domingo, novembro 03, 2013

A multa

Recebi a semana passada um "postal de Boas Festas" antecipado por parte da Guarda Nacional Republicana (GNR). Tinha acabado de chegar a casa depois de um dia de trabalho e ali estava o envelope da GNR em cima da minha secretária. 
Quando se recebe um envelope da GNR uma de duas situações pode acontecer: a) Ser engano ou b) Alguma coisa de mal fizémos. Assumindo que a probabilidade da opção a) suceder ser tão elevada quanto me sair mais logo o "Euromilhões" restava-me a opção b). E foi com algum nervosismo que, de forma atabalhoada abri o tal envelope (que carinhosamente chamo de postal de Boas Festas). Ou por outra, o pouco que restou do mesmo depois de ter tentado seguir o picotado e ter rasgado mais de metade do envelope.
E confirmou-se o pior. Multa por excesso de velocidade. A minha primeira (e espero que última) coima por excesso de velocidade. 
Passo a explicar para enquadrar quem me segue neste espaço. Aquando do meu regresso a Lisboa (vindo do Algarve no final das férias de Verão deste ano) abusei na velocidade. Lembro-me que devo ter feito toda (ou quase toda) a viagem na faixa da esquerda da autoestrada e a velocidades bem elevadas. Tenho carro para isso e pior, as velocidades elevadas não se percebem. No meio do infortúnio que é ter de pagar uma multa por excesso de velocidade, até estranhei ter sido detectado a uma velocidade consideravelmente mais baixa do que aquelas que foram atingidas durante o percurso...mas aceitei. "Paga e não bufa" reza o adágio popular. Confirmei que os meus dados pessoais estavam correctos, a data do registo do excesso de velocidade idem (correspondente ao meu regresso a Lisboa) e os dados da viatura também correspondiam à realidade. Cheguei a confirmar se o radar estava devidamente calibrado e se tinha o número do certificado de calibração. Mas os meus "amigos" da GNR sabem que há pessoas como eu e sim, estava lá toda essa informação. Confesso que ainda tive uma esperança (pequena) que houve algum engano em algum momento para que pudesse impugnar a coima. Mas não. Tudo correcto.
Efectuei de imediato o pagamento voluntário da coima. Porquê? Porque defendo a ideia de que se prevaricamos (conhecendo as regras do jogo e neste caso as regras do código da estrada) temos de ser sancionados por isso. Já tenho carta há muito tempo e já andei muitas vezes bem acima do limite legal permitido em algumas vias...e como tal, sempre arrisquei (conscientemente) que um dia pudesse acontecer isto. E aconteceu. Toda a gente pagasse atempadamente as suas dívidas para com o Estado e talvez Portugal não estivesse como está. Afinal é uma questão de verticalidade e de honestidade pessoal. Na minha opinião, claro. Só espero que o dinheiro seja bem aplicado pela Direcção Geral de Viação, entidade para quem transferi a quantia em causa. 
Os resultados estão à vista. Passei a ter mais cuidado com o pedal do lado direito (acelerador) desde a semana passada. Ser reincidente numa situação de excesso de velocidade poderá significar receber outro postal solicitando a entrega da carta de condução e sinceramente não é das coisas que mais me apetece. Passei a andar mais com o jipe, onde a velocidade máxima que consigo atingir em segurança e mesmo de 80 km/H. E dentro da cidade ando invariavelmente a 40 km/H. Já o fazia anteriormente...agora faço de forma mais consciente e justificada.

1 comentário:

Anónimo disse...

Que coincidência, a semana passada também tive uma multa. Não por excesso de velocidade, pois carrego pouco no acelerador e nunca excedo os limites permitidos, mas sim por conduzir uma viatura com matricula espanhola.
Desde 2006 que cheguei a Portugal com o carro que comprei em Barcelona, nunca mudei a matricula pois sempre achei que era muito dispendioso. Quando me mandavam parar dizia sempre que estava de férias e mostrava o cartão de residente espanhol. Desta vez, para meu azar, o Sr. agente da GNR pede-me o contribuinte, eu não pensei e dei o cartão de cidadão. Aqui fui apanhada por ser ingénua. Claro está que tive de pagar a primeira multa por conduzir um carro estrangeiro.
Como me apreenderam os documentos, tive de ir a Lisboa nesse dia pagar 298€ da coima para levantar os documentos.
Claro está que coloquei no dia seguinte os papeis para alterar a matricula e evitar pagar este tipo de multas.
Vai-me custar muito pagar 3000€ para alterar a matricula, mas infelizmente tenho que o fazer, caso contrário podem apreender o carro na 3ª multa do tipo.
bj Cati