domingo, junho 30, 2013

Ser descontraído

Ser mais descontraído. Ora aí está mais um (entre tantos outros) defeitos que usualmente me são apontados.
O ser descontraído, na minha leitura e perspectiva simplista das coisas passaria, para começar, por usufruir mais o momento. O tal "carpe diem". Talvez passe por não viver tão tenso no dia-a-dia. E esse parece-me ser um exercício tão bom quanto o correr 10 km com as cuecas do fato de banho cheias da areia grossa da praia. Tem piada? É a mesma piada que eu vejo quando me falam em pensar em ser mais descontraído. A parte boa é que fazia um "peeling" gratuito nas partes baixas...
Não me imagino com aquelas calças (cintura descaída) que a canalha agora usa e que parece ter a fralda suja. Analogamente não me consigo imaginar a fazer uma noitada a uma 5ª Feira e ir trabalhar na 6ª Feira de manhã. Aliás, em bom rigor, só o pensar em deitar-me de dia faz com que fique com os pelos (poucos) do peito todos arrepiados. E o rol de exemplos poderia continuar perpetuamente.
Mas há mais. Muita gente diz-me (e acredito que com a melhor das intenções) para tentar descontrair e viver o momento. É um chavão, lamento informar. É o mesmo que dizer para ir raspar as unhas da mão direita numa placa de mármore ou ir passar a língua no ralador de cenoura da minha mãe. Só para experimentar a sensação. Não custa nada. As coisas não acontecem porque sim. E muito menos porque alguém acha que devemos descontrair "naquele" momento. É preciso tempo. Jamais comecei a dançar de forma lânguida numa coluna de uma discoteca por alguém me disse que devia dançar.
Há vários factores que concorrem para que a pessoa seja (ou nem por isso) mais descontraída. Mas por vezes até consigo ser. Nessas vezes sou gozão. Embora utilize um humor acutilante e que apenas quem me conhece muito bem percebe. É um misto de humor negro com sarcasmo e alguma pitada de sadismo à mistura. Mas que no final tem um resultado magnífico e digno do meu muito restrito repertório de piadas e afins.
Veremos o que me reserva o futuro. Positivismo não me falta. Resta saber se haverá paciência!

domingo, junho 23, 2013

Sou uma pessoa com um reduzidíssimo poder de encaixe. Ou nulo, para ser mais rigoroso. Faço parte daquele grupo de pessoas que acaba por se sentir frequentemente injustiçado e,  aliado ao facto de ser sensível, as coisas só podem correr mal.
Começo a perceber que é muito fácil aumentar o tal poder de encaixe. Como? De uma forma muito simples. Praticando um exercício diário de "desvalorização" dos erros e/ou omissões dos outros. Vou certamente deixar de me preocupar com os atrasos da generalidade das pessoas. Devo ser a única pessoa do planeta Terra que fica com afrontamentos quando penso em atrasar-me 5 ou 10 minutos. Afinal, vivo em Portugal e 1600H podem ser 1605H ou 1610H que não virá mal ao mundo por isso. Vou também deixar de me irritar quando se enganarem em 5,00 € nos trocos de algo que acabei de pagar. O que são 5,00 €? Nada. Aliás, o ideal mesmo será desenvolver o espírito de abnegação de qualquer valor material. Seja ela qual fôr. Também não me parece que faça qualquer sentido ficar impaciente nas filas das repartições públicas ou lojas. Afinal, e mesmo que os clientes já tenham resolvido os seus problemas e queiram falar com os funcionários / empregados de outros assuntos que nada têm que ver com o(s) motivo(s) que os levaram ali, terei de respeitar o seu tempo de conversa. Especialmente se fôr na hora do almoço (quando não tenho outra oportunidade de resolver um determinado assunto). É perfeitamente normal que seja esta a forma de pensar de 90% da população activa portuguesa. Aliado ao facto dos cafés , cigarros e outros interessantíssimo focos de interesse ao longo de um dia de trabalho...percebo também o porquê da minha amiga Merkel dizer que os portugueses trabalham pouco e gozam muitas férias. 
A pior coisa que me podem fazer, e já aqui o disse anteriormente, é serem injustos comigo. Porquê? Porque o chamado "sentido de justiça" é daquelas coisas que mais presente tenho. Quem me conhece bem também sabe que tenho variadíssimos defeitos. Dezenas deles. Bem sei e diariamente tenho trabalhado em duas frentes de ataque: ou no sentido de resolver os problemas ou no sentido de minimizar a  impactância nas relações que tenho com as pessoas com quem lido. Às vezes corre melhor, outras vezes nem por isso. Naquelas vezes em que as coisas não correm bem tento, de alguma forma, perceber qual a melhor forma de gerir a minha forma de estar ou agir com essa pessoa. Por outras palavras, avalio o "potencial" que determinado relacionamento tem, ou que poderá vir a ter para que eu cresça enquanto pessoa. Esse é e será sempre o meu objectivo final em relacionar-me com alguém. E só assim concebo apostar em algo. 
A mesma lógica de raciocínio se aplicará quando percebo que o tal "potencial" de um determinado relacionamento é nulo ou próximo disso. E pior. Quando percebo que as pessoas não conseguem (ou querem) perceber essa realidade. Aí a situação assume contornos diferentes e sinceramente, não tenho vocação para ensinar nada a ninguém. Já lá vai o tempo em que o fiz. Normalmente, e nestas situações concretas, acabo por me afastar e achar que é melhor que cada um siga a sua vida. Penso desta forma. E cada vez mais frequentemente reconheço que, infelizmente, as pessoas não valem o meu tempo. Ou por outra...não o merecem.

