domingo, fevereiro 10, 2013

Por ocasião de um infortúnio que tive num dos meus carros há uns dias atrás, tive de aprofundar conhecimento técnico sobre um determinado assunto. Não foi nada de muito grave, mas como sempre gosto de conhecer um pouco mais detalhadamente o porquê das coisas. Desde que me conheço que sou assim. E se assim o pensei, assim o fiz.
Um dos meios de informação mais ricos que existe, actualmente, é o meio virtual. Este, da "internet". Permite-me ler uma opinião técnica de um engenheiro que está no Massassuchets e volvidos 2 minutos a de outro técnico que está na África do Sul. Giro não é? É. E só foi tornado possível devido a várias décadas de aperfeiçoamento desta maravilhoso mundo. Contrariamente ao que acontecia há uns...25 anos atrás. Mas nem tudo é bom.
Um dos grandes problemas apontados a este meio - senão o maior - é precisamente a informação não "validada". Ou seja, e trocando por miúdos, nem toda a informação disponível no meio virtual é fidedigna ou tem uma base científica que sustente a mesma. E assim aparece rapidamente o termo "desinformação". E se a há...
É impossível controlar toda a informação que está disponível à distância de um clicar do botão do nosso rato. Se assim fosse (e fora da esfera dos meios oficiais e canais de informação onde a informação é obrigatoriamente validada) rapidamente surgiriam as acusações de censura e do regresso dos tempos do "lápis azul". 
Uma das formas de partilha de conhecimento é precisamente o espaço público dedicado a um determinado assunto - fórum. O fórum é um local onde qualquer pessoa se pode registar (em alguns é necessário preencher alguns requisitos específicos), para debater um determinado tema. Na generalidade dos fóruns que conheço o registo é simples. Assim seja validado o tal registo é tornada possível a interacção do novo utilizador com outros utilizadores e o cabal (ou não) esclarecimento das dúvidas que levaram esse utilizador a registar-se nesse espaço público. Mas nem tudo corre bem.
Diariamente cruzamo-nos na rua com pessoas dos mais variados estratos sociais. Com as mais variadas experiências de vida. E naturalmente com as mais variadas educações. É uma leitura simplificada do que acontece por analogia no meio virtual. Pode dar-se o caso de registo de um magnata dos diamantes que é um ordinarão e ocorrer simultaneamente o registo de um desempregado extremamente bem educado. Ou vice-versa. O que quero dizer é que no mundo virtual todos podem ser aquilo que quiserem...e dizer o que disseram. Atrás de um monitor.
Em fóruns específicos automóveis - aqueles que frequento numa óptica de aprendizagem e partilha de conhecimento - acontece constatar muitas vezes estas realidades da "educação / não educação" e ainda da tal "desinformação". Ou seja, pessoas que ou por serem mal formadas ou porque abusam do conhecimento "não-fundamentado-cientificamente" e como tal perdem toda e qualquer credibilidade. Uma coisa é alguém não saber onde leu algo e esforçar-se por encontrar alguma referência ao que defende publicamente. Outra aspecto será o de defender algo sem qualquer tipo de sustentação. É isto que tira muita credibilidade à informação no mundo virtual. E há imensa informação baseada em conhecimento empírico e no facto "do-sogro-do-tio-do-primo-da-minha-cunhada-já-ter-feito-assim-e-ter-dado-resultado". E se em fóruns automóveis é um "mal menor", já em noutro tipo de fóruns (médicos, por exemplo) os danos podem ser consideravelmente superiores e os sentimentos de angústia e de preocupação (em alguns casos sem fundamento) serem evitáveis.

1 comentário:

Susans Abreu disse...

Quer seja na net ou na vida temos que fazer seleccao ...a procura da credibilidade