domingo, agosto 07, 2016

As viagens pagas pela Galp

Na última semana surgiu nos jornais a notícia das viagens pagas pela Galp a alguns membros do Governo. E creio que será um assunto que vai fazer correr muita tinta.
Se por um lado entendo a questão da dívida desta petrolífera ao Estado Português, não consigo perceber bem o empolamento que está a ser feito em torno das ofertas. No limite, e se quisermos ser verdadeiros, o dinheiro gasto nas viagens (e eventualmente despesas de alojamento, etc.), devia ser abatido na dívida da Galp com o Estado Português, correcto?
Não aprecio de todo este tipo de notícia. É aquilo a que chamo de mediatismo do falso moralismo. Num País onde é necessário ser-se amigo da pessoa certa ou pagar-se bem para ter algo mais célere, é anedótico que os media façam manchetes de algo que....sempre existiu e irá continuar a existir por cá. Não é de agora. E estranho muito como é que não há investigações mais profundas sobre o "cluster" farmacêutico e a classe médica.
O Estado Português deverá regular a prática das ofertas. Ou legalizar as mesmas para todas as classes profissionais - assim não colidam com os interesses nacionais - ou torná-la ilegal. É necessário que alguém defina os limites. Claramente. Sem enviesamentos. Sem zonas cinzentas. Tudo claro.
Para terminar, não me choca que um profissional de saúde receba uma recompensa por prescrever um determinado medicamento - assim se comprove que seja economicamente vantajoso para o doente cientificamente comprovado que é melhor que a oferta da concorrência.

Sem comentários: