domingo, abril 14, 2013

No outro dia tive oportunidade de utilizar a nossa magnífica e útil rede do metropolitano de Lisboa. Pessoalmente entendo ser o melhor meio de transporte que existe à face do planeta Terra. Pontual (como gosto) e eficiente (assim não nos enganemos na linha e em vez de ir para o Colégio Militar seguirmos para o Cais do Sodré).
Não me irei alongar em muitas considerações sobre a deslocação em si. É igual ao que era há 28 anos atrás. Sem tirar nem pôr. Aliás, acredito que sejam as mesmas carruagens dessa altura, o que até faz algum sentido na medida em que a degradação / exposição das mesmas às condições climatéricas adversas é muito inferior quando se fala no subsolo. Poderá ser esta uma explicação. Ou então são carruagens completamente novas e eu simplesmente não acompanhei esta evolução. Afinal passaram-se anos em que não usei o metro.
Falemos da aquisição / validação do necessário título da viagem. Aqui sim, entendo que deveriam ser promovidas acções de formação por parte do metropolitino de Lisboa para os seus utilizadores. Sou do tempo em que se comprava um bilhete de cartão, amarelado, que era validado num obliterador encarnado. Durante os 10 ou 15 anos que usei regularmente o metro nunca os torniquetes funcionaram eficientemente. Percebi há dias que actualmente não é assim. As coisas funcionam e eu preciso de ter muito cuidado não vão as coisas correr mal para mim e acontecer o que aconteceu no outro dia num centro comercial da capital (o tal maldito mono à entrada das escadas rolantes)...
 No antigamente tratava-se de uma operação que não demorava mais de 2 minutos (desde a aquisição do título de transporte até à sua validação). Actualmente não é bem assim. É preciso seleccionar uma série de opções num écran táctil, sendo que o écran nem sempre responde imediatamente. Daí à minha impaciência é um "fósforo" e começo a praguejar com a máquina e a chamar nomes feios à sua mãe (da máquina).
Naturalmente que o Administrador do metro de Lisboa não usa a rede do metro regularmente. Se assim fosse e tivesse de adquirir o título de transporte nestas máquinas....as coisas não iriam correr bem para quem desenvolveu estas máquinas (ou para quem as mantem). Por razões óbvias. E se o mesmo Administrador padecesse do mesmo problema de impaciência que aqui o escriba padece...pioraria muito substancialmente tudo para o lado das pessoas que menciono acima.
Voltem os títulos de cartão e os obliteradores encarnados!

Sem comentários: