domingo, outubro 27, 2013

Como sair de uma relação afectiva

Como já aqui repeti por diversas vezes neste blogue que o que aqui escrevo não é "Lei". Ou seja, baseia-se em experiências pessoais, vivências e algum tacto que fui adquirindo ao longo desta minha curta existência.
As relações afectivas são complexas. Muito complexas, acrescento eu. E quem disser o contrário mente. Ou vive num mosteiro/convento em Marte ou então ainda não descobriu o sexo oposto. 
Duas pessoas são necessariamente diferentes, na medida em que há formas de pensar diferentes e formas de estar na vida diferentes. Também já aqui partilhei a ideia de que, a relação afectiva acontece de forma tão mais suave assim haja ou tenha lugar uma adaptação ou molde das personalidades de ambos em modo contínuo. Até aqui parece-me tudo óbvio e natural. Contudo, e com o evoluir do tempo e/ou experimentação de situações novas, o casal passa a estar perante outro nível de questões que terá de resolver. Questões essas que, para uma das partes do casal serão de somenos importância enquanto que para a outra parte serão fracturantes. E só pode haver um resultado possível: por um lado ser atingida uma solução de consenso, trabalhada a dois ou, por outro lado, não sendo possível atingir esse solução consensual estar-se perante o "início do fim". Passo o pleonasmo. E será aqui, neste momento em que a experiência a dois chega ao fim que importa perceber alguns detalhes.
Uma relação afectiva é feita de momentos, de vivências e de experiências podendo em qualquer um dos casos ser positivas ou negativas. Em paralelo, os momentos podem ser avaliados individualmente ou enquanto casal. Creio que não oferece qualquer dificuldade a assumpção de que não serão os momentos bons vividos em casal que conduzem ao final de uma relação afectiva. Seria o mesmo que dizer que sabendo que beber 1,5 litros de água por dia  faz bem à saúde se deve passar a beber 0,5 litro de óleo para fritar batatas. Parafraseando o adágio popular: "Em equipa vencedora não se mexe" e no neste caso, se as coisas correm bem na relação para quê inventar? É deixar fluir naturalmente. Se até aqui é possível que haja um entendimento e tudo é líquido, o mesmo não acontece quando se avalia a forma como a relação a dois reage aos problemas naturais decorrentes da vida a dois. As naturais vicissitudes de uma vivência conjunta. E é aqui que quero chegar. Quando a relação pode terminar. Quando foram esgotadas todas as tentativas de fazer com que a mesma resultasse. Quando se debateu horas a fio a forma de dar a volta por cima e manter a relação. Sem êxito. E chega o "momento da balança".
O "momento da balança" não é mais do que aquele momento em que se pesam dois pratos: o prato dos momentos bons e o prato dos momentos maus da relação. Esse exercício deverá ser realizado da forma mais honesta e introspectiva possível. Porquê? Porque só assim será possível avaliar o quão exequível e/ou desejável é manter ou tentar retomar o caminho a dois. Se o prato da balança pender para o lado dos momentos menos bons, e não havendo alternativas que permitam repensar o modelo da relação, é então altura de parar para pensar. É um sinal de alarme que não pode nem tampouco deverá ser negligenciado. E neste momento será aconselhável um período de 1 a 2 dias para estrututar o pensamento e separar o que é bom e o que é mau e findo esse período partilhar as conclusões com alguém especial. É aqui que entra o(a) melhor amigo(a). Alguém que acompanha(ou) a relação toda (ou quase toda) e que terá uma visão global da mesma. Alguém que derivado da sua natural posição de isenção conseguirá com relativa facilidade ajuizar se valerá a pena apostar ou desistir da relação e seguir em frente.
Após esta partilha será aconselhável outro período de reflexão, agora com os "inputs" da tal pessoa a quem se reconhece legitimidade para poder aconselhar. E aí sim, com o trabalho individual complementado com um ponto de vista externo e válido, estão reunidas as condições para a decisão final - o sair conscientemente da relação afectiva.
Naturalmente que não será algo simples quanto o escrever esta frase no computador comodamente sentado à secretária. Bem sei que pode acontecer estar em causa anos de relação, filhos pequenos, contas para pagar e por aí adiante. Mas também sei que a felicidade só é atingida quando estamos em sintonia e equilíbrio connosco mesmos. Só assim é possível amadurecer. E seguir em frente.

2 comentários:

Anónimo disse...

O tema pode ser abordado de diferentes formas e com muita frequência. No entanto nunca é retratado de acordo com uma vivencia. Ou melhor, só vivenciando as situações em si é que podemos tomar decisões. No entanto essas decisões são sempre muito difíceis de tomar, pois existem muitas coisas implicadas.
É o abdicar de uma vida, de um castelo construído a 2 e de muitos frutos que nasceram que não permitem tomar uma decisão drástica.

bj
Cati

Anónimo disse...

Para puder ter uma relacao com alguem, tera primeiro de conseguir relacionar se consigo mesmo, comece por ai!