domingo, abril 19, 2015

Trabalhar remotamente

Já aqui falei sobre este tema em tempos. Não sei precisar bem há quanto tempo. Mas tenho ideia de já o ter feito. Sou (e sempre fui) defensor do trabalho remoto. Ou seja, não ser necessária a presença de alguém no local de trabalho para poder desempenhar as suas tarefas. 
Numa era em que cada vez mais se caminha para o mundo virtual (note-se que há carros que sem condutor conseguem perfazer largas centenas de quilómetros ou aviões que comandados remotamente supervisionam a partir do ar os terrenos onde  previsivelmente estarão alojados as tropas inimigas) faz todo o sentido que se avalie esta possibilidade. Afinal, estamos numa altura de contenção. Naturalmente que todos já entenderam que este conceito não pode ser generalizado. Não me parece verosímil se aplique por exemplo a uma loja de sapatos. Ou no caso de se comprar um fato feito à medida. Claro que tudo é relativo e são situações possíveis....Há consultas médicas "online" ou não é necessário ficar na fila do supermercado para comprar um quilo de laranjas....Resumindo, muita coisa mudou desde há 25 anos a esta parte.
Logicamente que esta será uma realidade que não agrada ao empregador. Porquê? Porque deixa de controlar o empregado. Porque deixa de perceber quão distante está o cumprimento dos objectivos / metas organizacionais contratualizados com o(s) Cliente(s). Porque deixa de perceber o empenho e dedicação das pessoas sendo quase impossível à posteriori defender uma diferenciação salarial. Ou quem chega cedo e quem sai tarde. Entre tantos outros aspectos. Pessoalmente, acho tudo uma falácia. Tudo isto se resume à responsabilização individual. E a seu tempo, saber pedir resultados. Se a pessoa não é capaz de mostrar resultados - depois de ter acordado prazos e não ter reconhecido atempadamente que não os conseguia cumprir - então é alguém que está fora deste conceito. Alguém que ou parou no tempo ou que não consegue perceber o conceito de responsabilização, gestão do tempo/prioridades e o conceito clássico de metas e objectivos. Talvez um dia este conceito de trabalho remoto deixe de ser exclusivo dos informáticos e sejam estendido a todos os outros níveis de actividade cuja presença física é desnecessária. No final do dia a poupança da organização em água, luz, gás (quando aplicável) é muito significativa. 

Sem comentários: