domingo, fevereiro 24, 2013

Como qualquer outra pessoa tenho os meus princípios e valores morais (e éticos). Considero-me um bom profissional, zeloso das minhas responsabilidades e cumpro as minhas obrigações o melhor que sei. Como diz o povo.."Quem dá o que tem a mais não é obrigado". E não me sinto obrigado a dar mais porque dou tudo o que tenho. Por vezes dou demasiado. Mas isso é outra conversa.
Uma das chaves para uma boa liderança é sem dúvida alguma o reconhecimento individual do mérito de um colaborador. Nem todas as pessoas têm a mesma capacidade de executar bem uma tarefa. Por vezes são experimentadas dificuldades por algumas pessoas que as outras não experimentam. Fará parte da própria pessoa e da sua experiência pessoal. E fará parte do líder aperceber-se das dificuldades de progressão dos elementos da sua equipa em determinada matéria. E acompanhar esse elemento. Ajudando-o. Conduzindo-o. Nem todos o fazem porque não sabem. É muito mais fácil de forme "autista" alhear-se da realidade e enfiar-se no seu gabinete. No seu mundo. Onde quem entra (ou tenta entrar) é recebido com uma qualquer observação apática quando aquilo que se pretendia era uma orientação. Não tenho dúvida de que será o que por aí mais há.
Não sou pessoa de pedir favores. Não peço favores para depois não me cobrarem e pedirem também que interceda em determinado campo. Há muitos anos que sou assim. Mas entendo que por vezes tenho de "sair da caixa" e em benefício de terceiros tenho de pedir algo. Algo que até nem seria para mim ou para meu benefício em última análise. Seria sim para o benefício de terceiros. Resumidamente, há pouco tempo foi indeferido um pedido meu. E senti-me um pouco "sem pé". Talvez não tenha sido pelo "não" em si. Foi mais pelo facto de eu, que nunca peço nada o ter feito, e ter visto gorada a minha vontade. Sem que haja uma explicação verosímil.
Bem sei que o actual momento não é propício a gastos . Contudo, é necessário, na minha opinião, que quem de direito saiba avaliar os gastos "versus" benefícios que advêm de determinados investimentos. E parece-me que nesta situação em concreto tal avaliação não foi efectuada de forma exacta e objectiva.
Naturalmente que não deixarei de cumprir as minhas obrigações da melhor forma que sei, como aliás já referi. Mas certamente que não irei esquecer este episódio. Infeliz de resto.

2 comentários:

Susans Abreu disse...

Considero ser uma pessoa que infelizmente ou nao demasiada orgulhosa .
Com a experiencia e necessidade aprendi , se quisermos atingir objectivos, devemos lutar por eles.
Qualquer aspecto ou situacao que consideramos importante, para a nossa carreira ou mesmo para a nossa vida particular, devemos na minha modesta opiniao defender - Ouvir o "nao" esta sempre garantido, ouvir o "sim"quer dizer que valeu a pena.
Ser persistente e o meu lema de vida, ouvir o nao hoje, nao quer dizer que no amanha, nao haja o sim .

Susana

agoradigoeu disse...

Há um lema que tenho na vida: nunca espero nada de ninguém - assim se receber alguma coisa já fico contente :-)!
Uma pequena sugestão: títulos nos posts.
Até breve...