domingo, março 31, 2013

Os carros da minha rua (julgo que à semelhança dos carros das outras ruas por esse País fora) têm sido alvo da atenção por parte dos larápios. Assim de memória, e para avançar com números concretos, desde Dezembro do ano passado já vi partidos os vidros de uns 8 carros.
Posto isto, é normal que tenha passado a andar mais atento a movimentos estranhos por aqui. Desde pessoas que nunca vi por aqui e que me levam a parar no meio da rua para ver para onde vão, passando pela memorização das matrículas de carros que nunca vi aqui por estas bandas....entre outras situações que prefiro não relatar por aqui sob pena de engrossar a lista de pacientes de um qualquer hospício da zona da grande Lisboa.
Um larápio esperto não volta ao local do crime. Toda a gente sabe disto. É uma verdade "La Palissiana". A menos que estejamos perante um "gangue" organizado (que não acredito), estou certo que é sempre a mesma pessoa que cá tem vindo. Ou as mesmas duas pessoas (sendo que um fica sempre à coca, por razões óbvias). Outra verdade do género tem que ver com o momento do dia em que dá a "coisa" (furto). Dificilmente acontecerá às "claras". A razão é simples e tem que ver com o facto do(s) larápio(s) também terem amor à sua integridade física, pelo que, a madrugada é mais favorável. Convenhamos que a última coisa que passará na cabeça de um tipo que está na "sua onda", com todas as calmas deste mundo, às 0400H da matina e enquanto subtrai um auto-rádio (ou outro objecto) é levar com um "pé-de-cabra" com toda a força nas costas...Não se faz a ninguém. Mas quando se pretende que a "coisa" se dê às claras (hora do almoço), algo está errado. Ou é coragem ou mais...ou desespero a mais. Eu vou explicar.
Ontem à hora do almoço estava eu a passear a minha fera quando me apercebi de um carro a entrar na minha rua, com dois tipos com um mau aspecto pior que alguns arrumadores que conheço de vista ali do mercado da ribeira. Curiosamente o carro estacionou em frente a um posto de transformação eléctrica que há aqui na rua. Ou seja, com imenso espaço para estacionar, foram escolher um local onde por acaso estavam alguns carros estacionados - e onde também e por acaso alguns desses carros até já foram assaltados - e tinham como vista...o tal "mono" do posto de transformação eléctrico. Uau, que emoção! Claro que tudo isto fez disparar todos os meus alarmes da cabeça. Vim para casa e posicionei-me numa das janelas que dava para ter uma visão "privilegiada" do tal carro (e de eventuais movimentações dos seus ocupantes). 
Para mal dos meus pecados, não percebi muito bem o que acontecia no carro. Encontrava-me a umas boas centenas de metros de distância e a minha "visão de falcão" já teve melhores dias. E foi aqui que decidi exercer o meu dever cívico de zeloso contribuinte. Ligar para o 112 e reportar o que estava a acontecer. Duas vezes. De dois números diferentes. Quanto mais não fosse para que os dois fulanos fossem identificados. Em qualquer uma das vezes não tirei os olhos do carro pelo que não sei precisar concretamente quanto tempo deixei tocar na expectativa de ser atendido. Mas foi seguramente mais de 20 segundos. Resultado? Zero. Nada. "Bola". "Niente". Ninguém me atendeu qualquer uma das chamadas. E sinceramente, cada vez menos acredito na forma como está idealizada a resposta aos pedidos de emergência dos cidadãos. Não acho normal haver não uma, mas duas chamadas para o número nacional de emergência e ninguém atender. Mais, as chamadas devem ficar registadas e ninguém devolveu as mesmas.
Tive de sair de casa passados uns minutos e o carro já se tinha ido embora. Moral da história: Não vale a pena dar uma de "bom samaritano" e tentar ajudar a autoridade policial. Os meios de comunicação não são válidos. Mais...e agora em jeito de confidência / desabafo. Deveriam ser seleccionados agentes que não "dormissem na forma". Literalmente. Como me levanto cedo e passeio a fera também cedo, já encontrei duas vezes o carro da polícia escondido. Certamente que não estão à espera que alguém apareça naquela zona. Ainda para mais com os vidros embaciados e com todo o aspecto de quem dormiu um sono bem tranquilo e merecido. Enfim..o melhor mesmo é deixar os ténis da corrida à porta..e tirar as teias do "pé-do-caprino"!!

Sem comentários: