domingo, abril 27, 2014

Âncoras

Por ser um tema recorrente e actual nunca é demais falar sobre este tema aqui no blogue - as âncoras ou as lembranças que ficam de eventos passados e que não têm de ser necessariamente positivas. E é sobre estas lembranças que me irei debruçar hoje.
Tenho para mim que cada um de nós "carrega" um conjunto de más recordações. É normal. Infelizmente é algo que terá lugar para todo o sempre. E há duas formas de (tentar) lidar com esta questão: a) Procurar ajuda especializada (i.e. a psicologia) e b) "Per se" resolver os seus problemas e seguir em frente. Faço parte deste último grupo. E já expliquei anteriormente a razão pela qual não considero esse tipo de ajuda especializada - embora me mereçam total consideração e respeito os profissionais desta área.
Em qualquer um dos casos o resultado final será, desejavelmente, o mesmo. Conseguir viver o dia-a-dia da forma menos atribulada possível e conseguirmos abstrair-nos das tais más recordações  e não projectar as mesmas nas pessoas que entram agora na nossa vida. Este será, na minha humilde opinião, "o" exercício que continuamente devemos fazer. Encetar um processo de conhecimento de pé atrás nunca dá bom resultado. Contra mim falo, note-se. Mas em momento algum disse que era perfeito, certo?
Aliado ao conceito de harmonia que deverá estar sempre presente no nosso quotidiano deve também existir uma boa dose de bom senso. Que culpa tem a pessoa que agora entra na nossa vida do mal que nos fizeram no passado? Nenhuma. Fará sentido conscientemente realizar essa assumpção? Não. Não faz. Devemos sensatamente dar tempo ao tempo. E de forma ponderada, inteligente conceder uma oportunidade. E creio ser este o caminho para "levantar âncoras" e seguir viagem.

domingo, abril 20, 2014

Ordem dos Engenheiros

Ainda que não ligue puto à deferência do título académico, é normal que tenha ficado satisfeito por recentemente ter sido aceite como membro daquela que é a associação que representa os interesses de uma classe profissional que são os engenheiros - a Ordem dos Engenheiros (OE).
É mais uma etapa da minha vida que é encerrada. Neste caso, o reconhecimento por parte daquela associação do meu grau de licenciatura em engenharia. Se para muitas pessoas não vale absolutamente nada e até optam por não fazer parte desta associação (conheço várias pessoas que não se identificam minimamente) para mim vale. E muito.
Como membro da Ordem dos Engenheiros pretendo ter uma voz activa (ou opinião, se preferirem) sobre alguns assuntos que me interessam particularmente. Acredito que nem todos me interessem verdadeiramente, mas seguramente alguns irão despertar em mim a vontade de participar e quem sabe, com o meu contributo, poder ajudar a "delinear" um diploma legal qualquer. Afinal, e há alguns anos a esta parte, já experimentei "no campo" a aplicação de um Decreto-Lei específico que entendo, se me permitem, que é completamente desenquadrado de tudo o que é razoável. E por vezes, importa que haja este "feedback" por parte de quem utiliza como ferramenta de trabalho o que está legislado. Sendo que tal decorrerá da experimentação de "modelos" na realidade e possibilitará um ajustamento dos mesmos. Entre outras coisas é este tipo de contributo que quero dar.

domingo, abril 13, 2014

A troca da bicicleta

Pois é. Como em tudo temos de experimentar algo para, com conhecimento de causa podermos opinar.
Comprei a bicla seguindo uma lógica economicista. Se podia comprar uma bicla que até era (e é) boa (e bem equipada) porquê comprar outra e depois ter de equipá-la? Não fazia sentido na minha cabeça. 
Imbuído na minha lógica de trazer por casa lá comprei a bicla. Não está em causa o não gostar de andar de bicla. Está sim em causa o associar andar de bicicleta a dor e a desconforto. Durante largos dias subsequentes a ter andado de bicla. Dizem-me que é uma questão de hábito....mas infelizmente não me parece que seja razoável (e normal) uma pessoa habituar-se à dor. Conseguem imaginar alguém levar todos os dias com um tijolo na cabeça e habituar-se à dor? Eu não consigo por muito que tente.
Mas há mais. A bicla que tive até há uns dias é tipo..um "Ferrari" do "BTT". Uma bicla para quem sabe o que tem ali, para quem já anda há anos de bicla "BTT" e percebe bem as diferenças existentes entre esta bicla e outra qualquer que teve antes. Faz todo o sentido. Para alguém que sabe como retirar o prazer e utilidade da mesma. E cai por terra a minha lógica que esteve subjacente à aquisição da mesma.
Troquei por uma bicla completamente diferente. Para passear com toda a tranquilidade. Sem pés presos aos pedais. Assim sim. À moda antiga.

domingo, abril 06, 2014

Passa a bola a outro e não ao mesmo

Acabo de chegar vindo de um centro comercial e tristemente realizo que mais uma vez me deparei com uma situação tão comum nos nossos dias - o alheamento das parte das pessoas para aquelas questões óbvias e quotidianas na esperança que, quem vem a seguir as resolva. Mas irei de seguida concretizar para se perceber bem do que falo.
Usualmente estaciono o carro nos pisos subterrâneos "-2" porque são menos povoados e há poucas pessoas que façam quilómetros para deixar o carro isolado. Sigo uma lógica simples de que nestes pisos  haverá menos carros e assim decrescer substancialmente a hipótese de chegar ao carro (depois de ter cumprido o que me levou à tal superfície comercial) e deparar-me um vergão profundo na porta em consequência da abertura descontrolada por parte de um mamute qualquer.
Por vezes vou aos centros comerciais para ir ao supermercado. Hoje foi um desses dias. E, como sempre, estacionei o carro no tal piso "-2", perto do local onde costumam estar arrumados os carrinhos de compras. Lá encontrei  uma moeda de 0,50 cêntimos e fui buscar um carrinho de compras para ir para para o supermercado. Rapidamente percebi que, a menos que colocasse o carro das compras às costas e subisse a galope escadas de rolantes qual cavalo, não sairia de onde estava. O ramal (usualmente) ascendente estava parado. O ramal (usualmente) descendente, idem. E eis senão quando uma senhora de provecta idade me aborda, dizendo que as escadas rolantes estavam paradas com um sorriso cúmplice. E também de gozo, pareceu-me. Como quem diz: "Já dei conta disso que isto está tudo parado, já arrumei o carrinho de compras e agora vou subir a pé a escada de rolante que por sinal está parada enquanto ainda vais pensar o que fazer da tua vida durante os próximos 20 minutos". E aqui reside a essência do meu texto de hoje.
Bom, qualquer pessoa no seu "juízo normal", aquilo que acho que teria feito era avisar o primeiro segurança que avistasse desta situação. Seria aquilo que entendo como normal e que faz sentido na minha cabeça. Mas assim não foi. Basicamente, tive de ir arrumar o carrinho de compras de onde o tinha tirado minutos antes, fui procurar um segurança, pedir-lhe que visse o que se passava e depois voltar a ir buscar o carrinho de compras. Tudo isto tinha sido abreviado se a tal senhora tivesse sido simpática e não tivesse pensado só na lixívia que decerto ia aviar no supermercado. Ou na esfregona. Ou na vassoura de cerdas duras para varrer a entrada lá do prédio onde costuma fazer umas horas. Porque são as pessoas egoístas e esperam sempre que outra pessoa resolva os problemas? Talvez um dia a bola volte à pessoa que a passou. E deixe de o egoísmo de parte quando tiver de resolver os problemas "per se". Sem esperar pelos outros.