domingo, dezembro 22, 2013

O Circo

Por ocasião da vinda do meu sobrinho a Lisboa consegui arranjar alguns bilhetes para o circo e qual família feliz lá fomos com o diabrete ver os palhaços.
Começo por dizer que o circo de hoje é diferente do circo da minha altura. Ou seja, estou velho. A última vez que fui ao circo deve ter sido há mais de 35 anos. Ou mais ainda. Também não interessa muito para a história. O "meu" circo tinha focas, ursos que se punham em pé e leões que rugiam ao som do chicote do treinador a cortar o ar. Tinha mágicos que desapareciam envoltos em fumaça (se calhar estou a confundir com algum espectáculo de vi na televisão do saudoso David Copperfield..mas também não interessa para o caso). Onde quero chegar é que há diferenças bem grandes entre estas duas épocas.
Ainda não consegui perceber muito bem o motivo pelo qual o Afonso ficou quase todo o espectáculo a olhar para o tecto. Só ele e Deus saberão o que viu lá. Da minha parte...achei que o que aconteceu ali (no chão, portanto) e à minha frente foi...no mínimo....entediante. Em bom rigor e infelizmente, é a mais pura das verdades. A dada altura - e não estivesse ali o pequeno Afonso - teria certamente "passado pelas brasas" como a maior das facilidades. Faz parte de qualquer evento onde tenha de ficar sentado por mais de 45 minutos. Regra geral...adormeço. É frequente.
Não sei muito bem para onde vamos. Um circo sem mágicos é como uma praia sem areia. Fica a faltar alguma coisa. E acredito que eu próprio tenha tomado mais atenção ao espectáculo que tinha lugar à frente dos meus olhos do que o pequeno Afonso. Sim, que continuava a olhar para o tecto.
Não podiam ter escolhido pior a apresentadora do circo. Uma matrona, aí com uns expressivos 2,0 metros de altura por 1 metro de largura e com uma tatuagem no peito. À distância que me encontrava não consegui perceber bem o que simbolizava. Mas não me parece que estivesse muito longe da "clássica" rosa encarnada. Que contrastava com o seu cabelo curto ruivo-fogo. Já não falando da voz que faria a voz do Pavarotti parecer um canário rouco.
Não tenho dúvida que os cães amestrados, as pombas brancas obedientes ou os 15 ginastas de Leste tenham feito a pequenada ficar calada e muitíssimo atenta e consequentemente bem comportada.
Moral da história: voltarei ao circo com o Afonso quando tiver 25 anos. Talvez aí já demonstre algum interesse pelo que se passa "cá em baixo" em vez de passar todas as duas horas a olhar para o vazio.

1 comentário:

Anónimo disse...

O Afonso não deve ter percebido nada do que se estava a passar na sua frente, o espetáculo já não é o que era e tb derivado um pouco da sua tenra idade...tb acho que o circo e outros espetáculos das gerações anteriores,(da nossa) são mto diferentes dos actuais. Mas há uma coisa que tenho a certeza...daqui a uns anitos, qdo ele ouvir esta e outras histórias contadas pelo Tio João, ele vai achar muita piada...tenho a certeza...é melhor do que ir ao circo.
Bjs para os dois.

PAz