domingo, junho 16, 2013

Fui há poucos dias ao jardim zoológico. Há muitos anos que não visitava este importante espaço (que sinceramente espero que perdure por muitos e muitos anos) e desta feita decidi lá ir por ocasião da (inesperada) vinda do meu afilhado ao continente. 
Esta minha visita a um dos mais emblemáticos jardins da capital de Portugal revestiu-se de uma série de sensações contraditórias. Começando (e culminando) no facto de suspeitar que vibrei mais com a visita que o meu sobrinho. Mas isso já seria de esperar dada a sua tenra idade.
O jardim zoológico de hoje é naturalmente diferente do "meu" jardim zoológico de há 30 anos atrás. Parece-me lógico. Não bebi um compal de pêra acompanhado de uma calórica sandes de queijo com fiambre e manteiga enquanto gozava com os orangotangos. Não bati nos vidros das cobras e não injuriei as progenitoras dos leões (até porque estavam a fazer uma bela soneca ao sol) como fazia em tempos idos.
Esta visita ao jardim zoológico tinha como grande objectivo perceber (e ver logo ali) as reacções que o meu afilhado iria ter ao "ver o que eu via". Interessava-me perceber as suas reacções ao ver animais que com toda a certeza não vê no quotidiano. Confesso que estava muito expectante nesse sentido. Contudo, e repetindo-me, derivado do facto de ainda ser muito novo, não consegui desviar o seu interesse do meu "magnum" de chocolate para uma simpática girafa que se deliciava com umas folhas de uma árvore da altura de um prédio de 3 andares.
A minha primeira sensação que quero aqui partilhar tem que ver com o facto das entradas no jardim zoológico não serem baratas. Nada mesmo. Ainda que o conceito de "pague-uma-vez-e-não-paga-mais-nada" seja prático...não deixa de ser caro. E quando falo de caro...falo de qualquer coisa como quase 70 euros para 4 adultos. Isto remete-me para um pensamento imediato sugerindo-me que muitas crianças portuguesas não irão certamente ter a oportunidade de conhecer espécies animais exóticas porque infelizmente "sai" do orçamento de muitas famílias. Um preço caro que se paga e resultado do aumento do custo de vida que não é acompanhado por incrementos salariais (perda de qualidade de vida).
A segunda sensação está associada ao espectáculo dos golfinhos e leões marinhos. Nunca tinha assistido. É engraçado. A apresentação é muito interactiva com o público e passam-se ali uns bons momentos. Embora tenha achado que a dada altura...satura um bocado. Mais do mesmo.
Na altura em que ía ao jardim zoológico, há muitos anos atrás, calcorreava tudo a pé. Cada "cm". Não havia canto que não conhecesse. Contudo, desta vez, optei pela utilização do teleférico. Um percurso aéreo que demora cerca de 20 minutos. E isto leva-me à terceira sensação. Não é a mesma coisa de há uns anos. A visita do teleférico é simpática e interessante para quem tem alguns problemas de mobilidade para longas distâncias, não tem vertigens e consegue entrar para a "cesta" de transporte em movimento. Nem todas as pessoas conseguem satisfazer estes 3 requisitos em simultâneo. Depois deste passeio aéreo...ficou por ver pouca coisa que rapidamente se vê a pé.
Uma tarde bem passada...mas sem o sabor de há muito tempo..

