domingo, abril 28, 2013

Muito frequentemente temos frango assado lá em casa como refeição. Não confundir frango assado com frango no espeto. Estou  mesmo a falar do frango assado.
Durante anos "gastou-se" de uma churrasqueira perto da Igreja lá de Benfica. Acho que ainda existe e certamente terá um aspecto melhor (e mais actual) do que aquele aspecto que tinha há uns 25 anos atrás. Ir à dita churrasqueira e não vir com a roupa "medalhada" (com gordura ou carvão) era tão provável quanto o nosso digníssimo Presidente da República recandidatar-se amanhã e vencer as eleições presidenciais. Era bem notório o excesso de massa grafitada preta, utilizado para o bom rolamento dos suportes das grelhas nos casquilhos do forno grelhador. Lembro-me também que o empregado - o Raimundo - (nunca cheguei a perceber se era dono ou não da churrasqueira) era um sportinguista ferrenho. Tenho de memória ir buscar uns frangos e ouvir várias vezes na telefonia (por cima do forno) o relato da "bola" e instintivamente olhar para o leão do galhardete. Em vez do habitual pêlo dourado característico destes grandes felinos tinha-o bem preto, qual pantera, em consequência da fuligem proveniente do forno (que acho que nunca se apagou em décadas que lá fui buscar os meus frangos assados). Outra particularidade era o facto do Raimundo, em 20 anos seguidos que lá fui buscar frangos, me chamar "Pedro". Não obstante eu lhe dizer sempre que não era esse o meu nome. Mas conviremos que ouvir uma voz vinda por baixo do balcão (através do qual só era possível ver a ponta dos cabelos do remoinho) terá tanta credibilidade quanto o nosso Primeiro Ministro referir que Portugal não se encontra num "pântano" económico.
Já comi vários tipos de frangos assados. Gosto deles simples, sem invenções de "molho de manteiga com limão" ou do piri-piri que usualmente me costuma dar a volta à barriga.  A condimentar, faço-o à mesa. Apenas 8 gotas de "Tabasco". Batatas fritas sempre, mas sempre "às rodelas", preferencialmente fritas no momento. Quanto mais queimadas melhor. E claro, a bebida gaseificada para acompanhar.
Frango assado apenas e só acompanha com "Coca-Cola", "Sprite" ou, em alternativa, uma "loira gelada". Água e sumos de fruta funcionam como "venenos" e deturpam por completo o sabor do frango assado.
Não gosto dos frangos assados demasiado...."cozidos". Mastigar uma folha de papel seca ao Sol será certamente mais interessante que mastigar um frango demasiado assado. Daí ser necessária alguma paciência e intuição para se "virar frangos". Não tenho dúvidas nenhumas relativamente a isto. E daí estar em permanente avaliação de 3,4 casas. A melhor será onde passarei a ir buscar os meus frangos assados. Obviamente.

