domingo, março 17, 2013

Nos últimos dias tem-se falado no regresso do Sócrates como comentador residente do (por enquanto) canal público (RTP 1) da televisão portuguesa.
É com alguma curiosidade que aguardo este regresso do Sócrates. Afinal, foram dois anos de absoluta reclusão e silêncio de alguém que deixou o País na penúria. De alguém que com um habitual e reconhecido mau feitio (e intolerância) foi para Paris tirar um curso de Filosofia e onde mantém uma conhecida vida de luxo. Há coisas que não entendo e esta é uma delas. Sócrates deixou Portugal como se vê, foi para Paris estudar, tem o filho a estudar numa das faculdades mais caras da capital francesa e pelo que li, há minutos, comprou um carro de uma marca alemã que custa qualquer coisa como 95.000 € . No dia do seu tão badalado regresso, apresentou-se nos estúdios da RTP com um carro alugado. É gozo, só pode.
Bem sei que há outros políticos que têm o seu espaço para o comentário semanal. Mas nenhum deles consegue reunir tanto ódio e repulsa como consegue o Sócrates. Não consigo assim de repente pensar em nada de bom na sua governação e quando me recordo de dois casos em que foi indiciado (caso Freeport e o caso da sua licenciatura-que-até-hoje-não-entendi-bem-à-semelhança-de-outras) fico verdadeiramente agoniado e (ainda mais) desacreditado no sistema judicial português. Afinal parece-me normal e lógico que me sinta assim. Se fosse uma outra pessoa da sociedade portuguesa, sem a proeminência destes políticos, já teria ido aquecer alguma cela de Monsanto há muito tempo. Sem apelo nem agravo.
Mas há mais. Há outra questão relacionada com o facto do Sócrates ter dito que fará o seu comentário de forma gratuita. Fiquei petrificado e sem expressão a olhar para a televisão. Acaso queria que eu (e mais 10 milhões de portugueses zelosos contribuintes) lhe pagássemos para o fazer? Depois de ter deixado o nosso Portugal depauperado regressa, qual D. Sebastião, da névoa, dizendo que não quer voltar à vida política activa num registo de uma sentida auto-comiseração e vitimização que tão bem sabe fazer. Acredito tanto nisso (quando diz que não volta à política activa) como no facto de até ao final do ano Portugal sair da profunda recessão económica em que se encontra.
A ver vamos nas próximas semanas.....a "narrativa" ainda agora começou....:-)

Sem comentários: