domingo, julho 07, 2013

Ser novo no trabalho...

Há alguns anos atrás, tendo eu iniciado há pouco tempo a minha actividade profissional (naturalmente inseguro), questionei um colega com quem trabalhava o que achava da minha prestação no trabalho. A já na altura mania do perfeccionismo fez com que impetuosamente colocasse esta questão um par de meses depois de ter começado este trabalho.
Naquela altura, e por necessidade dessa empresa, a minha qualificação técnica (engenheiro) fazia com que eu, após assistir à realização de determinado trabalho, o assinasse, embora nem sempre fosse o executante.
Essa imberbe insegurança custou-me caro. Ouvi aquilo que queria e aquilo que não queria. Para alguém recentemente entrado no mundo do trabalho considerei duro. Por outro lado, considerei lúdico e profiláctico. Porquê? Porque funcionou sem dúvida alguma como um "abre olhos" e mostrou-me que, por muito que pensemos que estamos a agir correcta e de forma profissional...pode não ser essa a imagem que as outras pessoas têm de nós. E naqueles primeiros meses em que alguém está a trabalhar numa empresa nova a sua prestação é naturalmente tida em conta por quem manda...
A questão que coloquei ao meu colega fez com que "desse o flanco". Para quem anda mais distraído(a), "dar o flanco" significa que se deixa de ter "ajudas" ou "protecção".  É necessário que se esteja devidamente preparado(a) para obter como resposta um elogio ou uma crítica que pode não ser necessariamente boa. Sim, poderá mesmo ser depreciativa. E isso poderá ferir a sensibilidade de algumas pessoas. As mais sensíveis. Há aquelas pessoas a quem nunca passaria pela cabeça questionar tal coisa, há outras pessoas que desvalorizariam de imediato qualquer resposta menos boa e ainda há aquelas que tentariam melhorar a sua prestação. Enveredei por este último caminho. E consegui, ao longo do tempo e com a práctica de alguns exercícios, melhorar em alguns aspectos.
Tomara que muitas pessoas tivessem a clareza de espírito de questionar os seus colegas sobre a forma como os vêem. Um bom amigo não é necessariamente um bom profissional. E o recíproco também é verdade. Por vezes, creio que há alguma cerimónia em apontar os defeitos aos amigos. Especialmente se são nossos colegas. Haverá sempre o receio de dizer algo que possa ser mal interpretado e que possa conduzir a um beliscão na relação. Sou completamente contrário a esta visão das coisas. E algo redutora. A dizer algo, que seja dito sempre de forma construtiva e com o claro objectivo de melhorar a prestação profissional desse(a) amigo(a). A amizade sairá mais fortalecida. E certamente agradecida.

2 comentários:

Anónimo disse...

Ser novo no trabalho:
Ser perfeccionista...
Ouvir um elogio ou uma critica e melhorar a sua prestação...
Traduzido isto dá:
Dar o nosso melhor...e mais um bocado...
Crescer enquanto profissional e enquanto pessoa...
Tens nota 10.
Bj

PAz

Anónimo disse...

Se há algo que aprendi à minha custa, é de que é impossível ser chefe/ amigo(a), em alguma altura vai ser necessário uma chamada de atenção, um reparo, uma imposição e isso naturalmente não cai bem (a critica negativa, nunca cai), aí surgem os melindres, sentimentos de injustiça e o fim da amizade acontece.
Em geral as pessoas só trabalham com o incentivo da cenoura ou no estalo do chicote, passam a vida a lamentar-se, mas não funcionam de outra forma. O papel da vilão(ã) ditador(a), não é agradável, mas é necessário, é isto, ou trabalhar no meio de “anarquistas”.