domingo, fevereiro 02, 2014

Dar Formação

Esta será uma daquelas semanas intensas que todos temos de vez em quando. Como tal, e dado que darei formação interna a 6 colegas, terei de me preparar convenientemente e estar preparado para toda e qualquer questão que se me coloque.
Ao longo dos anos e com os cursos de formação que fui assistindo, percebi que um formador seguro e com resposta pronta para todas as questões colocadas pelos formandos determinará o sucesso da acção de formação em causa. Analogamente, formadores que não têm a lição bem "estudada" terão alguma (senão total) dificuldade em cativar a audiência.
Um dos grandes problemas para quem dá regularmente formação, na minha opinião, é adequar o discurso à audiência existente em sala. Bem sei que para algumas pessoas é muito complicado explicar o que lhes parece óbvio. Mas tem de ser mesmo por aí. A acção de formação (ideal) deverá compreender 3 momentos: a) Preâmbulo, b) Desenvolvimento e c) Considerações.
No "Preâmbulo" afere-se o grau de conhecimento que os presentes têm sobre a matéria que irá ser dada. Efectuam-se 2 ou 3 perguntas de despiste para os formandos e ajusta-se mentalmente o que vai ser dito em função das respostas. Este ajuste é particularmente importante porque poderá sugerir que se pode aprofundar um pouco mais o conhecimento técnico - afinal a audiência acompanha - ou por outro lado (situação mais comum) é necessário que seja realizado um "downgrade" no nível de dificuldade adequando o conteúdo da formação ao nível de conhecimento mais baixo e detido pelos espectadores.
E chegamos ao "Desenvolvimento". Pessoalmente, entendo ser a parte principal ou mais importante de uma sessão de formação. É aqui que se diferenciam os "bons" dos "maus" formadores. A interactividade do formador com os formandos. A riqueza do vocabulário utilizado pelo mesmo. A pertinência das observações realizadas pelos formandos devidamente enquadrada. O conseguir "puxar" para si os formandos tidos como elementos anteriormente identificados como "desestabilizadores". O tornar alguém tímido....em alguém participativo entre tantos outros exemplos. O formador "sua" aqui. Bastante. Se fôr realmente bom e tiver a acção bem estruturada.
No final, em "Considerações" é o serenar da acção de formação. É o esclarecimento final de algumas questões. É o rever conteúdos e, no meu caso, pegar no teste de avaliação de conhecimentos e fazê-lo com os presentes. Prefiro assim do que não rever a matéria, entregar testes e depois ter notas más.

5 comentários:

Nazaré...Nazaré disse...

Dar formação, ser um bom formador não é para todos. É obrigatório “saber”, é imprescindível gostar de transmitir esse “saber”, com o tipo de linguagem apropriado a cada público-alvo é certo e sabido. E o melhor de tudo é no final podermos verificar que muito do que foi dito, do que foi exemplificado foi entendido, foi assimilado pelos formandos.
Decididamente, ser um bom formador não é para todos.

Anónimo disse...

Como formadora há alguns anos e com públicos muito diversificados que vão desde adultos a jovens e crianças é com muita satisfação que leio o teu texto.. é bom perceber que há profissionais de verdade... os meus parabéns...
Beijo
EU

Anónimo disse...

:)

PAz

Sisa el. disse...

Texto muito bem escrito, muito objectivo. Em poucas palavras e de forma resumida e esquematizada, disseste tudo o que é necessário para ser um bom formador: preparação, previamente feita; saber o nível e tipo de linguagem a ter com o grupo alvo; saber ser empático, cativar e fazer com que os formandos fiquem curiosos e com gosto sobre o que estão a aprender, para que assim apreendam, e finalmente o resultado, para se compreender se o objectivo foi ou não alcançado. Finalmente, se o formador, não tiver a característica e o gosto de ensinar, como em tudo da vida, não vale a pena! Parabéns pela exposição. Isabel

BaichaXiatsu disse...

Olá, iniciei-me como Formador em Maio de 2014, nunca tinha equacionado um dia o vir a ser, mas aconteceu, descobri a profissão mais gratificante da minha vida, a qual faço com muita dedicação, e "suor", é extremamente gratificante sentir que fomos capazes de transmitir conteúdos e que podemos ainda inspirar outros a se desenvolverem e interessar-se mais pelo estudo. para além disso obriga-nos a estarmos sempre em estudo e atualização.