domingo, março 31, 2013

Os carros da minha rua (julgo que à semelhança dos carros das outras ruas por esse País fora) têm sido alvo da atenção por parte dos larápios. Assim de memória, e para avançar com números concretos, desde Dezembro do ano passado já vi partidos os vidros de uns 8 carros.
Posto isto, é normal que tenha passado a andar mais atento a movimentos estranhos por aqui. Desde pessoas que nunca vi por aqui e que me levam a parar no meio da rua para ver para onde vão, passando pela memorização das matrículas de carros que nunca vi aqui por estas bandas....entre outras situações que prefiro não relatar por aqui sob pena de engrossar a lista de pacientes de um qualquer hospício da zona da grande Lisboa.
Um larápio esperto não volta ao local do crime. Toda a gente sabe disto. É uma verdade "La Palissiana". A menos que estejamos perante um "gangue" organizado (que não acredito), estou certo que é sempre a mesma pessoa que cá tem vindo. Ou as mesmas duas pessoas (sendo que um fica sempre à coca, por razões óbvias). Outra verdade do género tem que ver com o momento do dia em que dá a "coisa" (furto). Dificilmente acontecerá às "claras". A razão é simples e tem que ver com o facto do(s) larápio(s) também terem amor à sua integridade física, pelo que, a madrugada é mais favorável. Convenhamos que a última coisa que passará na cabeça de um tipo que está na "sua onda", com todas as calmas deste mundo, às 0400H da matina e enquanto subtrai um auto-rádio (ou outro objecto) é levar com um "pé-de-cabra" com toda a força nas costas...Não se faz a ninguém. Mas quando se pretende que a "coisa" se dê às claras (hora do almoço), algo está errado. Ou é coragem ou mais...ou desespero a mais. Eu vou explicar.
Ontem à hora do almoço estava eu a passear a minha fera quando me apercebi de um carro a entrar na minha rua, com dois tipos com um mau aspecto pior que alguns arrumadores que conheço de vista ali do mercado da ribeira. Curiosamente o carro estacionou em frente a um posto de transformação eléctrica que há aqui na rua. Ou seja, com imenso espaço para estacionar, foram escolher um local onde por acaso estavam alguns carros estacionados - e onde também e por acaso alguns desses carros até já foram assaltados - e tinham como vista...o tal "mono" do posto de transformação eléctrico. Uau, que emoção! Claro que tudo isto fez disparar todos os meus alarmes da cabeça. Vim para casa e posicionei-me numa das janelas que dava para ter uma visão "privilegiada" do tal carro (e de eventuais movimentações dos seus ocupantes). 
Para mal dos meus pecados, não percebi muito bem o que acontecia no carro. Encontrava-me a umas boas centenas de metros de distância e a minha "visão de falcão" já teve melhores dias. E foi aqui que decidi exercer o meu dever cívico de zeloso contribuinte. Ligar para o 112 e reportar o que estava a acontecer. Duas vezes. De dois números diferentes. Quanto mais não fosse para que os dois fulanos fossem identificados. Em qualquer uma das vezes não tirei os olhos do carro pelo que não sei precisar concretamente quanto tempo deixei tocar na expectativa de ser atendido. Mas foi seguramente mais de 20 segundos. Resultado? Zero. Nada. "Bola". "Niente". Ninguém me atendeu qualquer uma das chamadas. E sinceramente, cada vez menos acredito na forma como está idealizada a resposta aos pedidos de emergência dos cidadãos. Não acho normal haver não uma, mas duas chamadas para o número nacional de emergência e ninguém atender. Mais, as chamadas devem ficar registadas e ninguém devolveu as mesmas.
Tive de sair de casa passados uns minutos e o carro já se tinha ido embora. Moral da história: Não vale a pena dar uma de "bom samaritano" e tentar ajudar a autoridade policial. Os meios de comunicação não são válidos. Mais...e agora em jeito de confidência / desabafo. Deveriam ser seleccionados agentes que não "dormissem na forma". Literalmente. Como me levanto cedo e passeio a fera também cedo, já encontrei duas vezes o carro da polícia escondido. Certamente que não estão à espera que alguém apareça naquela zona. Ainda para mais com os vidros embaciados e com todo o aspecto de quem dormiu um sono bem tranquilo e merecido. Enfim..o melhor mesmo é deixar os ténis da corrida à porta..e tirar as teias do "pé-do-caprino"!!