domingo, junho 09, 2013

Diz o adágio popular que "Quando a esmola é muita o pobre desconfia". Eu desconfio. De várias coisas, especialmente quando percebo a panaceia vendida pelos grandes grupos económicos aos orgãos de comunicação social e que depois, naturalmente, é vendida ao consumidor final, nós, a arraia-miúda se quiserem. Falo do despedimento de vários(as) e simpáticos(as) portageiros(os) para dar lugar aos fantásticos e galacticamente eficientes terminais electrónicos de pagamento.
Importa referir antes de continuar que percebo muito bem o conceito subjacente à existência de um terminal de pagamento, ou seja, das portagens. É um conceito ao alcance do entendimento do meu sobrinho (não tem ainda dois anos). Se pretendo deslocar-me de "A" para "B", de forma rápida e cómoda não vou naturalmente optar por um itinerário nacional onde certamente encontrarei a circular todas as companhias da camionagem da europa do Sul. Opto logicamente pela auto-estrada. Mas essa minha opção pelo comodismo tem associado um custo. Porquê? Porque estas vias de comunicação não se mantêm sozinhas. É necessário um investimento (i.e. beneficiação do pavimento degradado, guardas laterais, paineis de insonorização, etc.) por parte das concessionárias (entidades privadas a quem o Governo reconhece o direito da exploração durante um certo período de tempo). Muito avultado. Daí a necessidade de aplicação do princípio de "utilizador-pagador". Faz sentido. No "final do dia" paga a auto-estrada quem a utiliza.
De há uns 4 anos para cá algumas coisas mudaram. Para começar os lucros que algumas concessionárias têm. E que anualmente "se esquecem" de comunicar. Dá algum jeito convenhamos. O exemplo da Ponte Salazar (também conhecida como Ponte 25 de Abril que já está paga há mais de 10 anos, mas cujo pagamento de travessia ajuda a pagar a outra ponte maior - Vasco da Gama). Depois, quando é "descoberta" a tramóia as concessionárias avançam com desculpas baseadas em teorias da conspiração e/ou remetem para um clausulado contratual elencado numa altura em que os 3 pastorinhos ainda não tinham avistado Nossa Senhora e sempre com um claro beneficiário...quem? As próprias concessionárias. Já para não referir que os contratos deverão certamente ter sido assinados depois de uma valente noite de farra. Bem regada, entenda-se.
A minha questão não está relacionada com os lucros "zilionários" que os grandes grupos económicos têm. Mal ou bem, estou certo que saberão "levar a água ao seu moinho" e mais milhão menos milhão...não ficarm a perder. Penso nas pessoas que ficarem sem emprego para estas máquinas estúpidas. Penso que quem as projectou/instalou nos parques das portagens não deve ter carros ligeiros em casa. Deve ter camiões TIR com rodas do tamanho de um tractor. Só há uma pessoa neste planeta Terra que não consegue alinhar o carro com o murete onde está instalada a máquina, e das duas uma: ou põe metade do corpo pela janela ou tem de abrir a porta para pagar (apanhando chuva, vento e dando espectáculo gratuito para os condutores atrás). Já não falando na dificuldade enorme em atinar com a inserção das moedas na ranhura. Pois bem, eu sou essa pessoa. Em 10 vezes que usei estes terminais de pagamento feitos no Inferno nenhuma delas correu bem. Melhor. Numa delas a moeda caiu para baixo do carro. Foi um espectáculo delicioso para quem estava atrás de mim. Ver um homem de barba rija a espumar e à beira de um colapso cardíaco deve ser algo ímpar. E digno de ser colocado no "youtube". Na volta filmaram e sou internacionalmente conhecido.
Detesto estas máquinas com a voz monocórdica da Alice. A Alice é feia. Voltem amigos(as) portageiros(as)!

