domingo, setembro 15, 2013

"Fanfan"

Li em dois dias um livro chamado "Fanfan" que teve o dom de me fazer rever vários modelos que tinha como dogmas. Além disso acordou-me para várias realidades quotidianas que se vivem comummente nos relacionamentos actuais.
Já aqui falei na "chama" da relação entre duas pessoas. Sim, essa "chama" que existe no início das relações até, sensivelmente (assim sejam as relações sérias) ao terceiro, quarto e porque não quinto ano de relacionamento. A partir desse momento...é necessário que haja uma boa dose de criatividade (de parte a parte) para que as coisas continuem e não se vá procurar "fora" de casa o que não se tem "dentro" de casa. E isso pode acontecer quer do lado masculino, quer do lado feminino. Não tenho qualquer dúvida. Talvez as mulheres o façam de forma mais inteligente e não se denunciem de forma tão infantil e estúpida como os homens, mas também o fazem.
O livro aborda vários temas: a traição (consentida), o adultério e um aspecto que nunca tinha pensado, mas que faz algum sentido perpetuar - o prelúdio dos relacionamentos. A fase em que a "chama" está sempre presente.
Na óptica do autor do livro, o prelúdio dos relacionamentos pode (e deve) ser perpetuado para sempre, ou seja, só assim consegue o autor amar de forma igual aquela mulher que deseja para a eternidade cósmica. Nem que para tal tenha de sacrificar violentamente a sua vontade e controlar-se para não ceder às tentações carnais sempre que avista a sua amada. A definição de paixão platónica, pois então.
Como refiro no início deste texto, foi durante este final de semana que passei algum tempo a pensar neste tema. Na realidade, as coisas sucedem a uma velocidade estonteante que pouco ou nada tem de compatível com a mensagem que o livro pretende transmitir. Quantos de nós pensamos nisto quando estamos verdadeiramente interessados em alguém? Poucos ou nenhuns será a resposta honesta e sincera. Porquê? Porque muitas vezes a carência afectiva/física fala mais alto e o envolvimento físico acaba por se precipitar. O que poderá eventualmente conduzir, mais à frente, ao arrependimento e/ou vazio emocional. Mas como diria alguém sábio "faz parte da experiência de vida cair para depois se levantar". E neste caso acho que faz muito sentido esta frase. É necessário que passemos por várias experiências, nos arrependamos, para depois rever todo o percurso realizado e melhorar em certos pontos. O perpetuar do "período de graça" (ou prelúdio da relação) será portanto o grande objectivo. Resta saber quem é que consegue, nos dias que correm, viver relações platónicas...e fazer com que o "outro lado" também compreenda e o queira!

"Urbanathlon 2013"