domingo, abril 21, 2013

Até há uns dias atrás estive fora, na Alemanha, para, entre outras coisas, realizar uma inspecção física a um avião. 
Convém dizer que só quem não conhece os meandros da aviação vive no pensamento utópico de que os trabalhos de manutenção de uma aeronave acabam a tempo e horas. Lamento informar que não acabam. Há o chamado "imponderável" sendo que no mundo da aviação está sempre presente. Ao virar de cada esquina. Basta pensar que há vários tipos de inspecção preconizadas pelos fabricantes de aviões. Particularmente, há as inspecções de manutenção "pesadas" (que demoram vários dias) e para as quais os sistemas do avião têm de ser desligados: eléctrico, hidráulico, pneumático, etc.. Ou seja, quando se começa a instalar tudo de novo, na parte final da inspecção de manutenção, começam (ou podem) surgir as surpresas. Nesta minha partilha, adianto que depois de alguns "naturais" atrasos foi-me dada a oportunidade de realizar a minha inspecção física do avião.
A inspecção física de um avião é tipicamente efectuada por um inspector/auditor da qualidade. É alguém que, em consequência da sua ligação "nativa" aos referenciais normativos e regulamentação específica deste sector, detem um conhecimento superior comparativamente a alguém cuja função é apertar parafusos, substituir rodas ou ver o nível de óleo do motor. Não desvalorizando a importância de cada função. Mas essas dissertações sobre os vários "actores" da aviação deixarei para outra ocasião. Ao que interessa...
Finda a minha inspecção pedi a um dos meus colegas que estava comigo na Alemanha para me dar boleia até ao escritório (sito a uns 200 metros do hangar onde estava o avião). Quando se faz uma inspecção à noite e com parte do avião (nariz) fora do "hangar" e com chuva é normal que se leve algum equipamento de protecção e outro material específico que ajuda na inspecção. No meu caso concreto levava o "iPad", lanterna, telefone para fotos e colete com fitas luminescentes (vestuário obrigatório).
O meu colega deixou-me pois no escritório como referi atrás. Na medida em que fui à Alemanha por poucos dias não tinha um passe definitivo um "magneto" que permite abrir as várias portas do escritório. Ou seja, se por algum motivo saísse do mesmo não podia voltar a entrar. E claro que os meus amigos e amigas já adivinham o que aconteceu. Quando me sentei no meu lugar já no escritório e ía preparar-me para começar a fazer o redigir relatório percebi que me faltava o telefone. Pois. Ainda por cima um telefone novo. E com a agravante de não ter sido barato...
Comecei a rever os passos que tinha dado no "hangar".  Revi mentalmente todos. Comecei a pensar na eventualidade de ter deixado o telefone numa mesa, ou num dos porões do avião. Mas não me parecia exequível. Seria demasiado negligente e idiota. Mas pode acontecer, como é lógico. O cansaço acumulado e algumas horas devidas à cama podem condicionar comportamentos. E conduzir a alguns actos irreflectidos.
Uma das hipóteses que me ocorreu foi efectivamente o carro no qual o meu colega me tinha dado boleia. E enquanto escrevia no pc, tentando não ficar demasiado ansioso e começar a chorar convulsivamente pela perda do meu recente telefone, fui amadurecendo essa ideia. De ter deixado o telefone no carro. Ainda que me parecesse remota, mas pensei, confesso.
A questão no meio disto tudo é que não havia forma de contactar com os meus colegas e pattilhar com eles a minha angústia. A probabilidade de eu ligar e ser atendido por qualquer um deles era tão real quanto a possibilidade de ver o elefante "Dumbo" passar a voar à frente da minha janela. Ainda por cima com mecânicos do Cazequistão e Ucrânia a trabalhar no avião (eu falo melhor alemão que eles o inglês). E não, não falo nada de alemão...
A ideia do telefone estar no carro começou a martelar-me na cabeça. E o carro estava do lado de fora do escritório, mesmo ali ao lado. Levantei-me, olhei pela janela e vi-o. Um Opel Corsa preto, dos novos. Carro alugado, pois claro. E começou a ganhar forma a ideia de que tinha de saciar a curiosidade. Abri a janela. Rodei o punho e percebi que era "oscilo-batente". Rodei o punho de novo e abriu-se totalmente. Estamos a falar de uma janela que me dava pelo peito em termos de altura (não sendo eu um quarto de vigor). O que me sugeriu logo alguma força de braços. Para alguém que faça 50, 60 flexões por dia (não é o meu caso actualmente), seria certamente um bom pretexto para um exercício engraçado. Aqui para o escriba não. Para alcançar o parapeito da janela tive de trepar para a cadeira, pôr o pé esquerdo no canto da mesa e o direito no parapeito da mesa. Aqui percebi pela primeira vez naquela noite que a minha elasticidade já não é a mesma coisa de há uns anos. Logo a seguir percebi que a altura para o lado de fora da janela (exterior ao edifício) era mais alto do que eu pensava. Claro está que só percebi isto quando já tinha saltado. Quando caí no chão senti os joelhos aguentar o pêso mas também pensei que mais um salto daqueles e iria perceber a que sabe o solo germânico.
Apontei a lanterna para o escuro interior do Corsa. Não vi nada no banco onde tinha estado sentado. Devo ter ganho uns 15 cabelos brancos nesse preciso momento: Já em claro e lógico desespero..varrendo freneticamente o interior do carro com a lanterna vi-a. A capa castanha do telefone. E pensei que o mundo afinal até pode ser bom. E fiquei mais satisfeito e tranquilo. Até que o meu sorriso se desvaneceu quando olhei para a altura da janela. Mais alta que eu. 
Destemido, coloquei os dedos no parapeito (exterior) da janela. Senti o frio do metal. O parapeito interior era em pedra (mármore) e este era em metal frio. O que "per se" me sugeria que tinha de conseguir um salto rápido e certeiro. Foi rápido. Mas não foi certeiro. O impulso foi exagerado e quando pús o pé direito no tal parapeito de metal escorreguei (estava a chover), tropecei e devo praticamente ter feito um mortal para o interior da sala. Estava eu a recompor-me desta aparatosa cena digna de filme (e de alguns arranhões) quando passado 1 minuto entra um colega meu pela sala. Felizmente não viu nada do que tinha acontecido segundos antes. E acho que nunca irá perceber o que eu lhe expliquei visivelmente excitado.
Moral da História: Às vezes basta esperar mais dois minutos e diminui-se consideravalmente a probabilidade de ter de usar uma placa de dentes em consequência de uma queda aparatosa!

domingo, abril 14, 2013

No outro dia tive oportunidade de utilizar a nossa magnífica e útil rede do metropolitano de Lisboa. Pessoalmente entendo ser o melhor meio de transporte que existe à face do planeta Terra. Pontual (como gosto) e eficiente (assim não nos enganemos na linha e em vez de ir para o Colégio Militar seguirmos para o Cais do Sodré).
Não me irei alongar em muitas considerações sobre a deslocação em si. É igual ao que era há 28 anos atrás. Sem tirar nem pôr. Aliás, acredito que sejam as mesmas carruagens dessa altura, o que até faz algum sentido na medida em que a degradação / exposição das mesmas às condições climatéricas adversas é muito inferior quando se fala no subsolo. Poderá ser esta uma explicação. Ou então são carruagens completamente novas e eu simplesmente não acompanhei esta evolução. Afinal passaram-se anos em que não usei o metro.
Falemos da aquisição / validação do necessário título da viagem. Aqui sim, entendo que deveriam ser promovidas acções de formação por parte do metropolitino de Lisboa para os seus utilizadores. Sou do tempo em que se comprava um bilhete de cartão, amarelado, que era validado num obliterador encarnado. Durante os 10 ou 15 anos que usei regularmente o metro nunca os torniquetes funcionaram eficientemente. Percebi há dias que actualmente não é assim. As coisas funcionam e eu preciso de ter muito cuidado não vão as coisas correr mal para mim e acontecer o que aconteceu no outro dia num centro comercial da capital (o tal maldito mono à entrada das escadas rolantes)...
 No antigamente tratava-se de uma operação que não demorava mais de 2 minutos (desde a aquisição do título de transporte até à sua validação). Actualmente não é bem assim. É preciso seleccionar uma série de opções num écran táctil, sendo que o écran nem sempre responde imediatamente. Daí à minha impaciência é um "fósforo" e começo a praguejar com a máquina e a chamar nomes feios à sua mãe (da máquina).
Naturalmente que o Administrador do metro de Lisboa não usa a rede do metro regularmente. Se assim fosse e tivesse de adquirir o título de transporte nestas máquinas....as coisas não iriam correr bem para quem desenvolveu estas máquinas (ou para quem as mantem). Por razões óbvias. E se o mesmo Administrador padecesse do mesmo problema de impaciência que aqui o escriba padece...pioraria muito substancialmente tudo para o lado das pessoas que menciono acima.
Voltem os títulos de cartão e os obliteradores encarnados!

domingo, abril 07, 2013

A cerca de meia hora da comunicação do Primeiro Ministro (PM) português à Nação sou levado a pensar que estamos perante o "princípio do fim". Nunca fui, não sou e não me parece que venha a ser uma pessoa fatalista, mas, com a actual geração de políticos temo que muito em breve possa mudar de opinião.
A comunicação do PM acontece dois dias depois de ter sido conhecida a decisão do Tribunal Constituicional (TC) sobre o Orçamento de Estado (OE) para 2013 e um dia depois de ter sido solicitado um encontro entre o mesmo, o actual Ministro das Finanças e o ilustre Presidente da República Portuguesa que, se até este momento teve um papel pouco activo, passou repentinamente a ser um dos protagonistas mais importantes deste delicado momento. Por partes:

1) Não Cumprimento do Memorando de Entendimento assinado com a "Troika": Basicamente uma "carta de compromissos" assumidos pelo Governo Português com os seus congéneres europeus e que tem como grande objectivo a redução do défice. Ou seja, foram elencadas uma série de medidas que visavam o aumento da receita por parte do Estado Português em linha com uma gradual e significativa redução da despesa. Contudo, algumas dessas medidas foram tidas como "anti constitucionais" pelo TC, orgão soberano quanto toca na avaliação da Constituição Portuguesa. Para quem ainda não percebeu bem o que se passou eu explico por outras palavras com um simples exemplo...Eu peço 5 euros ao meu amigo Francisco para poder comprar uma garrafa de leite, pagar a renda da minha casa e durante algum tempo conseguir "manter-me à tona da água" ou seja, até que me seja possível voltar a equilibrar as minhas contas. Logicamente, o Francisco, sendo meu amigo do coração e conhecendo a minha difícil situação financeira, quer saber como é que vou ser capaz de lhe pagar os 5 euros (acrescidos de juros à taxa em vigor) no prazo por nós acordado. Sem problemas de maior informo o meu amigo que estou à espera de receber uma herança choruda de uma tia minha que sei ter falecido na Austrália há uma semana, que vou também fazer um "part-time" nos Arraiolos (para ver se consigo ganhar algum com a venda de tapetes giríssimos) e ainda proveniente da minha colaboração no "call center" onde vou "fazer uma perna" às terças-feiras e quintas-feiras em horário pós-laboral. Lá consigo os 5 euros e assino um papel em que me comprometo que com estas 3 medidas irei pagar no espaço de 3 meses o dinheiro emprestado. Tudo isto seria perfeito se vivêssemos num mundo ideal. Mas não vivemos. Os azares acontecem. Afinal, já não vou receber herança alguma, as inscrições nos Arraiolos estão fechadas desde Janeiro e só aceitam raparigas para o "call center". Resumindo, não vou ser capaz de conseguir o dinheiro para honrar os meus compromissos assumidos com o Francisco. No entanto os custos fixos (o leite, a renda da casa, etc.) mantêm-se. E terei de pedir dinheiro emprestado de novo por forma a conseguir sobreviver. Grosso modo, eu personifiquei o Estado Português e o Francisco o Fundo Monetário Internacional (FMI). Penso que é claro para qualquer pessoa o que está em causa. E pior. Não há "Plano B". E Portugal está de novo à beira do colapso económico tendo sido perdida uma oportunidade de encaixe de 1.300 milhões de euros (4 medidas chumbadas no OE permitiriam esse encaixe).

2) A alternância de governação "viciada": Este será para mim um pormenor de grande importância. Desde o 25 de Abril de 1974 que, em regime de alternância (já não falando das alianças democráticas e governações isoladas), se assiste à partilha da governação de Portugal por dois grandes partidos: o Partido Socialiasta (PS) e o Partido Social Democrata (PSD). Tenho para mim que nenhum dos dois actuais secretários gerais de qualquer um dos partidos seja um político de craveira. Não reconheço tenacidade, resilência ou mesmo um "norte" que permita seguir o bom exemplo irlandês e nos afaste do mau exemplo grego ou cipriota. A questão é pior. É cultural. Esta geração de políticos gosta de usar as palavras como "legado político" para justificar a sua impreparação política e/ou desconhecimento de medidas de fundo que têm de ter tomadas para acabar com os "lobies" instalados dos grandes grupos económicos. É a geração de políticos que prefere passar horas na Assembleia da República (AR) a ofender-se entre as várias bancadas quando devia sugerir medidas de aplicação imediata, consensuais e que conduzissem à alavancagem da situação medíocre em que Portugal se encontra. Por mais tempo que se viva, esta geração de políticos perpetuará a retórica estéril de que quem tem o ónus da situação a que chegámos é o Executivo anterior. Afinal não mais é feito que o habitual "empurrar com a barriga" que os portugueses tão bem sabem fazer. E mais..."o último fecha a porta". Neste caso...as gerações futuras que resolvam o problema. Apenas temos uma garantia..o discurso da culpababilidade é sempre o mesmo. Apenas muda a "forma" como é proferido. E quem o profere.

3) A Oposição: Começo a desconfiar que as felicitações que os líderes partidários endereçam uns aos outros (aqueles que perdem aos que ganham) no rescaldo das eleições é tudo treta. Não estou enganado quando digo que há sempre o "chavão" do..."Estamos disponíveis para colaborar com o Governo eleito no que fôr possível e a bem da Nação". Afinal, nada disso é feito. Mais à frente, quando realmente as coisas "apertam", surge a retórica clássica: "Eu bem avisei que este era o caminho errado". Pergunto eu... é impressão minha ou o líder do maior partido da Oposição vive num País diferente do meu? Não seria natural (e lógico) que houvesse uma tentativa - num momento tão especial como é este - que houvesse uma aproximação de um trabalho conjunto? A um nível não só dos partidos da Oposição, mas também ao nível da AR? Porque não encetar um esforço conjunto entre as várias bancadas em detrimento de legislar cegamente e por vezes com uma clara desadequação à realidade?