domingo, setembro 22, 2013

Acompanhei de perto nas últimas semanas o processo de entrega de uma cadela (cachorra com 2 meses) por via da dona não ter vida para cuidar dela. 
Falo com conhecimento de causa na medida em que acompanhei (ao telefone) o processo de adopção desde o início, a euforia da visita ao criador, os olhos da cachorra que brilhavam e pediam para a levar, etc..O normal. Já naquela altura, e sendo muito incisivo de assertivo como vem sendo hábito, comentei que um cão muda a vida das pessoas e que por muito que esta pessoa gostasse de animais não recomendava (conhecendo a sua vida pessoal/profissional) que levasse a cachorra para casa. Fez exactamente o contrário. Seguiu o seu impulso e vontade do filho. E conseguiu aguentar 2 meses com a cadela em casa. Resultado...entregou agora a cadela com o coração partido e com o filho em lágrimas porque não queria que a cadela se fosse embora. Embora durante o tempo em que a cachorra esteve lá em casa todas as tarefas de cuidar dela fossem responsabilidade da mãe...
Desculpar-me-ão as pessoas mais sensíveis, mas isto é algo que tenho de partilhar na medida em que não consigo entender ou compreender por muito que tente. Valorizo e respeito quem me diz que gosta de animais mas que não tem tempo ou espaço para cuidar dos mesmos Já não entendo muito bem quem vai buscar um cão, "experimenta" dois meses e como dá muito trabalho entrega o mesmo a alguém. Não é correcto. Há laços (bilaterais, na medida em que o animal também os cria com os seus donos) que do nada são quebrados.
O Paco é o meu segundo cão como sabe quem me conhece há uns anos. Tive outro, há alguns anos atrás, o Kaiser (pastor alemão) que muitas alegrias me deu. Partiu para um mundo melhor e deixou muitas saudades cá em casa. Consequentemente durante muitos anos não entrou cá em casa mais nenhum cão porque ainda estava muito presente a dôr da partida do nosso amigo e daquele que foi um membro da nossa família.
Quando decidi ir buscar o Paco fi-lo conscientemente. Sabia que iriam voltar os passeios de madrugada (quer de manhã, quer de noite). Quer fizesse Sol ou chuva. Não me interessa para nada as condições climatéricas. O bicho tem de passear e eu tenho de o fazer com ele. Se está a chover visto um casaco com capuz ou levo um guarda-chuva. Se estiver vento levo um um corta-vento ou uma camisola. O que não faz qualquer sentido é que o cão não seja passeado. E cá em casa o Paco é também tratado como um membro da família. Merecendo todo e qualquer respeito por essa condição. Posso adiantar que o "meu" jipe é afinal dele. É o meio de transporte que gosta (não gosta dos outros carros). Também posso adiantar que há visitas que deixaram de o ser (vir cá a casa) porque o Paco não tem de ficar preso numa divisão da casa quando há visitas. Anda por onde quer. Não dorme (nem nunca dormiu) na rua. Por isso já se percebe onde estamos.
Entendo que as pessoas que têm este tipo de vontades ou que seguem impulsos deviam ponderar melhor as suas decisões. Se não têm vida/tempo para cuidar de um animal...não o vão ver. E mais...não embarquem na ideia idílica de que as coisas "depois arranjam-se". E mais...quem nunca teve um cão deve ler muito sobre a forma como a vida se altera quando a família aumenta. Eu fi-lo e como tal, foi de forma responsável que fui buscar os meus dois cães. E que sempre me mereceram o melhor e total dedicação. Afinal....quem os retirou da companhia da mãe e irmãos(ãs) fui eu. Não foram eles que pediram para vir cá para casa!! É assim que penso. 

2 comentários:

zé vida disse...

Quase passei ao lado,mas este artigo merece mesmo um comentario:tens toda a razao no que dizes,gostei mesmo do que escreveste,nao tem sentido actuar de outra forma no que toca a adocao de animais.

Anónimo disse...

Qdo adquirimos um animal passamos a ter mais um elemento na família, pensar de outra maneira não faz sentido, para mim.
No ano passado em Agosto, tinha o meu bichinho nove meses, fui de férias e achei que ele ainda era muito pequenino para ficar sozinho, resolvi deixá-lo em casa de familiares (estou a falar de um Labrador, mas era um bebé, sim)...nunca tinha feito isto...as outras bichinhas que tive sempre ficaram cá em casa e vinha alguém tratar delas...desta vez achei bem fazer assim, mas bastou regressar de ferias para perceber que foi um erro...nunca mais...o cão achou que tinha sido abandonado, quando percebeu que ia regressar a casa, ficou completamente baralhado, só faltava perguntar...és mesmo tu, vais levar-me de volta para casa?
Agora vou de férias, como fiz este ano, mas o cão fica em casa, fica muito mais tranquilo...
Isto só para perceber até que ponto se criam laços entre as pessoas e os animais...
Beijo.

PAz