domingo, junho 02, 2013

Há pouco ouvi na televisão alguém mencionar a palavra "castigo" e é precisamente esse o tema da minha dissertação de hoje. 
Começo esta partilha dando nota da minha dúvida que exista alguém (vivo) que tenha sido mais vezes castigado que eu. Vivo porque morto não interessa nada para a conversa. Muitas colheres de pau partidas aqui neste rabiosque, muita "galheta" (ou também conhecidas por bofetões) ou ainda os olhares que "queimavam", doendo mais do que tudo aquilo que já referi. Experimentei de tudo. Durante eternidades. Mas estou aqui. Rijo. E com saúde para vender.
Não há uma fórmula infalível para se educar uma criança/adolescente. Toda e qualquer "corrente" que se siga é, a dado momento, sujeita a algum factor exógeno que faz com que o fundamento teórico dessa "corrente" tenha de ser repensado. O "meio social" em que a criança/adolescente cresce é sem dúvida alguma uma pressão importante a ter em mente. Uma pressão "especial" na medida em que poderá condicionar determinados comportamentos e/ou valores transmitidos em casa. 
Não tenho de memória que tenha conhecido alguém durante esta minha curta existência neste mundo e que tenha começado a fumar à mesa, aos 13 anos, com os pais, depois do jantar. Mas já não será tão despropositado que alguém o tenha feito atrás de um edifício lá da escola dando as primeiras passas num cigarro. Hoje em dia não sei como será. No meu tempo era mais fácil, porque o único segurança que havia era coxo e para chegar ao local onde a canalha se reunia para fumar demorava duas semanas. Mas não foi na escola que dei as primeiras passas. Outro dia conto essa história.
Cresci num meio normalíssimo com tudo aquilo que quis ter. Menos a mota, mas já aqui escrevi sobre isso. Acontece que tal como refiro acima, a pressão social do grupo no qual estava inserido obrigava-me, não raro, a ter determinados comportamentos que colidiam frontalmente com a linha de educação transmitida lá em casa. E aí começavam as colheres de pau a aquecer-me as calças. Ou então outro tipo de castigo com efeitos bem mais destrutivos - não sair de casa, nas noites de Verão durante "X" tempo. Isso sim, para este pobre espírito errante era deveras castrador.
Hoje em dia compreendo o porquê de tanto momento doloroso que literalmente experimentei durante largos anos. Em primeiro lugar permitiu aclarar-me as ideias sendo um "abre-olhos". Em segundo lugar porque em determinados momentos evitaram que tivesse feito escolhas que me poderiam ter custado caro. Em terceiro e último lugar porque concordo integralmente com um bofetão dado na altura certa. Lamentavelmente não acredito em linhas de educação em que não se chega a roupa ao pêlo. Sou um retrógrado confesso, eventualmente. Mas também sou a prova viva que a lembrança do calor do bofetão faz um puto de 13 anos pensar 4 vezes se lhe apetece mesmo faltar à aula de religião e moral.Não que eu tenha faltado às aulas de religião e moral da D. Amélia. Ou que fizesse gazeta. Nunca foi o meu género. Mas tiro o chapéu a quem consegue "domar" um adolescente de 14 anos, com o "sangue na guelra" e levando tudo sempre na desportiva. Devo conhecer 2 ou 3 casos de pais que o conseguem. Feito único. E que comigo não resultou!

1 comentário:

Anónimo disse...

Adorei este post e fartei me de rir...
A frontalidade com que falas da tua adolescência, os bofetões que levaste, as colheres de pau que partiste nesse rabiosque...
Tb acho que uma palmada, um castigo ou até só um olhar aterrador não fazem mal a ninguém, antes pelo contrario, mostram nos que há regras a cumprir.
Se a consequência foi ficares "rijo" e "com saúde para vender", quer dizer que o trabalho foi bem feito...
Bj

PAz