segunda-feira, outubro 28, 2013

Os erros dos outros

Tenho, como é sabido, centenas de defeitos. Até aqui sem novidade. Quem me segue neste espaço há já algum tempo sabe que repetidamente refiro essas várias limitações nos meus textos. É incontornável. O que me assiste fazer, relativamente a alguns, é tentar "burilar" os mesmos, por forma a que a sua influência não seja tão notória. Noutros, tento melhorar até não conseguir mais e com o firme objectivo de que o efeito dos mesmos também não seja tão evidente. Há um exercício em concreto que tenho vindo a praticar há já algum tempo e que tenho de melhorar pelo facto do caminho ser "muito longo". Aprender a lidar com os erros dos outros.
Importa neste ponto clarificar e para que não haja nenhum mal entendido que quando falo em lidar com os erros das outras pessoas refiro-me objectivamente a questões em que, de alguma forma sou parte interessada. Um bom exemplo é aquele que decorre de eu próprio ter explicado algo a alguém, repetidamente, ter validado no final a compreensão da mensagem e mais à frente constatar que a pessoa erra.
A explicação, na humilde leitura deste vosso escriba, é simples. É mais fácil alguém dizer que entendeu bem algo que foi explicado do que assumir que não entendeu  algo que até parece ser simples (normalmente até é para quem explica). Ciente dessa realidade não me consigo contentar com um simples "entendi sim". Valido uma, duas, três vezes. É importante garantir que a mensagem foi bem passada e entendida do outro lado. E usualmente solicito a quem expliquei algo que me explique o que entendeu. E afino nesse momento um ou outro pormenor. Até à exaustão. Tenho de confessar.
Não consigo entender como é que alguém, depois de algo explicado até à exaustão, erra por distracção. Não me parece que seja razoável. Afinal a pessoa não foi sincera quando me disse ter entendido!!
Mas há exemplos piores. Nos últimos dias tenho percebido situações com as quais muitos de nós nos deparamos no quotidiano (aqueles que andam na estrada) - os erros na estrada. E é conhecida a minha sensibilidade para esta matéria. Se já suo das costas quando alguém erra por distracção depois de ter explicado uma série de vezes, já nos erros comuns que vejo na estrada fico muito perto de entrar em colapso cardíaco. Por exemplo, todos os dias constato que há pessoas que entram nas estradas (cruzamentos) sem sequer parar e como se conduzissem o único carro da estrada. E não me refiro a anciãos que conduzem os carros como se conduzissem há 50 anos atrás (com 1/3 dos automóveis nas nossas estradas). O preocupante é que há pessoas bem novas que cometem erros muito graves na estrada. E que chegam a perigar a vida dos demais utentes da via!
É possível que valorize coisas que as outras pessoas desvalorizam. Também concebo que não desvalorize aspectos que as outras pessoas valorizam. O que sei é que tenho de tentar melhorar. E aceitar os outros como são. Com ou sem suor nas costas. Com ou sem buzinadelas.

4 comentários:

Anónimo disse...

Experimenta dizer o que pretendes uma única vez, de forma clara e concisa; é provável que te escutem com mais atenção. Sem querer por vezes ofendemos a inteligência dos outros com demasiados pormenores.

Anónimo disse...

"É possivel que valorize coisas que as outras pessoas desvalorizam. Também concebo que não desvalorize aspectos que as outras pessoas valorizam. O que sei é que tenho de tentar melhorar."
Subcrevo.
Bj

PAz

Anónimo disse...

A tua escrita por vezes não é clara...

Anónimo disse...

Será que foste directo mesmo?
Tenta ser firme nas tuas palavras para que os outros te possam entender.