domingo, maio 03, 2015

Refugiados

Em linha com as últimas notícias, Portugal, enquanto Estado Membro da União Europeia, irá receber uma quota de refugiados resgatados do Mediterrâneo (cerca de 700 correspondente a 3,52%). À semelhança da Alemanha, França, Itália e Espanha cada Estado Membro terá a sua quota (proporcional). De fora, para já, ficam o Reino Unido, Noruega e outro(s) que não fixei. Dependerá da sua vontade participar (ou não) nesta causa. Por responder ficam duas questões: a) Por cá, onde vão ser colocados estes refugiados e b) Quem suportará os custos da s/integração na sociedade portuguesa. Perdoem-me os defensores dos direitos humanos - e concordo que se trata de um flagelo actual - mas não deixo de ficar confuso com esta decisão tomada nestes dias em Bruxelas. Com uma tão elevada taxa de desemprego por cá vamos receber pessoas que não têm qualquer ligação com Portugal? Mesmo!? Será que o actual Governo percebe uma potencial onda de revolta/contestação social (lógica) que surgirá por parte daqueles que ou já não têm dinheiro ou para lá caminham? Nos momentos em que devemos marcar um posição inequívoca abstemos-nos de opinar ou marcar uma posição que nos seja favorável na actual conjuntura socio-económica. Mais uma vez os "brandos costumes".

Sem comentários: