segunda-feira, março 25, 2013

Estive há dias em casa do meu irmão a passar uns dias, por ocasião do aniversário do meu afilhado Afonso. Nessa mesma altura esteve também a avó e a bisavó do Afonso (pelo lado da minha cunhada). Um dos quartos da casa do meu irmão era (e é) naturalmente dele  e da minha cunhada. Sobravam dois quartos. Um deles foi ocupado pelas "avós" do Afonso e o outro....foi ocupado por mim. Num escritório improvisou-se um colchão daqueles de ar para que eu pudesse ficar acomodado.
Fui buscar este colchão com o meu irmão a casa de um casal amigo dele. Simpáticos, bonacheirões. Gosto deste tipo de pessoas. Dois dedos de conversa e com o colchão emprestado já no carro lá fomos para casa. E não lhe tocámos até à hora de ir dormir.
Importa referir que o meu irmão é alguém experimentado nestas coisas de colchões de ar. As avós tinham um igual ao meu onde dormiram nesta temporada. O colchão é enchido com uma bomba eléctrica e permite a quem nele dorme um sono relaxante e revigorante durante uma noite inteira. Não permitiu a mim. E passo a explicar porquê.
O colchão foi enchido pelo meu irmão com a tal bomba eléctrica. Contente por ver ali aquele que seria o meu leito durante os próximos dias, deitei-me no mesmo e adormeci. De madrugada comecei a sentir que havia algo que não estava certo. Sou daquelas pessoas que dá voltas na cama. Numa dessas voltas percebi que o meu ombro estava a tocar de vez em quando numa superfície fria e dura. Mas continuei a dormir. Mas fiquei apreensivo. Passado algum tempo (não sei precisar porque tudo isto aconteceu durante o sono atribulado), percebi que estava deitado no chão. E fiquei assim algum tempo. Deitado no chão frio à espera de ouvir passos de alguém para me ajudar. Calhou ser o meu irmão...deviam ser umas 0730H. Chamei baixo para não acordar mais ninguém (e tentanto minimizar o ser visto assim e ser objecto de anedotas durante os próximos 7 anos). Disse-me mais tarde o meu irmão que estranhou porque pensou que fosse o vento ou mesmo impressão auditiva de ouvir o seu nome. Relembro que eu tinha a porta do escritório fechada e só ouvi passados..não sabia quem estava lá do outro lado. Mais atento conseguiu ouvir-me, estando eu quase tapado pelo colchão e com os joelhos na cara...
Percebeu-se no dia seguinte que o colchão tinha um furo lento. Ou seja, enchia-se..mas passado algum tempo, com o pêso do corpo perdia o ar conduzindo ao espectáculo que descrevi acima.
Nos demais dias dormi numa cama articulada comprada propositadamente. Não muito bem...porque é muito próxima do chão..mas melhor. Claro.

1 comentário:

Tété disse...

Olá Olá .... como te entendo, acontece a muito boa gente, já me calhou também uma situação idêntica mas o meu azar que foi no campismo... e de acordar com dores quase em todos os ossinhos ... bjo