segunda-feira, março 25, 2013

Estive há dias em casa do meu irmão a passar uns dias, por ocasião do aniversário do meu afilhado Afonso. Nessa mesma altura esteve também a avó e a bisavó do Afonso (pelo lado da minha cunhada). Um dos quartos da casa do meu irmão era (e é) naturalmente dele  e da minha cunhada. Sobravam dois quartos. Um deles foi ocupado pelas "avós" do Afonso e o outro....foi ocupado por mim. Num escritório improvisou-se um colchão daqueles de ar para que eu pudesse ficar acomodado.
Fui buscar este colchão com o meu irmão a casa de um casal amigo dele. Simpáticos, bonacheirões. Gosto deste tipo de pessoas. Dois dedos de conversa e com o colchão emprestado já no carro lá fomos para casa. E não lhe tocámos até à hora de ir dormir.
Importa referir que o meu irmão é alguém experimentado nestas coisas de colchões de ar. As avós tinham um igual ao meu onde dormiram nesta temporada. O colchão é enchido com uma bomba eléctrica e permite a quem nele dorme um sono relaxante e revigorante durante uma noite inteira. Não permitiu a mim. E passo a explicar porquê.
O colchão foi enchido pelo meu irmão com a tal bomba eléctrica. Contente por ver ali aquele que seria o meu leito durante os próximos dias, deitei-me no mesmo e adormeci. De madrugada comecei a sentir que havia algo que não estava certo. Sou daquelas pessoas que dá voltas na cama. Numa dessas voltas percebi que o meu ombro estava a tocar de vez em quando numa superfície fria e dura. Mas continuei a dormir. Mas fiquei apreensivo. Passado algum tempo (não sei precisar porque tudo isto aconteceu durante o sono atribulado), percebi que estava deitado no chão. E fiquei assim algum tempo. Deitado no chão frio à espera de ouvir passos de alguém para me ajudar. Calhou ser o meu irmão...deviam ser umas 0730H. Chamei baixo para não acordar mais ninguém (e tentanto minimizar o ser visto assim e ser objecto de anedotas durante os próximos 7 anos). Disse-me mais tarde o meu irmão que estranhou porque pensou que fosse o vento ou mesmo impressão auditiva de ouvir o seu nome. Relembro que eu tinha a porta do escritório fechada e só ouvi passados..não sabia quem estava lá do outro lado. Mais atento conseguiu ouvir-me, estando eu quase tapado pelo colchão e com os joelhos na cara...
Percebeu-se no dia seguinte que o colchão tinha um furo lento. Ou seja, enchia-se..mas passado algum tempo, com o pêso do corpo perdia o ar conduzindo ao espectáculo que descrevi acima.
Nos demais dias dormi numa cama articulada comprada propositadamente. Não muito bem...porque é muito próxima do chão..mas melhor. Claro.

domingo, março 17, 2013

Nos últimos dias tem-se falado no regresso do Sócrates como comentador residente do (por enquanto) canal público (RTP 1) da televisão portuguesa.
É com alguma curiosidade que aguardo este regresso do Sócrates. Afinal, foram dois anos de absoluta reclusão e silêncio de alguém que deixou o País na penúria. De alguém que com um habitual e reconhecido mau feitio (e intolerância) foi para Paris tirar um curso de Filosofia e onde mantém uma conhecida vida de luxo. Há coisas que não entendo e esta é uma delas. Sócrates deixou Portugal como se vê, foi para Paris estudar, tem o filho a estudar numa das faculdades mais caras da capital francesa e pelo que li, há minutos, comprou um carro de uma marca alemã que custa qualquer coisa como 95.000 € . No dia do seu tão badalado regresso, apresentou-se nos estúdios da RTP com um carro alugado. É gozo, só pode.
Bem sei que há outros políticos que têm o seu espaço para o comentário semanal. Mas nenhum deles consegue reunir tanto ódio e repulsa como consegue o Sócrates. Não consigo assim de repente pensar em nada de bom na sua governação e quando me recordo de dois casos em que foi indiciado (caso Freeport e o caso da sua licenciatura-que-até-hoje-não-entendi-bem-à-semelhança-de-outras) fico verdadeiramente agoniado e (ainda mais) desacreditado no sistema judicial português. Afinal parece-me normal e lógico que me sinta assim. Se fosse uma outra pessoa da sociedade portuguesa, sem a proeminência destes políticos, já teria ido aquecer alguma cela de Monsanto há muito tempo. Sem apelo nem agravo.
Mas há mais. Há outra questão relacionada com o facto do Sócrates ter dito que fará o seu comentário de forma gratuita. Fiquei petrificado e sem expressão a olhar para a televisão. Acaso queria que eu (e mais 10 milhões de portugueses zelosos contribuintes) lhe pagássemos para o fazer? Depois de ter deixado o nosso Portugal depauperado regressa, qual D. Sebastião, da névoa, dizendo que não quer voltar à vida política activa num registo de uma sentida auto-comiseração e vitimização que tão bem sabe fazer. Acredito tanto nisso (quando diz que não volta à política activa) como no facto de até ao final do ano Portugal sair da profunda recessão económica em que se encontra.
A ver vamos nas próximas semanas.....a "narrativa" ainda agora começou....:-)

domingo, março 10, 2013

Concordo em absoluto quando é dito que Portugal é um País de brandos costumes. Facilmente penso em vários exemplos que me permitem avaliar essa situação de forma rápida. Senão vejamos: quem incumpre não é castigado. Quem "tem dinheiro" prefere incumprir em detrimento de cumprir. E por último, quem "não tem dinheiro" e por descuido ou desconhecimento incumpre, paga a conta de todos. É assim que funcionam as coisas por cá. Caso para, mais uma vez se parafrasear que uns são filhos da mãe e outros são filhos da "outra senhora"...
Tenho-me como sendo uma pessoa que se pauta por seguir valores morais e éticos "um pouco" diferentes daqueles que usualmente percebo estarem reflectidos na forma de estar/ser da generalidade das pessoas que conheço ou com quem tenho o prazer de privar. Não quero com isto dizer que sou melhor ou pior que as mesmas. Apenas vejo as coisas e funciono de forma diferente. 
Esses mesmos valores que refiro atrás fazem com que, diariamente seja acometido de um sentimento imenso de revolta quando percebo que, uma pessoa como eu, que tem como grande objectivo o ser "melhor" (prática do altruísmo), não só não sou reconhecido como comummente não vejo esta minha postura nas tais pessoas que conheço. Como resultado há diversas situações com as quais não consigo concordar/pactuar e que tenho de gerir internamente por forma a não permitir que surjam "clivagens".
Por muito que defenda que deverá sempre haver uma forma de estar coerente e consistente, com ideias claras e precisas sobre várias temáticas estruturais, rapidamente chego à conclusão que estou sozinho nessa "senda". Tenho uma grande dificuldade em adaptar-me a novas situações que colidam com a minha forma de estar e com os valores que sigo. Talvez por isso me custe aceitar determinados comportamentos ou atitudes vindos de pessoas a quem reconheço inteligência. No "final do dia", penso eu muitas vezes, a consciência é de cada um. Eu cá durmo descansado. Todas as noites.
Com as notícias tornadas públicas todos os dias relativamente à roubalheira da banca, à impunição dos "mais que conhecidos" culpados, sobre o aumento da carga fiscal (e consequente compromisso da qualidade de vida) entre outros assuntos relacionados, é natural que me sinta particularmente sensibilizado. 
 Terapeuticamente tenho perdido algum tempo na realização de exercícios de "relativização" e "perspectivação" de temas. E de controlo da ansiedade e da hiperventilação. Só assim consigo "avançar" e viver numa sociedade viciada, onde a cada dia que passa o sentimento de injustiça está mais presente. Em paralelo com a constatação da perda de todo um conjunto de direitos e regalias de uma vida inteira. E já não falando do enriquecimento (ainda mais visível) dos grandes grupos económicos por cá instalados...

