domingo, março 10, 2013

Concordo em absoluto quando é dito que Portugal é um País de brandos costumes. Facilmente penso em vários exemplos que me permitem avaliar essa situação de forma rápida. Senão vejamos: quem incumpre não é castigado. Quem "tem dinheiro" prefere incumprir em detrimento de cumprir. E por último, quem "não tem dinheiro" e por descuido ou desconhecimento incumpre, paga a conta de todos. É assim que funcionam as coisas por cá. Caso para, mais uma vez se parafrasear que uns são filhos da mãe e outros são filhos da "outra senhora"...
Tenho-me como sendo uma pessoa que se pauta por seguir valores morais e éticos "um pouco" diferentes daqueles que usualmente percebo estarem reflectidos na forma de estar/ser da generalidade das pessoas que conheço ou com quem tenho o prazer de privar. Não quero com isto dizer que sou melhor ou pior que as mesmas. Apenas vejo as coisas e funciono de forma diferente. 
Esses mesmos valores que refiro atrás fazem com que, diariamente seja acometido de um sentimento imenso de revolta quando percebo que, uma pessoa como eu, que tem como grande objectivo o ser "melhor" (prática do altruísmo), não só não sou reconhecido como comummente não vejo esta minha postura nas tais pessoas que conheço. Como resultado há diversas situações com as quais não consigo concordar/pactuar e que tenho de gerir internamente por forma a não permitir que surjam "clivagens".
Por muito que defenda que deverá sempre haver uma forma de estar coerente e consistente, com ideias claras e precisas sobre várias temáticas estruturais, rapidamente chego à conclusão que estou sozinho nessa "senda". Tenho uma grande dificuldade em adaptar-me a novas situações que colidam com a minha forma de estar e com os valores que sigo. Talvez por isso me custe aceitar determinados comportamentos ou atitudes vindos de pessoas a quem reconheço inteligência. No "final do dia", penso eu muitas vezes, a consciência é de cada um. Eu cá durmo descansado. Todas as noites.
Com as notícias tornadas públicas todos os dias relativamente à roubalheira da banca, à impunição dos "mais que conhecidos" culpados, sobre o aumento da carga fiscal (e consequente compromisso da qualidade de vida) entre outros assuntos relacionados, é natural que me sinta particularmente sensibilizado. 
 Terapeuticamente tenho perdido algum tempo na realização de exercícios de "relativização" e "perspectivação" de temas. E de controlo da ansiedade e da hiperventilação. Só assim consigo "avançar" e viver numa sociedade viciada, onde a cada dia que passa o sentimento de injustiça está mais presente. Em paralelo com a constatação da perda de todo um conjunto de direitos e regalias de uma vida inteira. E já não falando do enriquecimento (ainda mais visível) dos grandes grupos económicos por cá instalados...

Sem comentários: