domingo, abril 07, 2013

A cerca de meia hora da comunicação do Primeiro Ministro (PM) português à Nação sou levado a pensar que estamos perante o "princípio do fim". Nunca fui, não sou e não me parece que venha a ser uma pessoa fatalista, mas, com a actual geração de políticos temo que muito em breve possa mudar de opinião.
A comunicação do PM acontece dois dias depois de ter sido conhecida a decisão do Tribunal Constituicional (TC) sobre o Orçamento de Estado (OE) para 2013 e um dia depois de ter sido solicitado um encontro entre o mesmo, o actual Ministro das Finanças e o ilustre Presidente da República Portuguesa que, se até este momento teve um papel pouco activo, passou repentinamente a ser um dos protagonistas mais importantes deste delicado momento. Por partes:

1) Não Cumprimento do Memorando de Entendimento assinado com a "Troika": Basicamente uma "carta de compromissos" assumidos pelo Governo Português com os seus congéneres europeus e que tem como grande objectivo a redução do défice. Ou seja, foram elencadas uma série de medidas que visavam o aumento da receita por parte do Estado Português em linha com uma gradual e significativa redução da despesa. Contudo, algumas dessas medidas foram tidas como "anti constitucionais" pelo TC, orgão soberano quanto toca na avaliação da Constituição Portuguesa. Para quem ainda não percebeu bem o que se passou eu explico por outras palavras com um simples exemplo...Eu peço 5 euros ao meu amigo Francisco para poder comprar uma garrafa de leite, pagar a renda da minha casa e durante algum tempo conseguir "manter-me à tona da água" ou seja, até que me seja possível voltar a equilibrar as minhas contas. Logicamente, o Francisco, sendo meu amigo do coração e conhecendo a minha difícil situação financeira, quer saber como é que vou ser capaz de lhe pagar os 5 euros (acrescidos de juros à taxa em vigor) no prazo por nós acordado. Sem problemas de maior informo o meu amigo que estou à espera de receber uma herança choruda de uma tia minha que sei ter falecido na Austrália há uma semana, que vou também fazer um "part-time" nos Arraiolos (para ver se consigo ganhar algum com a venda de tapetes giríssimos) e ainda proveniente da minha colaboração no "call center" onde vou "fazer uma perna" às terças-feiras e quintas-feiras em horário pós-laboral. Lá consigo os 5 euros e assino um papel em que me comprometo que com estas 3 medidas irei pagar no espaço de 3 meses o dinheiro emprestado. Tudo isto seria perfeito se vivêssemos num mundo ideal. Mas não vivemos. Os azares acontecem. Afinal, já não vou receber herança alguma, as inscrições nos Arraiolos estão fechadas desde Janeiro e só aceitam raparigas para o "call center". Resumindo, não vou ser capaz de conseguir o dinheiro para honrar os meus compromissos assumidos com o Francisco. No entanto os custos fixos (o leite, a renda da casa, etc.) mantêm-se. E terei de pedir dinheiro emprestado de novo por forma a conseguir sobreviver. Grosso modo, eu personifiquei o Estado Português e o Francisco o Fundo Monetário Internacional (FMI). Penso que é claro para qualquer pessoa o que está em causa. E pior. Não há "Plano B". E Portugal está de novo à beira do colapso económico tendo sido perdida uma oportunidade de encaixe de 1.300 milhões de euros (4 medidas chumbadas no OE permitiriam esse encaixe).

2) A alternância de governação "viciada": Este será para mim um pormenor de grande importância. Desde o 25 de Abril de 1974 que, em regime de alternância (já não falando das alianças democráticas e governações isoladas), se assiste à partilha da governação de Portugal por dois grandes partidos: o Partido Socialiasta (PS) e o Partido Social Democrata (PSD). Tenho para mim que nenhum dos dois actuais secretários gerais de qualquer um dos partidos seja um político de craveira. Não reconheço tenacidade, resilência ou mesmo um "norte" que permita seguir o bom exemplo irlandês e nos afaste do mau exemplo grego ou cipriota. A questão é pior. É cultural. Esta geração de políticos gosta de usar as palavras como "legado político" para justificar a sua impreparação política e/ou desconhecimento de medidas de fundo que têm de ter tomadas para acabar com os "lobies" instalados dos grandes grupos económicos. É a geração de políticos que prefere passar horas na Assembleia da República (AR) a ofender-se entre as várias bancadas quando devia sugerir medidas de aplicação imediata, consensuais e que conduzissem à alavancagem da situação medíocre em que Portugal se encontra. Por mais tempo que se viva, esta geração de políticos perpetuará a retórica estéril de que quem tem o ónus da situação a que chegámos é o Executivo anterior. Afinal não mais é feito que o habitual "empurrar com a barriga" que os portugueses tão bem sabem fazer. E mais..."o último fecha a porta". Neste caso...as gerações futuras que resolvam o problema. Apenas temos uma garantia..o discurso da culpababilidade é sempre o mesmo. Apenas muda a "forma" como é proferido. E quem o profere.

3) A Oposição: Começo a desconfiar que as felicitações que os líderes partidários endereçam uns aos outros (aqueles que perdem aos que ganham) no rescaldo das eleições é tudo treta. Não estou enganado quando digo que há sempre o "chavão" do..."Estamos disponíveis para colaborar com o Governo eleito no que fôr possível e a bem da Nação". Afinal, nada disso é feito. Mais à frente, quando realmente as coisas "apertam", surge a retórica clássica: "Eu bem avisei que este era o caminho errado". Pergunto eu... é impressão minha ou o líder do maior partido da Oposição vive num País diferente do meu? Não seria natural (e lógico) que houvesse uma tentativa - num momento tão especial como é este - que houvesse uma aproximação de um trabalho conjunto? A um nível não só dos partidos da Oposição, mas também ao nível da AR? Porque não encetar um esforço conjunto entre as várias bancadas em detrimento de legislar cegamente e por vezes com uma clara desadequação à realidade?

1 comentário:

Anónimo disse...

É a 1ª vez que te deixo o meu comentário, já estive tentada a faze-lo, mas não passou de intenção. Desta vez o assunto é muito sério e merece toda a minha atenção.
Vivemos num país pequeno, à beira mar plantado. Somos um povo pacífico e andámos a viver um pouco à margem da realidade, habituados a subsídios e ajudas externas, que como tudo, um dia acabam.
Agora a coisa é séria, a crise instalou-se.
Também não sou fatalista, nem quero ser.
De algum tempo a esta parte, deixei de ver os nossos “telejornais”, não tenho paciência para 1h30m de informação, muitas vezes repetitiva e vazia, mas claro que gosto de estar informada e todos os dias passo os olhos pela Net e leio os jornais e revistas.
Concordo quando dizes que o nosso PR, “até este momento teve um papel pouco activo e passou repentinamente a ser um dos protagonistas mais importantes deste delicado momento.”
Para terminar subscrevo:
“Por mais tempo que se viva, esta geração de políticos perpetuará a retórica estéril de que quem tem o ónus da situação a que chegámos é o Executivo anterior.”
Bjs

P.AZ.