Participei ontem numa prova (corrida 10K + 10 obstáculos) organizada pela revista "Men´s Health". Muito grande foi a publicidade aos embaixadores e embaixadoras da prova - caras conhecidas do "jet set" - o que naturalmente me fez criar uma expectativa bastante elevada em torno desta prova à qual cheguei com princípio de taquicardia de tão excitado estava. Confesso que não me preparei especificamente para a mesma, mas dei especial atenção a alguns grupos de músculos que sabia que seriam "recrutados"para a realização da mesma (e.g.: pernas, braços, peito, ombros). 
A prova estava dividida em dois grandes grupos de participantes: os singulares e as equipas. Eu estava integrado no segundo grupo, com uma equipa constituída por 5 elementos. Logicamente que o grupo dos participantes singulares partiu em primeiro lugar e o grupo das equipas em segundo lugar. 
Teoricamente deveria haver uma distância temporal de 10" que separaria a saída dos dois grupos. Acabou por ser de 15", sendo que a espera para a partida do meu grupo foi conseguida debaixo de uma temperatura exterior que rondava os 30ºC. Já se imagina a vontade que tive de enfiar o microfone dos animadores "num-sítio-da-sua-anatomia-onde-o-Sol-não-chega". Mas estoicamente resisti a esta (e outras) ideias dignas de requintes de malvadez e lá comecei a correr. Entre 1000 e poucas pessoas. Um bom exercício que convido o(a) meu/minha amigo(a) a efectuar comigo é imaginar este "magote" de 1000 pessoas a chegar a um obstáculo. Curioso como o verbo "afunilar" surge rapidamente na minha mente. Lógico. Já tinha referido que se tratava de uma prova cronometrada? Não? Mas era. Sendo um prova cronometrada já se imagina que comecei (e todos os outros participantes) logo a bufar porque quem ía à frente não era expedito a saltar para dentro de um contentor de entulho (sendo que era um dos obstáculos) com água pelo joelho...Adiante.
A organização desta prova, de forma muito amadora (diga-se em abono da verdade), não previu que num dia quente (e em esforço físico intenso como é o da corrida e transposição dos obstáculos) a procura da água seria bastante grande. A primeira distribuição da água só teve lugar ao fim de 6,5K e cada concorrente só podia levar uma garrafa pequena de água. A segunda distribuição de água já acontece aos 8,4K, ou seja, na meta. Mas...esperem lá, poderão perguntar...8,4K? Sim, é verdade. Mais uma "partida" da organização. Uma prova que foi "vendida" como sendo de 10K teve uma distância total de menos 1,6K. Faz diferença. Toda, arriscaria a dizer.
Mas há mais (incrível, não é? Um dos obstáculos consistia num camião estacionado a meio de uma pista de areia. Num dos lados de camião havia uma rede de desembarque que permitia subir ao topo do mesmo e do outro lado havia também uma rede que permitia a descida do mesmo. No topo do camião, um contraplacado que cede com o pêso dos participantes. Sem comentários.
Importa referir que há pessoas que independentemente do objectivo da prova ser a confraternização e a prática do exercício físico...levam a mesma muito a sério. É legítimo e compreendo-os(as) perfeitamente. Mas coloquemo-nos "na pele" destas pessoas. Fará algum sentido que uma determinada pessoa que (ainda que participe na prova a título amador), perfaça a mesma com um elevado rendimento, cronometre a sua prova e fique abaixo dos 60" no seu relógio...e apareça na lista geral com um tempo de 240" (4 horas)? É humilhante e francamente frustrante.  A título de exemplo, e para concluir, posso adiantar que numa prova que tive oportunidade de realizar no início deste Verão - e com muito menos publicidade, sem "embaixadores e embaixadoras jet set" as coisas correram na perfeição. Água e fruta (bananas) em abundância e ao longo de todo o percurso da prova. Lembranças com piada oferecidas no final da prova...Enfim...duas provas com o mesmo propósito e com resultados antípodas. 

4 comentários:

Anónimo disse...

Não tome o certo porque por vezes pode ser o incerto e se alguém disser que sim a esse Amor , sendo Platónico ou não, corra atrás .. É Amor verdadeiro
Boa Sorte

Anónimo disse...

Esse livro Fanfan pode levar a interpretar várias formas de ver os relacionamentos. Mas uma coisa é certa, só quem vive intensamente o relacionamento é que pode ter uma interpretação mais correcta.
Muitas vezes nem os próprios actores desse filme, dado por nome, a relação amorosa, conseguem interpretar o que sentem e até onde conseguem ir. O amor platónico é teórico, na pratica dificilmente existe. Mas claro que existem pessoas que acreditam nele e só temos que respeitar.

beijo
Cati

Anónimo disse...

Aparentemente não há uma fórmula para que as relações sejam bem sucedidas.É um processo complexo. Ninguém quer sair da sua zona de conforto e dar mais de si. As pessoas desistem facilmente. Acima de tudo isto é o não quererem por em prática o que dizem. As atitudes têm que falar mais alto. Dá trabalho? Muito! Mas no fim, se as pessoas forem as certas, tudo valerá a pena.
Loba

Anónimo disse...

Olá,

Talvez não venha a propósito, mas lembrei-me de um texto do Miguel Esteves Cardoso. Entre outras coisas, escreve:"O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. (...) Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar."
Boa sorte