domingo, junho 02, 2013

Há pouco ouvi na televisão alguém mencionar a palavra "castigo" e é precisamente esse o tema da minha dissertação de hoje. 
Começo esta partilha dando nota da minha dúvida que exista alguém (vivo) que tenha sido mais vezes castigado que eu. Vivo porque morto não interessa nada para a conversa. Muitas colheres de pau partidas aqui neste rabiosque, muita "galheta" (ou também conhecidas por bofetões) ou ainda os olhares que "queimavam", doendo mais do que tudo aquilo que já referi. Experimentei de tudo. Durante eternidades. Mas estou aqui. Rijo. E com saúde para vender.
Não há uma fórmula infalível para se educar uma criança/adolescente. Toda e qualquer "corrente" que se siga é, a dado momento, sujeita a algum factor exógeno que faz com que o fundamento teórico dessa "corrente" tenha de ser repensado. O "meio social" em que a criança/adolescente cresce é sem dúvida alguma uma pressão importante a ter em mente. Uma pressão "especial" na medida em que poderá condicionar determinados comportamentos e/ou valores transmitidos em casa. 
Não tenho de memória que tenha conhecido alguém durante esta minha curta existência neste mundo e que tenha começado a fumar à mesa, aos 13 anos, com os pais, depois do jantar. Mas já não será tão despropositado que alguém o tenha feito atrás de um edifício lá da escola dando as primeiras passas num cigarro. Hoje em dia não sei como será. No meu tempo era mais fácil, porque o único segurança que havia era coxo e para chegar ao local onde a canalha se reunia para fumar demorava duas semanas. Mas não foi na escola que dei as primeiras passas. Outro dia conto essa história.
Cresci num meio normalíssimo com tudo aquilo que quis ter. Menos a mota, mas já aqui escrevi sobre isso. Acontece que tal como refiro acima, a pressão social do grupo no qual estava inserido obrigava-me, não raro, a ter determinados comportamentos que colidiam frontalmente com a linha de educação transmitida lá em casa. E aí começavam as colheres de pau a aquecer-me as calças. Ou então outro tipo de castigo com efeitos bem mais destrutivos - não sair de casa, nas noites de Verão durante "X" tempo. Isso sim, para este pobre espírito errante era deveras castrador.
Hoje em dia compreendo o porquê de tanto momento doloroso que literalmente experimentei durante largos anos. Em primeiro lugar permitiu aclarar-me as ideias sendo um "abre-olhos". Em segundo lugar porque em determinados momentos evitaram que tivesse feito escolhas que me poderiam ter custado caro. Em terceiro e último lugar porque concordo integralmente com um bofetão dado na altura certa. Lamentavelmente não acredito em linhas de educação em que não se chega a roupa ao pêlo. Sou um retrógrado confesso, eventualmente. Mas também sou a prova viva que a lembrança do calor do bofetão faz um puto de 13 anos pensar 4 vezes se lhe apetece mesmo faltar à aula de religião e moral.Não que eu tenha faltado às aulas de religião e moral da D. Amélia. Ou que fizesse gazeta. Nunca foi o meu género. Mas tiro o chapéu a quem consegue "domar" um adolescente de 14 anos, com o "sangue na guelra" e levando tudo sempre na desportiva. Devo conhecer 2 ou 3 casos de pais que o conseguem. Feito único. E que comigo não resultou!