domingo, dezembro 21, 2014

Desistência da carta de mota

Dou o dito pelo não dito. A vida é feita destas coisas. Avanços e recuos. Com a mesma determinação que referi no meu texto anterior que pensei até há dias em tirar a carta de mota...após alguma reflexão sobre o assunto optei por não avançar. Não sei explicar. Talvez tenha ajudado o facto de algumas pessoas - que se preocupam verdadeiramente comigo - terem partilhado algumas histórias de acidentes (uns graves e outros nem tanto) de conhecidos que se magoaram. Uns a sério e outros apenas arranhões. Algo que me diz que as coisas não correriam bem comigo. Vou ouvir a voz da consciência / maturidade. Em detrimento da voz do coração. Tenho dito. Com pena. Mas a minha "praia" sempre foram, são e serão os automóveis.

2 comentários:

Conceição Varanda disse...

Parabéns sinceros pela decisão. Altruísta. Gostava que o meu filho mais velho seguisse o exemplo. Percebesse...enfim, seja o que Deus quiser.

Conceição Varanda disse...

Não percebo como se deixa os comentários. Bolas. Parabéns, pela decisão altruísta. Gostava que o meu filho mais velho seguisse o exemplo. Enfim, fica nas mãos de Deus...