pessoas que acreditam nas suas mentiras e que não são razoáveis. E sinceramente, é o que mais há por aí. Na qualidade de comprador...lido várias vezes com pessoas deste calibre. E até podia desligar-me e seguir em frente...mas fico profundamente irritado e só me dá vontade de querer que esses vendedores me digam algumas coisas na cara, em detrimento de as dizerem ao telefone. Fico fora de mim, sinceramente.
Até lá...vou tentando fazer os melhores negócios que consigo. Uns mais fáceis e outros mais trabalhosos!

Sem comentários: