domingo, março 03, 2013

Desde há uns anos a esta parte que tenho um (entre vários) dilema em mãos. Mais uma vez, dirá quem fielmente me acompanha nesta série de infortúnios que aqui tenho partilhado.
Não tenho de memória se já aqui desenvolvi a minha pouca paciência e jeito para andar na rua quando está a chover. Acredito que ninguém goste de apanhar molhas, mas também não tenho qualquer dúvida que devo ser das poucas pessoas que tem mesmo azar quando anda à chuva. Não só porque chove entenda-se, mas também porque (e mais uma vez) a espiral de azar está sempre "à coca" comigo. E normalmente leva a melhor. Consigo não só ficar molhado mas também, e não raro, magoado. Passo a explicar. Deixei de usar guarda-chuva há muitos anos. Ou porque perdi vários (esquecimento mesmo) ou porque me magooei várias vezes a mim mesmo (e.g.: entalando a pele das mãos no punho do guarda-chuva, ou o punho destacar-se do resto do guarda-chuva que me acertava na testa...), pérolas deste género.
Assim sendo teve lugar o natural abandono de guarda-chuvas. E passei a optar por uma de duas soluções: ou sem nada e aí sim, consciente de que iria apanhar verdadeira molha à moda antiga ou então o recurso ao capucho dos casacos. E é nesta minha segunda solução que me irei tecer algumas considerações.
Moro numa zona onde não raro há ciclones. E especial e concretamente na zona onde eu tenho de andar a pé, porque só assim consigo encontrar justificação para o facto de ser a única pessoa que se queixa das fortes rajadas de vento por estas bandas. Pior que andar a pé com vento...só mesmo com vento e chuva. Aliás, por mais que pense..não encontro cenário pior. Há vários tipos de chuva, tambm sei, mas qualquer chuva é...é invariavelmente"molhada". E ajudada por uma ligeira brisa..por mais pequena que seja...o cenário piora.
É certamente conhecido por quem usa o capucho a sensação claustrofóbica vivenciada. E o ajustar do capucho à cabeça. Aqui também tenho algo a dizer. O meu "corta vento" da corrida por exemplo, não tem capucho. Ou por outra, tem, mas é como se não tivesse. Há uns tempos fui correr com este casaco. Fiz mal porque o próprio nome do casaco alude ao seu propósito claro: "corta-o-vento". Apostei mal e num dia cinzento achei que poderia servir. Mas não. E claro...debaixo de uma bátega forte..a dada altura, a diferença entre ter levado o tal casaco e ter mergulhado num poço era nula. Porquê? Porque o cordão do capucho não apertava. Por mais que o apertasse e desse nós...passadas algumas passadas abria-se. E como sou cabeça dura...não deixei de ir correr por essa mariquice. Claro que paguei a factura com uma constipação...
O cordão do capucho é qualquer coisa de irritante. Se por um lado serve para manter a cabeça protegida da intempérie, por outro lado conduz a figuras ridículas. Já alguém experimentou andar meia hora com o capucho vestido e bem justo? É fantástico. Especialmente se no meio do passeio encontrarmos alguém conhecido. E por deferência tivermos de tirar o capucho, expondo um maravilhoso penteado qual lambidela da vaca Cornélia...já não falando de ser possível aparentar uma côr cianosada por via da fraca irrigação sanguínea ao cérebro....Enfim. Um mal necessário!

Sem comentários: