domingo, junho 26, 2016

Portugal - Croácia (25.05.16)

1. O nível de jogo que a Selecção Portuguesa mostrou hoje em campo contra a Croácia está nivelado com..um qualquer jogo amigável "pré"-Campeonato Europeu. E seguramente não será este o nível de jogo normal numa Selecção Nacional e da qual faz parte, por exemplo, o melhor jogador do mundo. Nota: É importante não esquecer que a generalidade dos jogadores chegam a este campeonato depois de uma temporada muito exigente; 2. Do pouco que vi e percebo de bola...o CR7 "acorda" no prolongamento. Faz um passo para o Quaresma que acaba por "mergulhar" na baliza croata facturando um golo que permite o acesso aos quartos de final; 3. Portugal não jogou bem. Teve sorte na finalização de uma jogada - que resultou num golo e é isso que interessa. Já a Croácia foi infeliz nas várias finalizações, mas foi notoriamente superior em campo. Conclusão: O resultado final do jogo de hoje não é mérito de Portugal. É demérito da Croácia.

domingo, junho 19, 2016

Receber formação

Quem como eu, dá formação com muita regularidade, tem uma tendência inevitável para avaliar outras formações em que participa - enquanto formando.
Não é qualquer pessoa que tem jeito para dar formação. Desengane-se quem pensa assim. Dar formação não é só debitar informação. É interagir. É conhecer os tempos para falar e para ouvir. É não interromper. É, de forma eficaz e eficiente, passar a mensagem e validar no final da sessão de formação que não há dúvidas.
Ao longo dos anos fui melhorando as minhas sessões de formação em função daquilo que entendo ser o mais indicado e aproveitando as várias experiências das sessões de formação em que estive sentado (formando). Como diz o adágio popular, os bons exemplos devem ser seguidos. E no mundo da formação, os bons exemplos são aqueles em que o formador consegue que não haja conversa com o parceiro do lado ou ainda aquelas sessões em que o telefone não passa a ser mais interessante que o formador.
A conclusão à qual chego quando tenho formação é que, regra geral,....os formadores que tenho tido não conseguem cativar a sala. Como consequência fico, não raro, entediado. Eu e todos os outros formandos. E acrescento que as piores formações são aquelas que têm lugar no período da tarde!

terça-feira, junho 14, 2016

Estágio Krav Maga

Em primeiro lugar devo um pedido de desculpas por só estar a escrever estas linhas a uma 3F quando o faço normalmente aos Domingos. Bem sei que não terá qualquer importância para a maioria das pessoas que me segue..para mim tem. É um desvio ao que tenho como definido. Mas há uma explicação: krav Maga. Sim. Uma das minhas actuais actividades.
Falta pouco para um exame importante que simboliza a entrada na graduação. O estágio que me tomou os últimos 4 dias permitiu o contacto não só com outras metodologias de ensino, bem como com outros Mestres e alunos que gentilmente partilharam o seu conhecimento técnico.
Foram dias intensos, cansativos, mas que em momento algum me arrependo de ter participado. Excelente. Não me restam muitas palavras para descrever o quão identificado me sinto com esta actividade de defesa pessoal. 
O meu instrutor entretanto abordou uma possibilidade para eu ir pensando e interiorizando: eu próprio vir a ser instrutor. Gostei. Ainda que tal não venha a acontecer nos próximos dois anos, senti que o meu esforço, empenho e dedicação são reconhecidos. E deu-me mais alento. Muito mais! 

domingo, junho 05, 2016

Muhammad Ali (1942-2016)

Ninguém é indiferente ao desaparecimento do Muhammad Ali (nascido como Cassius Clay), e um pouco à parte de ser tido como o maior pugilista de sempre. Esta é apenas um dos ângulos importantes que importa reter quando falamos desta importante e incontornável personagem.
Viveu e cresceu numa das mais quentes épocas dos Estados Unidos marcadas pelo racismo e guerra do Vietname. No tema "racismo", li algures há uns anos atrás que o Muhammad Ali estava para o boxe como o "nosso" Eusébio estava para o futebol. Sendo ambos de côr, cresceram em sociedades marcadamente racistas e marcaram uma posição indelével. À sua dimensão e realidade não havia ninguém melhor do que eles. E isto alterou significativamente o paradigma da época. Nos dois países. De alguma forma foram "embaixadores" das duas modalidades destes dois países no estrangeiro. E cada um, à sua maneira, eram temidos pelos adversários.
Na questão da guerra há uma divergência clara. Mohammad Ali era um intelectual. Visionário e fiel às suas convicções, recusou-se a cumprir o serviço militar no Vietname em profundo desalinhamento com a política militar vigente. Já Eusébio cumpriu o serviço militar como qualquer cidadão português. Isto mostra bem a fortaleza das convicções de um e de outro...

Deixo abaixo algumas citações de Mohammad Ali fazendo jus à sua alma e na medida em que muitas delas deverão nortear as nossas vidas:

(...)

"É a falta de fé que faz as pessoas terem medo de aceitar desafios e eu acredito em mim mesmo."

"O Homem que não tem imaginação não tem asas."

" O Homem que vê o mundo aos 50 anos do mesmo modo que via aos 20 anos, perdeu 30 anos de vida."

(...)

Deus dê Paz à sua alma