domingo, junho 09, 2013

Diz o adágio popular que "Quando a esmola é muita o pobre desconfia". Eu desconfio. De várias coisas, especialmente quando percebo a panaceia vendida pelos grandes grupos económicos aos orgãos de comunicação social e que depois, naturalmente, é vendida ao consumidor final, nós, a arraia-miúda se quiserem. Falo do despedimento de vários(as) e simpáticos(as) portageiros(os) para dar lugar aos fantásticos e galacticamente eficientes terminais electrónicos de pagamento.
Importa referir antes de continuar que percebo muito bem o conceito subjacente à existência de um terminal de pagamento, ou seja, das portagens. É um conceito ao alcance do entendimento do meu sobrinho (não tem ainda dois anos). Se pretendo deslocar-me de "A" para "B", de forma rápida e cómoda não vou naturalmente optar por um itinerário nacional onde certamente encontrarei a circular todas as companhias da camionagem da europa do Sul. Opto logicamente pela auto-estrada. Mas essa minha opção pelo comodismo tem associado um custo. Porquê? Porque estas vias de comunicação não se mantêm sozinhas. É necessário um investimento (i.e. beneficiação do pavimento degradado, guardas laterais, paineis de insonorização, etc.) por parte das concessionárias (entidades privadas a quem o Governo reconhece o direito da exploração durante um certo período de tempo). Muito avultado. Daí a necessidade de aplicação do princípio de "utilizador-pagador". Faz sentido. No "final do dia" paga a auto-estrada quem a utiliza.
De há uns 4 anos para cá algumas coisas mudaram. Para começar os lucros que algumas concessionárias têm. E que anualmente "se esquecem" de comunicar. Dá algum jeito convenhamos. O exemplo da Ponte Salazar (também conhecida como Ponte 25 de Abril que já está paga há mais de 10 anos, mas cujo pagamento de travessia ajuda a pagar a outra ponte maior - Vasco da Gama). Depois, quando é "descoberta" a tramóia as concessionárias avançam com desculpas baseadas em teorias da conspiração e/ou remetem para um clausulado contratual elencado numa altura em que os 3 pastorinhos ainda não tinham avistado Nossa Senhora e sempre com um claro beneficiário...quem? As próprias concessionárias. Já para não referir que os contratos deverão certamente ter sido assinados depois de uma valente noite de farra. Bem regada, entenda-se.
A minha questão não está relacionada com os lucros "zilionários" que os grandes grupos económicos têm. Mal ou bem, estou certo que saberão "levar a água ao seu moinho" e mais milhão menos milhão...não ficarm a perder. Penso nas pessoas que ficarem sem emprego para estas máquinas estúpidas. Penso que quem as projectou/instalou nos parques das portagens não deve ter carros ligeiros em casa. Deve ter camiões TIR com rodas do tamanho de um tractor. Só há uma pessoa neste planeta Terra que não consegue alinhar o carro com o murete onde está instalada a máquina, e das duas uma: ou põe metade do corpo pela janela ou tem de abrir a porta para pagar (apanhando chuva, vento e dando espectáculo gratuito para os condutores atrás). Já não falando na dificuldade enorme em atinar com a inserção das moedas na ranhura. Pois bem, eu sou essa pessoa. Em 10 vezes que usei estes terminais de pagamento feitos no Inferno nenhuma delas correu bem. Melhor. Numa delas a moeda caiu para baixo do carro. Foi um espectáculo delicioso para quem estava atrás de mim. Ver um homem de barba rija a espumar e à beira de um colapso cardíaco deve ser algo ímpar. E digno de ser colocado no "youtube". Na volta filmaram e sou internacionalmente conhecido.
Detesto estas máquinas com a voz monocórdica da Alice. A Alice é feia. Voltem amigos(as) portageiros(as)!

1 comentário:

Anónimo disse...

Qdo Gostas ou não gostas, não mudas por nada, és fiel as tuas convicções.
Gosto disso.
Bj

PAz