domingo, março 03, 2013

Desde há uns anos a esta parte que tenho um (entre vários) dilema em mãos. Mais uma vez, dirá quem fielmente me acompanha nesta série de infortúnios que aqui tenho partilhado.
Não tenho de memória se já aqui desenvolvi a minha pouca paciência e jeito para andar na rua quando está a chover. Acredito que ninguém goste de apanhar molhas, mas também não tenho qualquer dúvida que devo ser das poucas pessoas que tem mesmo azar quando anda à chuva. Não só porque chove entenda-se, mas também porque (e mais uma vez) a espiral de azar está sempre "à coca" comigo. E normalmente leva a melhor. Consigo não só ficar molhado mas também, e não raro, magoado. Passo a explicar. Deixei de usar guarda-chuva há muitos anos. Ou porque perdi vários (esquecimento mesmo) ou porque me magooei várias vezes a mim mesmo (e.g.: entalando a pele das mãos no punho do guarda-chuva, ou o punho destacar-se do resto do guarda-chuva que me acertava na testa...), pérolas deste género.
Assim sendo teve lugar o natural abandono de guarda-chuvas. E passei a optar por uma de duas soluções: ou sem nada e aí sim, consciente de que iria apanhar verdadeira molha à moda antiga ou então o recurso ao capucho dos casacos. E é nesta minha segunda solução que me irei tecer algumas considerações.
Moro numa zona onde não raro há ciclones. E especial e concretamente na zona onde eu tenho de andar a pé, porque só assim consigo encontrar justificação para o facto de ser a única pessoa que se queixa das fortes rajadas de vento por estas bandas. Pior que andar a pé com vento...só mesmo com vento e chuva. Aliás, por mais que pense..não encontro cenário pior. Há vários tipos de chuva, tambm sei, mas qualquer chuva é...é invariavelmente"molhada". E ajudada por uma ligeira brisa..por mais pequena que seja...o cenário piora.
É certamente conhecido por quem usa o capucho a sensação claustrofóbica vivenciada. E o ajustar do capucho à cabeça. Aqui também tenho algo a dizer. O meu "corta vento" da corrida por exemplo, não tem capucho. Ou por outra, tem, mas é como se não tivesse. Há uns tempos fui correr com este casaco. Fiz mal porque o próprio nome do casaco alude ao seu propósito claro: "corta-o-vento". Apostei mal e num dia cinzento achei que poderia servir. Mas não. E claro...debaixo de uma bátega forte..a dada altura, a diferença entre ter levado o tal casaco e ter mergulhado num poço era nula. Porquê? Porque o cordão do capucho não apertava. Por mais que o apertasse e desse nós...passadas algumas passadas abria-se. E como sou cabeça dura...não deixei de ir correr por essa mariquice. Claro que paguei a factura com uma constipação...
O cordão do capucho é qualquer coisa de irritante. Se por um lado serve para manter a cabeça protegida da intempérie, por outro lado conduz a figuras ridículas. Já alguém experimentou andar meia hora com o capucho vestido e bem justo? É fantástico. Especialmente se no meio do passeio encontrarmos alguém conhecido. E por deferência tivermos de tirar o capucho, expondo um maravilhoso penteado qual lambidela da vaca Cornélia...já não falando de ser possível aparentar uma côr cianosada por via da fraca irrigação sanguínea ao cérebro....Enfim. Um mal necessário!